web analytics

No capítulo sete de Razão e sentimento Marianne toca piano em meio ao barulho e a desatenção de todos, apesar de a aplaudirem muito. O Coronel Brandon foi o único que “a ouvia sem arroubos” e “concedia-lhe apenas o aplauso da atenção”*.

A versão para o cinema de 1995, aqui chamada de Razão e sensibilidade, mantém-se fiel ao livro em sua essência. Vemos o coronel chegar em Barton Park e ouvir, antes mesmo de entrar na casa, Marianne que toca e canta ao piano a tristíssima Weep You No more Sad Fountains.

Dessa forma somos também apresentados ao comedido Coronel Brandon, que apesar de embevecido, porta-se com a maior discrição.

Weep you no more, sad fountains;
What need you flow so fast?
Look how the snowy mountains
Heav’n’s sun doth gently waste.
But my sun’s heav’nly eyes
View not your weeping
That now lies sleeping,
Softly, softly, now softly lies sleeping.

Sleep is a reconciling,
A rest that Peace begets.
Doth not the sun rise smiling
When fair at e’en he sets
Rest you then, rest, sad eyes,
Melt not in weeping
While she lies sleeping,
Softly, softly, now softly lies sleeping.

  • * trad. Ivo Barroso
  • Weep You No more Sad Fountains, de John Dowland (1563-1626), músico e alaudista inglês, contemporâneo de Shakspeare.
  • O tema da música é, muito resumidamente, um pedido para que a amada não chore, que descanse seu tristes olhos dormindo suavemente e assim como o sol levante depois sorrindo.

PS: Amanhã (post pronto) teremos Elizabeth Bennet cantando Mr. Darcy)

Views: 343

Artigos recomendados

8 comentários

  1. A chegada do Colonel Brandon nessa cena é de uma delicadeza admirável. A voz também é muito bonita, é da Kate Winslet mesmo?

    1. Cynthia,

      eu não lembro mais onde li, mas sei que dizia que ela foi dublada quando fizeram a finalização do filme.

  2. É muito doce o momento em que o coronel Brandon entra na mansão dos Middleton e se encanta com Marianne ao piano, apesar de essa cena não existir no livro dessa maneira. Bom, para um filme, o que acontece em “Razão e Sensibilidade” é realmente melhor do que no livro. Sem falar que a canção é muito bonita! Eu não sabia que ela havia sido composta há tanto tempo!

  3. Raquel, este seu post me deixou com mais vontade ainda de assistir “Razão e Sensibilidade”, de 1995, que coincidentemente comprei ontem no site da Livraria Saraiva. Na verdade, trata-se de uma edição de colecionador com os mesmos atributos daquela que está indisponível há um bom tempo, mas achei a capa um tanto rosada demais…

    Aliás, tenho outra excelente notícia: juntamente com o DVD de “Razão e Sensibilidade”, adquiri a edição de “Emma” da Editora Nova Fronteira, com tradução de Ivo Barroso (aquela da sua dica na “Gazeta de Meryton”, publicada há duas semanas atrás). Mal posso esperar para iniciar a leitura e pelo que já li a respeito, tenho quase certeza que se tornará um dos meus livros favoritos.

    Até mais!

    1. Júnior,

      duas ótimas aquisições! Essas capas de designers sem-noção…

      Desde já convido você para uma resenha ou sua opinião sobre o filme.

  4. Muita coincidência desse post. Como estava de férias, fiquei alguns dias sem ler o blog e agora me deparo com esse texto Sábado estava eu no you tube procurando por essa música e até adicionei em minha página no Orkut. De fato é uma música muito bonita! Eu gosto muito dessa cena em S&S de 1995 a expressão do coronel Brandon ao ver o ouvir Marianne. Gosto muito dos dois atores!

Comentários estão encerrado.