Capa para biografia de Jane Austen | Resultado enquete/sorteio

O sorteio/enquete para a capa da biografia de Jane Austen, que será publicada pela editora Pedrazul ,teve 113 comentários válidos e a grande maioria preferiu a aquarela de Cassandra, com Jane Austen sentada de costas. E para nossa alegria essa será também a escolha da editora!

A vencedora foi do comentário número de 16: Daniele on 

Capa para biografia de Jane Austen | Enquete/Sorteio

Conversando com Chirlei Wandekoken, editora da Pedrazul, ela me contou que estava (está) pesquisando imagens para a capa da biografia de Jane Austen e eu, abusada como sempre, disse que a minha imagem favorita para a capa seria a aquarela pintada por Cassandra, aquela que Jane Austen está de costas. Na minha opinião essa aquarela capta muito bem o muito pouco que sabemos sobre Jane. A escolha da pose, imagino eu, seria da própria Jane e parece dizer, “vocês podem olhar o quanto quiserem, mas só saberão o que conseguirem ler nas entrelinhas!”

E dessa conversa nasceu a ideia de uma enquete/sorteio aqui no blog com sugestões de imagens para a capa da biografia Uma memória de Jane Austen. A minha sugestão como já disse é a aquarela (1) e coloquei mais duas que acho bastante boas: retrato de Jane, também por Cassandra (2) e a litografia (3) feita para biografia quando de seu lançamento em 1870.

Mas é claro que vocês não só podem como devem sugerir qualquer outra pintura, desenho – de preferência imagens grandes – ou um design diferente, pois todos as sugestões serão muito bem-vindas. Um site onde vocês podem pesquisar é The Athenaeum, lá tem um número imenso de lindas pinturas, todas com boa resolução e o que é importante, com informações de copyright.

Para participar dê sua sugestão nos comentários – mencionando o título e autor da imagem e dizendo o local ou site onde a conseguiu – até o dia 31 de agosto e concorra a um exemplar da biografia que será entregue somente no final do ano quando o livro estiver impresso.

Como vocês veem o casamento nos dias de hoje?| Resultado do sorteio

Retirando os comentários duplicados e incluindo um comentário de ontem, pois não tive de tempo de sortear na data prevista, foram 21 participantes nesta enquete/sorteio.

A sorteada foi Aline Tavares. Entrarei em contato para saber os dados de envio.

Muito obrigada, pela participação de todos e da editora L&PM que presenteou o livro Por que você não se casou… ainda de Tracy McMillan.

Como vocês veem o casamento nos dias de hoje?| Enquete/Sorteio

Um dos argumentos mais frequentes para não lerem os livros de Jane Austen é que os romances dela se resumiriam aos casamentos das heroínas. Costumo explicar que era outra época onde não havia mercado de trabalho para as mulheres e outros tantos detalhes sociais, e que a prosa de Jane é muito mais do que românticas histórias de amor e pergunto “mas afinal que mal há em casamentos”?

Quando vejo o livro Por que você não se casou… ainda, baseado num artigo de imenso sucesso escrito no Huffington Post, escrito por Tracy McMillan, que dá conselhos exclusivos para mulheres solteiras que querem se casar percebo que pouco ou quase nada mudou em relação a vontade de casar.

Nesta Enquete/Sorteio não falarei sobre os casamentos nos livros de Jane Austen e tampouco farei uma resenha do livro Por que você não se casou… ainda, e sim perguntarei para vocês, meus queridos leitores (as), solteiros(as) e casados(as):

Como vocês veem o casamento nos dias de hoje, sejam eles oficiais ou não?

Sortearei um exemplar no dia 31 de março entre os comentaristas deste post. Detalhe: como não é um sorteio convencional, vocês podem comentar mais de uma vez e eu também darei meus palpites por aqui.

Por que você não se casou... ainda | L&PMSinopse

Em dez hilários capítulos, a autora delineia os grandes problemas que impedem mulheres modernas, bem-sucedidas e inteligentes de encontrar um bom parceiro. Como numa conversa com uma irmã mais velha ou com uma amiga sem papas na língua, Tracy aponta aquilo que você talvez não esteja conseguindo ver em si mesma: atitudes, comportamentos e crenças autossabotadores. […]

Mansfield Park minissérie 1983 | Enquete

Temos duas versões filmadas de Mansfield Park publicadas aqui no Brasil. A primeira, de 1999, com o título traduzido por Palácio de Ilusões e com uma Fanny Price, que como bem disse uma leitora, mais parece Jane Austen do que a tímida protagonista. E a segunda, de 2007, que manteve o título original e entre as muitas falhas traz a tia Norris quase boazinha, o que é imperdoável!

A minissérie de 1983, que no meu box americano consta como 1986 (primeira capa abaixo), é a mais fiel ao livro e posso garantir para os leitores do blog que também é muito divertida e tenho certeza que as/os verdadeiros admiradores de Jane Austen apreciariam muito o lançamento dessa versão.

Diante desses fatos me dirijo à editora LogOn, que tem publicado as séries da BBC aqui no Brasil, iniciando hoje uma enquete e ao mesmo tempo um pedido: a publicação da minisserie Mansfield Park de 1983.

Quem mais gostaria de assistir Mansfield Park 1983 com o conforto das legendas em português?

Mansfield Park 1983

Sinceramente prefiro esta outra capa no caso de publicarem aqui no Brasil.

Mas as capas que mais gostei, mesmo, foram as do VHS lançadas em duas fitas. Fanny está tão lindinha!

Mansfield Park 1983 VHS

Um certo capitão...

Que tal um novo Capitão Wentworth? | Enquete

O rapaz teve lá seus percalços mas tem prática com navios. Que tal dar uma chance para o atual Capitão Gancho de Once Upon A Time, Colin O’Donoghue, para fazer o papel do Capitão Wentworth numa futura adaptação de Persuasão?

Comentem à vontade a formosura do rapaz mas comportadamente, pois somos todas finíssimas e não faríamos vergonha em qualquer salão da época da Regência!

PS: Sorry, boys… Prometo procurar uma Anne Elliot depois.

Colin_O_Donoghue, capitão Gancho em campanha para capitão Wentworth

Retratos de Jane Austen

De todos os detalhes que farão parte da nota de 10 libras com Jane Austen, sobre os quais escrevi no post “Jane Austen na nota de 10 libras | Anúncio oficial”, o único que realmente me incomoda é o retrato escolhido.

Para a enquete de hoje coloquei lado a lado apenas o rosto de Jane Austen na aquarela e na gravura, pois será apenas sobre o rosto que falarei.

Jane Austen, retrato e ilustração

Cassandra Austen fez um misto de esboço e aquarela do busto da irmã Jane Austen por volta de 1810. Jane nesse ano completou 35 anos e as feições da pintura de Cassandra (primeira imagem) me parecem compatível com essa idade.

Cassandra não era uma artista consagrada mas conhecia pessoalmente sua modelo e não creio que preservaria a pintura se tivesse ficado muito diferente do modelo. E sendo este o único retrato comprovado de Jane Austen temos que imaginar que pelo menos se parece com ela!

Quando o sobrinho James Edward Austen-Leigh escreveu a biografia da autora, 53 anos após a morte da tia, foi encomendada, não sei se por ele ou pela editora, uma gravura baseada na aquarela de Cassandra para ilustrar o livro. A nova imagem, feita no estilo pontilhado, tem várias diferenças, como acabamento, o que é compreensível, pois claramente o original é quase só esboço.

Mas voltemos ao rosto. No caso do rosto, quem quer que tenha feito a gravura, não aprimorou o esboço. Modificou o rosto!

Olhem com atenção e me digam se é a mesma pessoa. A primeira pessoa é uma mulher jovem. A segunda é quase uma criança! Terá no máximo 18 anos…

Enfim, esta é minha opinião. Convido vocês para darem suas opiniões e dizerem qual das imagens gostaria de ver na nota de 10 libras quando for lançada em 2017.

Imagens completas no site da National Portrait Gallery, aquarela de Cassandra Austen, circa 1810 e  gravura pontilhada (stipple engraving) da biografia A Memoir of Jane Austen de 1870.

Quem anda lendo Jane Austen demais?

A imagem abaixo é da série Foyle’s War que tem como cenário a cidade litorânea de Hastings na Inglaterra durante a Segunda Guerra Mundial e é o mote para nossa nova enquete.

Os namorados que conversam sobre Jane Austen* são Joe Farnetti, um soldado americano, e Samantha Stewart uma moça inglesa que trabalha como motorista para o inspetor de policia local, o senhor Foyle.

Um dos personagens diz, “você anda lendo Jane Austen demais”. Quem vocês acham que disse a frase, ele ou ela?

* vejam que mesmoem  legendas originais (Closed Caption) escrevem o sobrenome de Jane errado, o famigerado “Jane Austin”.

Sogras de Jane Austen | Enquete

Enquanto escrevia os posts comparando ilustrações de livros de Jane Austen lembrei-me das sogras nos seis livros principais de Jane Austen e resolvi fazer uma enquete sobre as mais difíceis de lidar.

Descartei a senhora Dashwood, que sempre gostou de todos os genros, incluído Willoughby, e certamente seria fácil de lidar. A senhora Jennings era impertinente mas era muito benquista por seu genro Sir John Middleton. O outro genro, Mr. Palmer, não conta pois era o mau humor em pessoa e era ela que tinha que aturá-lo.

Em Mansfield Park as sogras, as irmãs Lady Bertram e a senhora Price, eram, cada uma a sua maneira, distantes. Não consigo vê-las como sogras presentes na vida do casal Fanny e Edmund. Em Emma praticamente só tem órfãos e não me atrevo considerar Mrs. Weston, antiga babá de Emma como sogra.

A única sogra com algum destaque em Persuasão é a senhora Musgrove e neste caso quem precisa ter paciência de Jó é ela para aturar a hipocondríaca e mimada nora, Mary Musgrove. A senhora Morland, da Abadia de Northanger, que homenageie no dia das mães, era prática e sensata como mãe e certamente o seria como sogra.

Restaram duas mães, a histriônica senhora Bennet e a carrancuda senhora Ferrars. Eu sei que vocês, em perfeito juízo, escolheriam outras sogras, mas vocês sabem perfeitamente que quando namoram alguém é impossível escolher a sogra. Mas como sou uma garota boazinha aqui no blog vocês terão a chance de escolher entre a senhora Bennet e a senhora Ferrars.

Pensem em quem vocês amam e nelas como sogras, e depois me digam qual das duas vocês escolheriam para sogra.

Mrs. Bennet ou Mrs. Ferrars?

Sogras de Jane Austen, Mrs. Bennet e Mrs. Ferrars

A Páscoa, Mr. Collins e uma carta

Não pretendia escrever sobre a Páscoa, pois estou revisando minha leitura comparada de Orgulho e preconceito. Mas ao reler a carta de Mr. Collins avisando que fará uma visita aos Bennets, além de rir um bocado, lembrei que foi nesse exato momento que me apaixonei por ele!

A carta é só uma prévia dos salamaleques que apreciaremos ao longo de suas aparições no livro e o trecho que destaco, nas traduções brasileira e portuguesa, é sobre retomada da amizade com o senhor Bennet, com quem o falecido pai de Mr. Collins vivia às turras:

My mind however is now made up on the subject, for having received ordination at Easter, I have been so fortunate as to be distinguished by the patronage of the Right Honourable Lady Catherine de Bourgh, widow of Sir Lewis de Bourgh, whose bounty and beneficence has preferred me to the valuable rectory of this parish, where it shall be my earnest endeavour to demean myself with grateful respect towards her Ladyship, and be ever ready to perform those rites and ceremonies which are instituted by the Church of England.

Contudo, a minha decisão sobre esse assunto está agora tomada, pois, após a minha ordenação na Páscoa, tive a felicidade de ser distinguido pelo patronato da altamente ilustre Lady Catherine de Bourgh, viúva de Sir Lewis de Bourgh, cujo bondade e beneficência me atribuíram a valiosa reitoria desta paróquia, onde será meu profundo esforço subjugar-me com reconhecido respeito por Sua Senhoria, e desempenhar com rigor todos os ritos e cerimónias instituídos pela a Igreja de Inglaterra.
trad. Nuno Castro

Cheguei agora comigo mesmo a uma decisão sobre o assunto, pois, tendo recebido ordens durante a Páscoa, tive a felicidade de ser distinguido com a proteção de lady Catherine de Bourgh, viúva de Sir Louis de Bourgh, cuja largueza e generosidade me escolheram para preencher a importante reitoria daquela paróquia, onde me esforçarei por me conduzir sempre com o maior respeito para com Sua Excelência lady Catherine, e onde estarei sempre preparado para cumprir os ritos e as cerimônias da Igreja Anglicana.
trad. Lúcio Cardoso

Para além de sabermos que Mr. Collins foi ordenado clérigo da Igreja Anglicana na Páscoa, podemos ver as diferenças na tradução, que assinalei em negrito. A de Lúcio Cardoso foi minha primeira leitura de Jane Austen e como já disse me apaixonei por Mr. Collins e agora dei-me conta que ele é mais engraçado ainda na tradução de Nuno de Castro.

Pergunto para vocês, qual das traduções da carta (acima) vocês consideram mais engraçada?

Mr. Bennet lendo Mr. Collins

Mr. Bennet lendo e se divertindo com a carta de Mr. Collins
Orgulho e preconceito, 1995