web analytics
Sexo e nudez em Sanditon. Será?
FILMES & SÉRIES,  Sanditon

Sexo e nudez em Sanditon. Será?

Sexo e nudez em Sanditon. Será? Estas são as minhas primeiras impressões sobre a série, a começar pelo o que disse Andrew Davies, nosso conhecido das adaptações de Orgulho e preconceito 1995, Emma 1996 e Razão e sensibilidade 2008, sobre algumas cenas.

Sanditon¹ é um romance que Jane Austen deixou inacabado quando faleceu em 1817 e a série é inspirada nos 12 capítulos escritos por Austen mas o desenrolar da história e o desfecho é foi escrito por Andrew Davies.

Vamos então as declarações Davies para a imprensa: “Eu escrevo algo que gostaria de assistir e suponho que essa coisa de ‘sexualizar’ vem naturalmente.” Ele certamente se refere a cena em que a heroína, Charlotte Heywood, ao atravessar um parque vê um casal:

“Estavam sentados tão juntos um do outro e pareciam tão intimamente envolvidos numa conversação amorosa, que Charlotte de imediato sentiu que não tinha outra coisa a fazer senão recuar e calar-se.” ²

Se tal cena tiver a delicadeza da cena inicial de Razão e sensibilidade 2008 – a sedução de Eliza por Willoughby – eu certamente vou apreciar muito.

Os homens tomavam banho de mar nus naquela época e Davies naturalmente colocou na série e, talvez para gerar mais discussão e consequentemente mais propaganda, declarou:

“Há mais nudez masculina nos dias de hoje do que feminina. A nudez feminina pode ser uma área polêmica, por isso não nos sentimos confortáveis [incluindo]. Mas talvez o pêndulo possa voltar atrás.”

Ainda sobre os banhos lembrei do filme Amor e inocência (Becoming Jane) quando os personagens Tom Lefroy (Jame McAvoy) Henry Austen (Joe Peterson) depois de um jogo correm para o rio e jogam-se totalmente nus na água. Detalhe, Jane e Eliza correram para espiar! Outro ponto em comum com este filme são as lutas livres com os jovens rapazes.

O vídeo, sem legendas, mas com melhor resolução foi indicação de minha amiga Rita Watts (All Things Jane Austen.

Sobre Miss Lambe, que Jane descreve como mulata, sempre me perguntei se na concepção da autora ela seria uma versão, ou homenagem a Dido Elizabeth Belle. No vídeo aparece sendo maltratada. Qual será sua trajetória na série de oito capítulos… Alguém arrisca um palpite?

No livro, o provável par romântico de Charlotte Heywood, é descrito:

“Sidney Parker tinha uns 27 ou 28 anos, era bem-apessoado, tinha um ar decididamente livre e elegante, e um modo de ser muito vivaz.”²

Eu sempre imaginei Sidney Parker como um misto de Henry Tilney d’A abadia de Northanger e Tom Musgrave de Os Watsons³, divertidos e espirituosos e mais uma pitada dos cosmopolitas Tom Bertram e Henry Crawford, este último para apimentar um pouco a história, ambos de Mansfield Park.

Digo tudo isto pois o personagem feito por Theo James me pareceu um pouquinho ensimesmado, mas foram poucos segundos e só poderei avaliar depois de ver a série.

Volto ao início: sexo e nudez, tem certeza?  Será algo tão explícito (duvido) ou discreto e elegante? Ou incipiente para nós latinos americanos? Lembrem-se da camisa molhada de Mr. Darcy em 1995, que para mim mais pareceu uma camisa levemente borrifada de água… Oremos!


NOTAS

¹ Sanditon faz parte do livro Novelas inacabadas: Os Watsons e Sanditon, tradução de Ivo Barroso, com apresentação minha (Raquel Sallaberry) publicado pela editora Nova Fronteira,

² Todas as citações do livro são da tradução de Ivo Barroso.

³ Vide nota ¹

FONTES

The Telegraph: “Andrew Davies sexes up Sanditon in ‘risqué’ new Jane Austen adaptation” (Andrew Davies sexualiza Sanditon em nova e “picante” adaptação de Jane Austen)

Foto: Red Planet Pictures para ITV / Masterpiece

Vídeo: Daily Mail UK

7 Comentários

  • Dandara Machado

    É, acho que só nos resta esperar para ver qual será o resultado, tomara que seja do mesmo nível das demais produções do Andrew Davies.
    Obrigada,
    Dandara

    • Raquel Sallaberry

      Dandara,
      sim, esperar é o que precisamos. Só não sabemos quanto tempo até chegar no Brasil. Também gosto do trabalho de Andrew Davies. Vi muitos, um em especial, The Way We Live Now é muito bom. A escolha dos atores como Matthew Macfadyen, por exemplo, e também onde conheci a maravilhosa Shirley Henderson.

  • Raquel Sallaberry

    Eu não falei sobre música do vídeo no post, que suponho seja a música-tema. De início achei um tanto estridente, mas agora já grudou no meu cérebro.
    O que vocês acharam da música?

  • Fernanda Huguenin

    Interessante. Mas não gostei da musiquinha pop, não sou muito fã desse estilo rsrs. Espero que essa adaptação seja agradável! 🙂

Deixe uma resposta