web analytics

Lembrei de “Ensinamento” de Adélia Prado, que já mencionei aqui no blog, conversando com minha amiga Na sobre filmes melosos e com finais mais melosos ainda e que quase matam você se tiver diabetes.

Adoro este poema e hoje o coloco em destaque pois tenho certeza que Jane Austen concordaria com esta definição de amor de Adélia.

E para ilustrar, um ato de amor: Cassandra cozinhando enquanto Jane escreve, no filme Jane Austen Regrets.

Ensinamento

Minha mãe achava estudo
a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:
‘Coitado, até essa hora no serviço pesado’.
Arrumou pão e café , deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo.

Adélia Prado  Poesia Reunida, Siciliano, 1991

 

Adélia Prado, Jane Austen e o amor
Adélia Prado, Jane Austen e o amor

 

Views: 283

Artigos recomendados

13 comentários

    1. Marcia,

      Adélia é amorosa, é forte, é menina. Nada de feminismos rastaqueras que se vê por aí. É coisa linda de se ver.

  1. Concordo plenamente! Hoje em dia as pessoas parecem estar viciadas em “muletas sentimentais”, incrementos ou coisas do tipo. A forma mais bonita de sentimento é a mais simples de todas, sem muito mel ou feninismos moderninhos! Acho que muito da forma de Jane falar de amor em seus livros vem desta simplicidade (como a cena acima), é algo leve, singelo, não precisou de sensualismo também, é por essas e outras que essa mocinha é apaixonante!

  2. Amei a poesia, tão linda, não conhecia a autora, acho que vou a procura de mais. obrigada pelo compartilhamento

  3. Tantos textos e tratados sobre o amor e talvez tenha sido Adélia quem o descreveu plenamente. E coisa mais linda ver Adélia e Jane juntas de alguma maneira. Só você mesmo, Raquel! Ganhei meu dia.

    Grande beijo.

    1. Cássia,

      também ganhei meu dia, digo minha noite (que será longa) com seu comentário carinhoso!

Deixe uma resposta