web analytics
Emma,  LIVROS JANE AUSTEN,  MISCELÂNEA

A herança de Emma Woodhouse

Há aproximadamente duas semanas recebi um email de Leila Umehara com uma dúvida sobre a herança de Emma Woodhouse. Como não tenha certeza do que aconteceria com os bens do senhor Woodhouse após sua morte, e não havia escrito sobre esse assunto prometi que faria essa pergunta para todos os leitores do Jane Austen em Português.

Antes da pergunta vamos a um balancete do que Jane Austen nos conta sobre a fortuna dos Woodhouse. Sabemos que o senhor Woodhouse é bastante rico, o que se confirma com a menção de 30 mil libras que serão herdadas por Emma e certamente igual valor por sua irmã, Isabela. Mas sua propriedade, Hartfield, é pequena comparada com as terras de Mr. Knightley, que por sua vez tem pouco dinheiro sonante.

Leila lembra que as meninas Bennet, Dashwood e Elliot não herdaram as propriedades de seus pais e sua perguntas é:

No caso da Emma Woodhouse, quando o pai morresse, quem é que herdaria a propriedade?

Eu tenho um palpite mas guardarei para comentar junto com vocês. (Palpite publicado)

PS: Vejam o comentário esclarecedor de Clara do Jane Austen Portugal.


Emma, Mr. Woodhouse e Mr. Knightley
detalhe da ilustração de Fritz Kredel do meu exemplar de Emma, 1964

Facebook Comments

30 Comentários

  • nanda cantão

    boa pergunta… quando li Emma não lembro de nada que indicasse se ela receberia ou não a propriedade de Hartfield. Mas se for tomar como base as outras historias acho que ela nao receberia a herança.

    • Raquel Sallaberry

      Nanda,

      também não lembro de referencias de que Emma tenha ficado com Hartfield.

  • Aline

    Com certeza seria o marido de Emma, George Knightley, ou então um dos filhos que eles terão!

    • Raquel Sallaberry

      Aline,

      mas não podemos nos esquecer de Isabella, irmã mais velha de Emma, e seus filhos…

  • Haydée

    Se não me engano, existe uma referência à expectativa do filho mais velho de Isabela vir a ser o herdeiro de Mr. Knightley, afinal ele era considerado um solteirão. Mas não há qualquer referência à herança de Emma e sua irmã Isabella. Por outro lado, também não há menção ao fato de ser uma herança vinculada ao sexo masculino. Como era o caso da propriedade de Mr. Bennet, por exemplo. Acho que Miss Austen preferiu nos deixar no escuro a esse respeito 🙂

    • Raquel Sallaberry

      Haydée,

      sim, muito bem lembrado, a própria Emma quando imagina que ele poderá vir se casar com outra fica indignada pela possibilidade dos filhos de Isabella perderem a herança do tio. Ô, garota egoísta, sô…

    • Raquel Sallaberry

      Mima,

      será que o senhor Woodhouse deixaria de fora um provável filho de Emma? Ela era sua garotinha amada…

  • Marcia Caetano

    Raquel, li em uma matéria na Vanity Fair (que eu devo ter ainda) sobre a nobreza inglesa e eles explicaram que os nobres ingleses só conseguiram manter suas propriedades porque o único a herdar tudo é sempre o filho mais velho, ou o herdeiro homem mais próximo. E isso é assim até hoje. A matéria falava dos “recursos” que os nobres atuais vem usando, tais como “doar” parte de suas heranças para seus irmãos, já que eles não têm mais tanto dinheiro para manter essas propriedades sozinhos. Já as mulheres recebiam exclusivamente um dote e ponto, assim como um título qualquer dependendo com quem casassem. Hoje isso tende a mudar em outras esferas aristocráticas pelo mundo, mas parece que a inglesa continua como antes, privilegiando o filho mais velho. De modo que, como o sr. Woodhouse só teve duas filhas, a propriedade deve ir para um parente do sexo masculino mais próximo, possivelmente o filho de Isabela, já que um possível filho de Emma seria mais jovem e, portanto, segundo na hierarquia.

    • Raquel Sallaberry

      Marcia,

      mas sempre há exceções. Lembra de Lady Catherine de Bourgh? Mas voltando ao caso das nossas heroínas, os possíveis filhos homens de Jane e Bingley poderiam herdar, mas não foi o caso. Ficou mesmo com Mr. Collins.

      No caso das Woodhouse, por lógica parece que ficaria com o filho mais velho de Isabela, mas desconfio que Mr. Woodhouse faria algo para Emma. Ela era a favorita…

      • Haydée

        Existe a herança vinculada, quer dizer, a propriedade está vinculada ao herdeiro,nada pode ser vendido, que será o filho mais velho, ou, em caso de ausência de varões, o parente do sexo masculino mais próximo. Não sei se esse é o caso da propriedade do Sr. Woodhouse, pois essa vinculação acontece em propriedades antigas, da nobreza e da aristocracia rural. Em todo o caso, se esse fosse o caso, nenhuma das irmãs teria direito a herdar a propriedade, pois são mulheres. Também não há como um filho delas herdar, pois a herança só passa pela linha masculina e elas são mulheres. O herdeiro seria mesmo um primo, ou algo assim. Como no caso do Mr. Collins, ou do Mr. Elliot de Persuasão. No caso de Lady Catherine de Bourgh, ela tinha o título de Lady, pois era filha de um conde, assim como a mãe do Mr. Darcy. Mas a propriedade, Rosings, era do marido, que, pelo visto, não pertencia nem à nobreza, nem à aristocracia rural, visto que eles construiram a casa, lembram da conversa do Mr. Collins sobre escadarias, vidraças e lareiras? Pois então, como era uma propriedade recente, a filha Anne seria herdeira, pois não era vinculada ao sexo masculino. O interessante na Inglaterra é que, apesar da aristocracia e a nobreza usarem esse recurso de vincular propriedades e títulos ao sexo masculino, eles não aceitam a Lei Sálica, isto é, em falta de um príncipe do sexo masculino, uma princesa pode herdar a coroa. É o caso da atual monarca, por sinal. cada pais com seus usos e costumes.

      • Raquel Sallaberry

        Haydée,

        no caso de Emma, não sabemos pois Jane não menciona herdeiros então estou deduzindo que ficará para as filhas, ou talvez os netos.

        Eu não sabia sobre as propriedades mais novas não serem sujeitas às leis de heranças. Mas no caso da lei Sálica, eles aceitam, sim vide o caso de Elizabeth I, a rainha Vitória e a própria Elizabeth II. E estão mudando, ou tentando mudar para o caso da primeiro filho ser mulher ter precedência sobre um irmão mais novo.

        Confesso que não conheço as leis, mas creio que já li que sim, havia, pelo menos na época de Jane a possibilidade de deixar propriedades para fihas mulheres, apesar de ser raro.

        Mais uma coisa para ler e pesquisar!

  • Meiri

    O caso de Emma é o mesmo que ocorre com a Srta. Anne De Bourgh que é herdeira absoluta de Rosings Park, na série de 1994 de P&P Lady Catherine deixa isso claro. Nas notas de Orgulho e Preconceito da Penguin há a seguinte explicação para o legado masculino:
    “O patrimônio dos Bennet está legado “in fee tail male”, um acordo legal que garantia que apenas homens poderiam herdá-lo. Em muitos casos, eram redigidos contratos de legação complexos para evitar pleno usufruto da herança por parentes distantes, tais como o senhor Collins” (Orgulho e Preconceito Penguin Editora, pg 548).
    Acho que o Sr. Woodhouse é um destes que se utilizou de um contrato de legação complexo para garantir Hartfield à uma de suas queridas filhas.

    • Raquel Sallaberry

      Meiri,

      acabei de mencionar Lady de Bourgh para a Marcia. Mas a pergunta, me aprofundando um pouco, e não entrando no mérito para qual das irmãs irá a propriedade, ficará com uma das filhas diretamente ou para seus filhos homens?

      • Meiri

        Ah, é difícil mas vou com a maioria, o filho mais velho de Isabella.Quando Emma e a sra. Weston pensam que o sr. Knigthley está interessado em Jane Fairfaix, Emma protesta pensando em Donwell para o pequeno Henry, Isabella tem os filhos John e Henry, como John tem o nome do pai deve ser o filho mais velho, então subentende-se que Emma sabe que o futuro de John já está garantido como herdeiro de Hartfield.

      • Raquel Sallaberry

        Meiri,

        Isabella tem três meninos: John, Henry e George e duas meninas, Bella e a pequena Emma. Adoro a simplicidade na escolha dos nomes, apesar de nos confundir na leitura! Ninguém inventava nomes escalafobéticos para as crianças, que considero um bulling parental!

        E você tem razão o menino John dever ser o mais velho, pois leva o nome do pai. Henry, deve ser a homenagem ao avô Woodhouse e finalmente George, ao tio.

        Fico intrigada pela preocupação de Emma apenas por Henry, e o pequeno George?!

      • Luciana

        Não, Henry é o mais velho. Citando Mr Woodhouse:

        “Henry is a fine boy, but John is very like his mama. Henry is the eldest, he was named after me, not after his father. John, the second, is named after his father. Some people are surprized, I believe, that the eldest was not, but Isabella would have him called Henry, which I thought very pretty of her.” (http://www.gutenberg.org/files/158/158-h/158-h.htm)

  • Patrícia Portella

    Estou curiosa! Está aí uma coisa que sempre me intrigou. Porque a propriedade do Sr. Woodhouse não estava destinada para uma primo ou coisa parecida? Havia uma maneira de “optar” pelo herdeiro?

    • Raquel Sallaberry

      Patrícia,

      sim, havia uma forma de deixar para herdeiras, veja o caso de Lady de Bourgh.

  • Marina

    Se fosse por afeição, ele deixaria para Mr. Knightley, mas se eu lembro como rola essa questão de herança naquela época, a opção de Mr. Woodhouse seria os netos.

    • Raquel Sallaberry

      Marina,

      concordo com você, por afeição se pudesse deixar para um amigo, ainda mais casado com Emma, seria para Mr. Knightley.

  • Nique

    Acho que nesse caso o sortudo seria o filho mais velho da Isabella, já que os filhos da Emma e do Knightley herdariam Donwell abbey, John herdaria Hartfield… Creio que Emma não se preocupava muito com o menor, porque a questão da herança era mais incerta e premente, e o menor provavelmente já tinha o destino “traçado” iria ser encaminhado pra alguma profissão na igreja, exército ou direito como o pai.

    • Raquel Sallaberry

      Nique,

      a lógica parece ser essa, o filho mais velho de Isabela, mas há um detalhe: Donwell não pertence ao dois irmãos Knghtley? Eu lembro vagamente de uma conversa sobre administração do local… Preciso pesquisar.

  • Letícia

    Olha eu não sei… Recentemente li a revista Jane Austen portugal ( é a revista do site) que fala da herança em orgulho e preconceito, pelo que li as mulheres podiam herdar propriedades quando tivesse 21 anos se não tivesse nenhum outro filho homem. Pelo que eu li, Se o pai não tivesse filho homem, a propriedade era herdada em conjunto pelas filhas mulheres. Por isso as irmãs Dashwood não ficam com Norland,por que elas já tem um irmão mais velho. E as irmãs Bennett não ficam com Longbord por que a casa era de fideicomisso. A terra não era plenamente do Sr Bennett,a propriedade foi lhe deixada com algumas regras e só poderia ser passada para a herança masculina.
    No caso de Emma, eu penso que ela herdaria junto a sua irmã assim como Anne de Borgh a propriedade de Haterfield pq se não fosse herdar e a propriedade fosse para algum parente mais velho do sexo masculino, vcs não acham que o Sr woodhouse faria de tudo para casar Emma? Ele até mesmo reclama do casamento de Isabella, não lembram, preferindo que Isabella não tivesse casado. Assim eu penso que como Isabella já estava casada, Emma ficaria em Haterfield, como ela já havia passado dos 21 anos.
    PS:* desculpe os erros de portugu~es e os nomes escritos errados!

    • Raquel Sallaberry

      Letícia,

      concordo com você que Mr. Woodhouse faria tudo que fosse possível por Emma. E sim, algumas mulheres herdaram propriedades.

  • Lorene

    Concordo com os comentários anteriores de que Hartfield ficaria para o filho mais velho de Isabella. Afinal ele seria o parente do sexo masculino mais próximo do Sr.Woodhouse. Mas confesso que gostaria de entender mais sobre herança e dinheiro naquela época. Sempre me intrigam as referências de Jane sobre os montantes de fortuna dos personagens e o que eles faziam para que ela aumentasse anualmente com os juros. Raquel, vc sabe onde tem alguma informação disponível sobre isso? Obrigada!

    • Raquel Sallaberry

      Lorene,

      já mencionei algumas vezes no blog o assunto e indiquei post de outros blogs, mas todos em inglês. Ainda não sei o suficiente para escrever um bom post. Não é um assunto fácil e tem vários meandros. Assim que me sentir segura para escrever sobre o assunto, prometo que o farei.

  • Clara

    Não tive oportunidade de ler todos os comentários por isso não sei se vou repetir algo que já foi dito, no entanto, para quem quiser aprofundar melhor a questão – embora não diretamente porque o artigo diz respeito a O&P – deixo aqui remissão para o artigo de Luanne Bethke, “Land, Law and Love” ou para uma tradução http://janeaustenpt.blogs.sapo.pt/269043.html.

    Mas no fundo sei que “No tempo de Jane Austen, embora as mulheres pudessem herdar, possuiam várias limitações no que tocava a dispor dos seus direitos de propriedade ou de fazer contratos. Isto era totalmente apliclável às mulheres casadas. Quanto às solteiras, quando atingissem a maioridade” (na altura 21 anos) “pareciam ter direitos equivalentes aos homens no que tocava aos direito de propriedade”, porém parecia haver uma lacuna legal pois essa equivalência não era referida, talvez porque se entendia que “todas as mulheres, aos olhos da lei, são casadas ou em vias de ser casadas”. No que respeita às mulheres casadas, elas não podiam dispor do seu próprio direito de propriedade, porque se presumia que tais direitos estariam sob a alçada do marido” pois entendia-se que marido e mulher configuravam uma só figura para o direito, sendo o homem o porta-voz das tomadas de decisão.

    As filhas não podiam herdar coisa alguma enquanto houvesse filhos-homens na família. Nessa situação (não haver filhos-homens na familia), as filhas seriam tratadas como uma unidade e herdariam a propriedade em conjunto, pois considerava-se que, havendo apenas filhas, era mais vantajoso dividir a propriedade de forma a garantir que cada uma ficasse com uma soma razoável (dote) que lhes permitisse celebrar melhores casamentos .”

    Apesar de tudo o que foi dito, uma mulher podia herdar propriedades e dispor delas livremente e com plenos poderes, embora fosse bastante raro e só em situações de famílias ricas sem filhos homens onde se desejessasse beneficiar a filha com um avultoso dote.”

    • Raquel Sallaberry

      Clara,

      sua explicação é valiosíssima! Tanto que colocarei no link no próprio texto, para quem não costuma ler comentários.

  • Raquel Sallaberry

    Hoje publicarei nova enquete então, conforme prometido, meu palpite sobre quem herdaria Hartifield.

    Mr. Woodhouse sempre imaginava que Emma não iria casar e não se preocupava muito em termos de dinheiro para ela, pois já dispunha de uma bela renda, as tais 30 mil libras. Sua preocupação com ela era de ordem sentimental, pois apesar de amar Isabella sua preferida era Emma, e assim sendo pretendia que Emma usufruísse de Hartfield toda sua vida e somente depois seria legado para o filho mais velho de Isabella. Para tanto deveria ter uma clausula específica no seu testamento.

    Quando Emma casou com Mr. Knightley acredito que essa clausula possa ter sido mudada, para incluir possíveis herdeiros pela parte Emma.

    É claro que meu palpite é baseado na minha percepção dos sentimentos de Mr. Woodhouse e como podemos ver pelo comentário de Clara (acima), baseada no ótimo texto de Luanne Bethke, apesar de raro não era impossível mulheres herdassem propriedades na ausência de herdeiros masculinos.