web analytics
MISCELÂNEA

Poesias de tradutores de Jane Austen

Para este post de 14 de março vou usar como desculpa o tal dia nacional da poesia. Muitos tradutores de Jane Austen no Brasil são também poetas e resolvi então adquirir pelo menos um livro de cada um deles. Mas a tarefa é mais difícil do que imaginei. Tenho em mão apenas três livros até o momento: Azul escuro de Alezandre Barbosa de Souza, Retro-Retratos de Celina Portocarrero e A caça virtual de Ivo Barrroso, dos quais escolhi um poema de cada que transcrevi logo abaixo da foto dos livros. E para não ser injusta com outros coloco as referências que encontrei nos links abaixo.

PS: Estou guardando para outro post um poema de Lêdo Ivo.

Poesia dos tradutores de Jane Austen

“mesmice”
Celina Portocarrero

– estou oca –
melhor louca
que assim pouca
Retro-Retratos, editora 7 Letras

“Acontece”
Ivo Barroso

Não quero. O caso é que não quero.
Não quero tudo aquilo que queria.
O que já quis. Tudo o que nunca
poderia alcançar. Pois acontece
que não quero. Hoje não quero nada.
Não quero Ariadne e o labirinto.
Não quero a paz nem o absinto.
Nem a pucela de Orleãs.
Nada pior que não querer.
Do que jã não querer. Não e nada.
Fatalmente e basta.
A caça virtual e outros poemas, editora Record

“Tristeza”
Alexandre Barbosa de Souza

Embalado na doçura,
Que não dura seu indício,
Sacrifício, desventura,
Criatura só, de início.
Silêncio do que não vi,
a vida no seu avesso.
Por sorte, que não vivi,
a morte, que não esqueço.
Editora hedra a preguiça editorial
Azul Escuro, editora Hedra

Facebook Comments Box

5 Comentários

Deixe uma resposta