web analytics
BIOGRAFIAS

Querida Jane…

No ano passado li, com o coração pequenino, o início do primeiro capítulo da biografia de Jane Austen, de John Halperin. Hoje, 18 de julho de 2009, 192 anos da morte de Jane Austen, compartilho com vocês a passagem que me emocionou.

Early on the morning of Friday, 18 July 1817, in a house in college Street in the city of Winchester, a woman lay dying. She was forty-one, and she was dying painfully. She had lived in Steventon, in Hampshire; in Bath and Southampton; in Chawton, also in Hampshire; and she had visited a good deal in London and in Kent: never had she been out of England. She had six brothers and a sister and a host of nieces and nephews, some cousins and a mother living – but no children of her own. She had never married.

Her sister Cassandra asked her if she wanted anything. “Nothing but death,” was the clear reply: “God great me patience, Pray for me, oh, pray for me.” Her physician gave her something to relieve the pain: half an hour later she was unconscious. “During that half-hour was her struggle, poor soul!” Cassandra wrote two days later. “She said she could not tell us what she suffered, though she complained of little fixed pain.” The sufferer reached a state of quiet insensibility, scarcely moving a limb. Except for a slight movement each time she drew breath, she lay still. Her head, nearly off the bed on which she reposed, rested on a pillow on her sister’s lap. “There was nothing convulsed or which gave the idea of pain in her look; on the contrary… she gave me the idea of a beautiful statue,” Cassandra said later. At 4:30 that morning, in Cassandra’s arms, her sister’s struggles came to an end. Cassandra closed her eyes.

Cedo, na manhã de sexta-feira de 18 de Julho de 1817, em uma casa na College Street na cidade de Winchester, uma mulher estava morrendo. Ela tinha quarenta e um anos e estava morrendo de forma dolorosa. Ela morou em Steventon, em Hampshire; em Bath e Southampton; em Chawton, também no Hampshire, e que ela visitou muito de Londres e Kent: ela nunca esteve fora da Inglaterra. Ela tinha seis irmãos e uma irmã, numerosos sobrinhos e sobrinhas, alguns primos e a mãe ainda viva – mas ela própria não teve filhos. Ela nunca se casou.

Sua irmã Cassandra perguntou a ela se queria alguma coisa. “Nada exceto a morte”, foi a resposta clara: “Deus de-me paciência, Rezem por mim, oh, reze por mim.” Seu médico deu-lhe qualquer coisa para aliviar a dor e meia hora mais tarde ela estava inconsciente. “Essa meia hora foi sua luta, pobre alma!”, Cassandra escreveu dois dias depois. “Ela disse que não poderia nos dizer o que ela sofreu, embora ela se queixasse de uma pequena dor permanente.” A doente chegou a um estado de calma insensibilidade, dificilmente movendo qualquer membro. Exceto um ligeiro movimento cada vez que respirava, ela permanecia imóvel. Sua cabeça, quase fora da cama na qual estava, repousava sobre uma almofada no colo da irmã. “Não havia nada agitado ou que desse a idéia de dor em sua fisionomia, ao contrário … ela me deu a idéia de uma bela estátua,” Cassandra disse mais tarde. Às 4:30 daquela manhã, nos braços de Cassandra, a luta da irmã chegou ao fim. Cassandra fechou seus olhos. (trad. mea culpa)

  • The Life of Jane Austen – chapter 1, “The End, July 1817” , John Halperin, 1984, The Johns Hopkins University Press
Facebook Comments Box

5 Comentários

  • Carlos Eduardo

    “… ela me deu a idéia de uma bela estátua”.

    Jane Austen tornou-se, mais que uma bela estátua, um dos maiores monumentos literários de sempre.

    ***

    Obrigado pela tradução Raquel.

    ***

    Fechando os olhos eu me vejo na catedral de Winchester colocando flores na lápide de Jane.

    • Raquel

      Carlos,
      acho se nós visitássemos juntos a catedral de Winchester choraríamos abraçados!

  • Leticia

    Raquel, que triste! Naquele tempo, sabe lá do que a pessoa morria realmente? A gente, vendo de hoje, já pensa que é câncer, mas podia ser tanta coisa… Tanta coisa que hoje se cura rapidamente, sem dor…

    Muito triste mesmo…

    • Raquel

      Letícia,
      muito triste mesmo, ver a pessoa morrer cheia de dor. O que me chamou muita atenção foram as cartas de Cassandra logo após a morte de Jane (que ainda não publiquei aqui). As cartas são de dor e ao mesmo tempo contidas, nada de lamentações estridentes.

  • Carlos Eduardo

    Claro que sim Raquel! Não dá pra ser durão numa hora dessas. Abraços e lágrimas em Winchester. Assim seria.