web analytics

Coisas de mulherzinha. Literatura de mulherzinha. Quando ouço isto sobre Jane Austen vou logo citando algum trecho de Persuasão ou Emma – mas este é um assunto longo e controverso e ficará para outra ocasião. Hoje falarei de outras mulherzinhas.

Quando terminei um caderno de notas para o Restaure, pensei: “está muito mulherzinha”  e lembrei imediatamente do filme Little Women baseado no livro de mesmo nome da escritora americana Louisa May Alcott. Apanhei meu exemplar – que ainda não li – abrindo aleatoriamente e corri os olhos pelo texto da página ímpar (que é o que sempre fazemos).  Adorei a surpresa do diálogo das irmãs Meg e Jo, na foto abaixo. Preciso ler este livro para comparar Jo March com Elizabeth Bennet e desde já me pergunto: terá Louisa Alcott lido Jane Austen? Alguém que tenha lido o livro percebeu a alguma semelhança?

Meu caderninho imediatamente tornou-se uma homenagem à Jo March e suas irmãs.

Visits: 1014

Artigos recomendados

29 comentários

  1. Nós, homens, também somos atingidos por esse tipo de comentário machista. Assisti à ‘Razão e Sensibilidade’ e ‘Orgulho e Preconceito’ nesse feriado e adorei os dois filmes. Tanto que deu vontade de ler os livros. E minha sexualidade não está à prova por conta disso.

    Pena que descobri que só há versões antigas/plagiadas/caras-demais da obra. Vou esperar a L&PM pocket lançar… Ótimo site e ótima iniciativa, por sinal! Abraços

  2. Arthur
    muito obrigada e seja bem-vindo ao Jane Austen em português!
    As edições antigas de Orgulho e preconceito e Razão e sentimento, nas traduções de Lucio Cardoso e Ivo Barroso, respectivamente, você pode comprar sem susto, são boas traduções.

    Mas fuja dos plágios e vamos ficar torcendo pelas edições L&PM!

  3. Eu amo Little Women, a história é muito bonita, eu me apaixonei pelo Laurie e a Jo é tão revolucionária quanto a Lizzy, mas de um modo diferente.
    Só acho que os livros da Alcott são mais infantis, as meninas são bem novinhas. Jane Austen escreveu para um público mais adulto.

  4. Olá!!

    Para começar, preciso dizer que adorei esse caderno. Está muito lindo.

    Acho que conheço esse livro, Little Women. Porém o exemplar que tenho, antiguinho (de 1969), da Coleção Elefante da Editora Ediouro -“recontado em português por Humberto Sales”, como diz a capa – tem um título diferente em nosso idioma: As filhas do Dr.March.

    Estava começando a lê-lo alguns dias antes de ler seu post. Estou muito no começo, pois parei a leitura para ler um outro livro, por isso ainda não tenho uma opinião formada sobre ele. Apenas não gostei muito do fato de terem claramente traduzido os nomes (não gosto de traduções dos nomes originais, mas antigamente isso era muito comum, pelo que parece).

    Assim que ler mais, opino sobre ele.

    Beijoos e, como sempre, parabéns pelo excelente blog!!

  5. Bárbara,
    eu tive essa sensação com o filme mas certamente é preciso ler o livro…

  6. Camila,
    muito obrigada. Por favor, quando terminar de ler deixe suas impressões aqui! Também acho esquisitíssimo quando traduzem nomes.

  7. Eu li Little Women ha alguns anos e não me lembro de quase nada, o que torna impossivel pra mim fazer qualquer comparação com as heroinas da Jane, também quando li esse livro nunca havia lido nada da JA.
    Nunca assisti o filme =/

  8. Raquel!
    Assisti ” Orgulho e Preconceito” esses dias, estou de molho por conta do torcicolo.
    Mas que lindo o seu caderno, a*m*e*i!! Bjs

  9. Raquel,
    Estou maravilhada com esse site.
    Que delícia ver aqui minhas paixões, romances e papelaria.
    Adorei e me identifiquei. Virei sempre.
    bjs

  10. Jo tem algo de Lizzie, mas não ao ponto de se dizer que seria uma versão americana desta. É um personagem que tem personalidade própria, envolvente, gostei muito de lê-la.

    Li Little Women, mas não li as continuações (Little Men, Jo’s Boys, etc). Quem sabe um dia…

  11. Tata,
    este caderno em parte é seu! Vou telefonar para saber do senhor torcicolo.

  12. Elaine,
    eu quero ler o livro…
    Alguém tem um tempinho aí para emprestar, vender?

  13. Adoro Little Women, nao é nenhum Jane Austen, mas é um clássico de fato. A Jo é indiscutivelmente uma das personagens mais realistas e legais de todos os tempos. É um livro que me fez rir e chorar. Rir especialmente quando lembrei de um episódio de Friends que tem muitas piadas em cima desse livro.

  14. Oi Raquel,

    Mulherzinhas é um dos meus livros favoritos desde a infância; eu tinha uma coleção com vários livros ‘juvenis’ e li este (muitas e muitas vezes!) e A Rapaziada de Jô, que encerra a série da família March.
    Acho que você vai gostar do livro, realmente a Jô tem o mesmo temperamento independente da Elizabeth, mas as duas são diferentes sim. Outra época, outro lugar, outra autora. Mas duas personagens maravilhosas!

    Um grande abraço!

  15. Cristine
    seja bem-vinda ao Jane Austen em português! Eu espero gostar!

  16. Raquel, sobre o livro mulherzinhas, algumas editoras o publicaram. vc me indica alguma em especial?

  17. Vanessa,
    eu só tenho em inglês (não resisto a um exemplar da Penguin!). Nunca tive em mãos qualquer tradução de Mulherzinhas, sorry…

  18. Olá,
    Apesar do assunto já estar um pouco velho, achei que valia a pena por aqui este link para uma comparação fotográfica entre Elizabeth Bennet de 2005 e Jo March de 1994. Tenho certeza de que vão achá-la divertida!

  19. Beatriz,
    o link que você colocou vai para aquela comparação do Mr. Darcy 1995/2005…

  20. Raquel:
    Adorei seu blog, já conhecia seu trabalho com encadernação e acessórios pelo Elo7 (também estou lá – http://www.elo7.com.br/cordobrasil – trabalho com encadernação também, embora tenha mais fotos no Flickr).
    Adoro Jane Austen… e acho que sou meio mulherzinha, mas com orgulho, sempre!

    Gostei muito também do http://girlebooks.com, uma hora dessas vou vasculhar cada cantinho, com tempo…!

    Beijocas!
    Ah, linkei seu blog no meu ( http://cordobrasil.blogspot.com/ )

  21. ih, caiu a conexão, perdi a mensagem.
    a trad. revista por godofredo rangel (nacional), o amiguinho do monteiro lobato, é minha favorita. foi inevitavelmente garfada pela claret, em nome de “alex marins”. no nãogosto tem um post cotejando esse plágio… snif.

  22. Denise,
    me diga, vai sobrar alguma coisa que não foi plagiada neste país???

  23. Existe as edições da Martin Claret sobre os dois romance: Orgulho e Preconceito e Mulherzinhas! quanto a filmes, os melhores são as versões de Orgulho e Preconceito e razão e sensibilidade, do diretor Ang Lee! se não me engano também existe a versão de Mandefield Park e o clube da leitura de Jane Austen.
    Ps: também concordo com a opinião do Artur, Leio todas as obras e não presciso provar minha sexualidade a ninguém!

    1. Logan,

      faz você muito bem, não precisamos provar nada quando o assunto é literatura!

      Orgulho e preconceito da Martin Claret é plágio. E plágio é algo que abomino. E por esse motivo não dou publicidade a nenhum livro dessa editora.

Comentários estão encerrado.