web analytics
LIVROS JANE AUSTEN,  Persuasão

Carta para Miss Anne Elliot

Sempre pensamos no Capitão Wentworth e em nossos próprios sentimentos quando lemos a carta. Mas não podemos nos esquecer que a carta é destinada a “Miss. A. E.”!

Após Anne ler a carta, Jane Austen escreve:

Such a letter was not to be soon recovered from.

Esta carta não era para ser lida com precipitação.
(trad. Leyguarda Ferreira, Sangue Azul)

Não conseguiria recobrar-se logo de uma tal carta.
(trad. Luiza Lobo, Persuasão)

A tradução de Lyeguarda Ferreira assenta muito bem quando se lê o restante do parágrafo, mas a de Luiza Lobo traduz mais fielmente o que está na frase.

Como estamos falando de sentimentos pergunto: se a carta fosse para uma de vocês? Como vocês descreveriam seus sentimentos em apenas uma frase ao ler carta?

No meu caso acredito que reagiria da mesma forma que Anne e minha reação seria a tradução mental que fiz quando li pela primeira vez em inglês:

De tal carta era impossível recobrar-se de pronto.

 

Facebook Comments Box

10 Comentários

  • Na

    Concordo… ” De tal carta era impossível recobrar-se de pronto.”
    Ou então: “ah! meu deus do céu!” ou “jesus, maria, josé, e o camelo!” Mas, é evidente, o que está no livro é muito melhor.

    • Raquel

      Nique,

      não traduzo quando leio, só quando chego numa palavra que não sei o significado ou mesmo sabendo fico intrigada, e neste caso a palavra “pierce” me intrigou pois o uso no português virou sinônimo da peças que são usadas para enfeites no corpo.

  • Nique

    ah Raquel então eu faço a mesma coisa, paro só para procurar alguma palavra que não conheço ,perguntei por curiosidade , quanto a pergunta do post eu não pensei em nenhuma tradução, e quando tentei traduzir mentalmente.. bem eu desisti e li a sua tradução lol
    PS.: eu não sei se já escrevi isso, mas acho muito atencioso Raquel que você responda a cada um dos seus leitores individualmente.

  • tania

    Ficaria em estado de choque,quando na verdade deveria me sentir era lisonjeada por ser alvo de tamanha devoçaõ,tal qual eu senti ao ler “Mansfield Park”,toda vez que Henry se dirigia a Funny…não é o tema da conversa,mas é que Henry(até agora)é o meu galanteador favorito!Não foi feliz,mas teve lá o seu charme…