web analytics
CARTAS,  Orgulho e preconceito

O artifício das cartas em Orgulho e Preconceito

“O artifício das cartas em Orgulho e Preconceito
por Gisele Cano de Oliveira

Uma de minhas coisas preferidas nas obras de Jane Austen são as correspondências trocadas entre os personagens.

Numa época em que eram o principal meio de comunicação, é comum que as cartas apareçam frequentemente na literatura, mas especificamente nas obras da autora, são um importante recurso na descrição dos personagens, na exploração de seu caráter e na demonstração dos sentimentos, normalmente reprimidos nos encontros sociais.

Como não se lembrar da emoção de Anne Elliot (e de nós leitores) ao ler a carta deixada cuidadosamente pelo Capitão Wentworth já no final do livro, quando Anne imagina não haver mais esperanças. É, em minha opinião, um dos momentos mais emocionantes da literatura.

Carta Orgulho e preconceito: Mr. Darcy escrevendoEm Orgulho e Preconceito a carta de Mr.Darcy para Lizzie é o mote para a reviravolta nos sentimentos da personagem, não só por ser o recurso usado para esclarecer todos os mal entendidos, mas por que finalmente este, até então quase sempre monossilábico, demonstra com essa atitude o quanto preza Lizzie ao ponto de dar-lhe explicações, algo que, dada sua posição social, não tinha obrigação de fazer.

No seu prefácio para a edição de 2010 de Orgulho e Preconceito, Ivo Barroso descreveu muito bem a importância das cartas na obra da autora: “Mas que maneira espantosa de reproduzir tais diálogos ou de escrever tais cartas! Por eles, Jane Austen nos permite avaliar o grau de educação ou a ignorância do personagem e situá-lo na escala social”

Se me permitem fazer aqui uma analogia, acredito que podemos comparar as cartas de ontem com nossos smartphones de hoje. Se atualmente tiramos fotos de algo ou alguém para mostrar e comentar com os amigos se aquilo/aquele era bonito ou feio, bem ou mal vestido, então dependiam somente do interlocutor e sua visão do fato e até mesmo que tipo de mensagem este procurava passar ao destinatário, real ou manipulada. É possível perceber isso nas diferentes interpretações que Jane e Lizzie fazem do conteúdo das cartas de Caroline Bingley. A primeira, inocente e sempre vendo somente o lado bom das pessoas, e a segunda apontando as reais intenções no texto de Miss Bingley.

Carta Orgulho e preconceito: Elizabeth Bennet lendoComparo ainda as cartas de então com nosso contato pela internet de hoje, é muito mais fácil pôr no papel o que se sente do que dizer ao vivo; a internet, o email e as redes sociais nos dão uma sensação maior de coragem de dizer o que pensamos, para bem e para mal. Como não observar que, na carta enviada a Lizzie, Mr.Darcy ‘disse’ mais que em todo o restante da história!

Numa época em que as notícias chegavam a cavalo, as cartas eram ansiosamente aguardadas. Quase consigo imaginar a emoção em receber uma delas, o ato de lê-las lentamente para que a novidade perdurasse por um momento mais.

Hoje são tão raras, deixadas em segundo plano e quase que completamente substituídas por outros meios de comunicação mais ágeis como os emails, as mensagens de texto, os ‘twitts’ e os posts nas redes sociais. Pessoalmente não cheguei a fazer muito uso das cartas, no máximo enviei cartões em datas comemorativas, mas já moça, troquei muitos emails com meu marido (então namorado); eram loooongos, cheios de sentimento e ansiosamente aguardados; nem de longe demoravam tanto para chegar quanto às cartas de antigamente, mas eram lidos com o mesmo entusiasmo.

Uma pena que cada vez menos compreendamos a importância que as cartas um dia tiveram na vida das pessoas, numa época em que não havia TV, rádio, telefone, onde a distração eram os livros e a interação com as mesmas pessoas de sempre, eventualmente alguém novo nos bailes e jantares. Uma carta podia não só ser um alento ao trazer notícias dos entes queridos há muito distantes, mas também uma forma de descrever uma sociedade e até de registrar fatos que hoje consideramos históricos.

É interessante observar como, apesar dos meios de comunicação terem mudado e se modernizado, Orgulho e Preconceito se mantém tão atual e adorado por tantos leitores, acredito que, pela forma que a autora encontrou de, simplesmente, falar de pessoas.

Igualmente o mundo, pode ter evoluído, a sociedade avançado tecnologicamente, mas as pessoas persistem, no fundo, com as mesmas ambições e desejos. Enquanto o ser humano existir, sempre haverá a moça interesseira que procura um marido rico, o rapaz que se julga melhor que os outros por sua posição social, a jovem que sempre vê o lado bom das pessoas e nunca deixa de ser otimista diante da vida, em contrapartida o pessimista que reclama de tudo, o adulador, a mãe que quer casar bem a filha…

Todos esses tipos atrelados à capacidade de Jane Austen de descrever uma sociedade de forma totalmente universal, é o que motiva essa obra a continuar angariando novos fãs a cada dia e faz deste um dos livros mais queridos de todos os tempos, com certeza o meu preferido!

Além do livro, me inspirei na versão de 1995 com Colin Firth como Mr.Darcy (me perdoe Mr. McFadyen, só dessa vez, rs) e Jennifer Ehle como Lizzie para escrever esse texto, e nos extras do DVD a produtora da série, Sue Birtwistle, diz algo muito interessante: que toda vez que lê a obra torce para que Darcy e Lizzie fiquem juntos, como se já não soubesse o final, tão empolgante e viva é a narrativa de Jane Austen.

E é exatamente assim como me sinto quando releio suas obras, a emoção pode não ser tão intensa como a de quem lê pela primeira vez, mas está lá pulsante, e acredito ser o motivo de ter essa história se tornado um clássico.

NOTA
Livro usado para este artigo: Orgulho e preconceito, tradução de Celina Portocarrero, editora L&PM,

15 Comentários

  • Maria Luiza

    Ah, como minha filha Gisele, também gosto muito dessa talentosa escritora Jane Austen e dos seus romances, principalmente “Orgulho e Preconceito”, e como sempre Gi, você fez um relato sobre esse tema das cartas com muita qualidade e autenticidade!!

    • Raquel Sallaberry Brião

      Esqueci de dizer que um dos posts mais lidos aqui no Jane Austen em Português é de Gisele, sobre sua viagem a Inglaterra e seu encontro com o ator Matthew Macfadyen!

  • Raquel Sallaberry Brião

    Gi,

    mais uma vez agradeço sua participação no Jane Austen em Português.

    “Em Orgulho e Preconceito a carta de Mr.Darcy para Lizzie é o mote para a reviravolta nos sentimentos da personagem, não só por ser o recurso usado para esclarecer todos os mal entendidos, mas por que finalmente este, até então quase sempre monossilábico, demonstra com essa atitude o quanto preza Lizzie ao ponto de dar-lhe explicações, algo que, dada sua posição social, não tinha obrigação de fazer

    Repito e assino embaixo, não tinha obrigação de fazer!

    Sou suspeita pois desde a primeira vez que li Orgulho e preconceito mesmo reconhecendo a rudeza de certas palavras de Mr. Darcy o defendi. Em momento algum fiquei com raiva dele.

    Sim, de fato as cartas nos livros de Jane Austen tem papel relevante e esta de Mr. Darcy é o ponto de mudança, do início da mudança dos sentimentos de Elizabeth e também dos leitores em relação a Darcy.

    • Gi Cano

      Oi Raquel,

      engraçado vc comentar isso, eu já li o livro umas 4x e a cada nova ‘lida’ eu vejo algo novo, por isso digo que é uma obra para ler e reler.
      Eu não tive essa sua percepção desde a primeira ‘lida’, tá certo que eu já conhecia a história quando li o livro pela primeira vez. Não cheguei a ficar com raiva dele tb, mas não entendi dessa forma que vc falou e que eu tb notei nessa última vez que li (e tb por ter revisto a série de 1995, que mostra bem os detalhes q ficaram de fora do filme), vejo hoje que a carta foi uma cortesia dele para com a Lizzie…acho q só o fato dele ter escrito já demonstra como os sentimentos dele de amor e admiração por ela não morreram com a recusa e nem morreriam tão cedo…como comprovamos depois.
      Vou parando por aqui senão vamos longe no papo, essa história dá ‘muito pano pra manga’, rs
      Bjs e conte comigo sempre!

      • Raquel Sallaberry Brião

        Gi,

        a cada leitura mil detalhes novos, sempre! Eu li primeiro o livro e por esse motivo talvez tenha primeiras impressões diferentes. Eu paro por aqui por absoluta falta de tempo! beijos

  • Patrícia Portella

    Fico pensando agora, se Lizzie depois de receber a tal carta e descobrir seus verdadeiros sentimentos por Mr.Darcy, não segurava aquele “papel” tentando sentir um perfume tão especial… com certeza não é a mesma coisa que receber emails e telefonemas, cartas são registros tocados pelas mão de quem escreveu e enviou, um pequeno tesouro! Belo post!

    • Raquel Sallaberry Brião

      Patrícia,

      mais um aspecto maravilhoso das cartas. Mas será que os homens perfumariam as cartas naquela época? E se o fizessem, Mr. Darcy, tão reservado, o faria?

      • Patrícia Portella Ribeiro

        Raquel,
        nem falo de um perfume “real”, acho mesmo que isso não faria o gênero de Mr. Darcy, falo do perfume que cada um tem, aquele que com certeza Lizzie já havia sentido, quem sabe bem de perto como quando dançou com ele no baile de Netherfield, aquele, digamos, cheiro de Mr.Darcy…seria de mato, de lago, de cavalo, de lareira ou quem sabe uma lavandinha…duvido que ela não colocou o nariz naquela
        carta…mistério!

      • Raquel Sallaberry Brião

        Patrícia,

        agora entendi! Sim, certamente ela perceberia o cheiro dele.

  • Marcia Farias

    Gi, adorei teu texto….Teu amor por Pride & Prejudice me afetou….Só parei para ver partes desse filme ( nunca consegui vir inteiro snif snif) por tua causa!! Tenho o livro mas não consegui lê-lo ( ainda!!) Congrats my dear!!! Espero, em breve, ler o livro e aí vamos poder discutir….Parabéns pelo texto, amiga!! Tu mereces!!!

  • cristina b silva

    Dois pontos que foram colocados chamou minha atenção, não sou única, a de não ficarmos com raiva de Mr. Darcy e ler a obra sempre reparando numa nova vírgula, paisagem , personagens . Realmente a obra de Jane é muito viva .

  • Rebeca

    Gi, tem razão: as cartas neste livro (e em toda a obra da Jane) são alguns dos meus pontos favoritos. Sempre me lembro do que uma das personagens do filme CLUBE DE LEITURA DA JANE AUSTEN disse: “Nunca despreze uma carta bem escrita”. Só quem escreveu e recebeu cartas sabe o que isso quer dizer. (E não sei se o email tem a mesma emoção…)
    Bjos,
    Rebeca

  • Samanta

    Estou lendo o livro.Adoro tudo nele! É como se eu viajasse no tempo e pudesse ver os costumes,o que era moda, como se comportava a sociedade.Um dia desses estava pensando nas cartas do livro e lamentando o fato de que tão poucos as escrevem hoje. Queria tanto que certas delicadezas daquela época fossem vividas nos tempos atuais.