Livros que Jane Austen leu – Parte 2

Categorias CARTAS, LIVROS
Livros que Jane Austen leu – Parte 2
por Mell Siciliano

Vamos continuar? Mais livros para vocês mencionados nas cartas de Jane Austen:

Carta 49 – Genlis, Stéphanie Félicité. Alphonsine, ou la tendresse maternelle, 1806. Outro livro da Stéphanie Félicité, que apareceu também na carta 25. O livro conta a história de uma jovem – fruto de um relacionamento ilegítimo de sua mãe  – que nasceu e foi criada em um porão, na escuridão e longe da sociedade, acreditando que aquilo era mundo. Treze anos depois a protagonista obtém sua liberdade, e a narrativa avança enquanto ela tenta lidar com novas realidades ao descobrir que o mundo era muito mais do que ela achou que fosse. Saiba mais sobre o livro aqui (em francês).

Carta 49 – Lennox, Charlotte. The female Quixote, or, the adventures of Arabella, 1752. O livro de Charlotte Lennox é considerado por muitos uma grande fonte de inspiração para Northanger Abbey. A personagem principal, Arabella, é uma leitora voraz de romances, e por isso acaba trazendo muito drama e fantasia para a sua vida pessoal. Saiba mais aqui (em inglês). Acesse o livro aqui.

Carta 50 – Burney, Sarah Harriet. Clarentine, a novel, 1796. Clarentine é uma orfã que vive na casa de seus tios e é muito querida por seus primos. O livro conta a história do amadurecimento de Clarentine e seus primos, e todos os problemas que surgem nesse período. Jane Austen não gostou desse livro. Segundo ela, o livro tem condutas e situações artificiais, e não suporta mais do que uma leitura. Em suas palavras: “We are reading ‘Clarentine,’ & are surprised to find how foolish it is. I remember liking it much less on a 2d reading than at the 1st & it does not bear a 3d at all. It is full of unnatural conduct & forced difficulties, without striking merit of any kind.”. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 50 – Cowper, William. The Task, 1785. The Task é um poema em verso branco, distribuído ao longo de seis livros. Para muitos é o melhor trabalho de William Cowper. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 51 – Grant, Anne. Letters from the Mountains, being the real correspondence of a Lady, between the years 1773 and 1807, 1807. Este livro contem cartas reais de Anne Grant para suas amigas, no período de 1773 a 1807; há uma resenha bem grande da obra nesse livro (em inglês).

Carta 51 – Baretti, Joseph. Account of the manners and customs of Italy, 1770. O livro tinha como principal objetivo retratar a Itália de maneira a mostrar que ela ainda tinha importância cultural e artística, negando que sua importância residia em glórias do passado, como acreditavam alguns. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 56 – Southey, Robert. Letters from England, by Don Manuel Alvarez Espriella, 1807. O livro é formado por cartas fictícias de um turista espanhol na Inglaterra – Don Manuel Alvarez – contando sobre sua estadia, a sociedade, os costumes locais, política, etc. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 57 – Percival, Thomas. A Father’s instructions: consisting of Moral Tales, Fables, and Reflections, designed to promote the love of Virtue, 1768. O livro tem vários contos, cada um transmitindo uma lição de moral no final. O objetivo do autor era ensinar moral e contribuir para o conhecimento das crianças. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 60 – Porter, Anna Maria. Lake of Killarney, 1804. Infelizmente não achei muitas informações sobre este livro. Mas segundo este site (em inglês), a obra era um romance sentimental, passado na época de Napoleão.

Carta 62 – Piozzi, Hester Lynch. Letters to and from the late Samuel Johnson, 1788. Este livro, publicado por Hester Lynch Piozzi, é uma compilação de cartas do lexicógrafo, editor, poeta, crítico e ensaísta Samuel Johnson. Hester Lynch é um caso a parte, ela foi uma das primeiras mulheres a escrever trabalhos no campos de história e filologia. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 63 – Stael, Germaine. Corinne, ou l’Italie, 1807. A obra da autora francesa Germaine Stael conta a história da poetisa Corinne, e debate sobre a questão feminina, os direitos das mulheres, e a existência da mulher como um ser independente. Saiba mais sobre o livro aqui (em francês). Acesse o livro aqui.

Carta 64 – Laggan, Anne Grant of. Memoirs of an American Lady, 1808. O livro conta histórias – em parte inspiradas na vida da autora – de como era crescer nos Estados Unidos colonial, pré-revolução. Saiba mais sobre o livro aqui (em inglês).

Carta 64 – Sykes, S. Margiana, or Widdrington Tower, 1808. Este foi o primeiro livro da autora. O romance gótico se passa no século XV e conta a história do declínio da família de Margiana. Saiba mais aqui (em inglês).

São muitos livros, né? E ainda não acabou. São ao todo 160 cartas no livro, então podem esperar mais referências a obras literárias do período por aqui!

Livros que Jane Austen leu - Parte 1

Leia também Livros que Jane Austen leu – Parte 1

5 comentários em “Livros que Jane Austen leu – Parte 2

  1. Pena que a maioria em inglês, E dois em francês. Gostaria de encontrar esses livros em português. Muito interessante!

  2. Eu acompanho essa lista que a Mell faz, acho muito interessante! 😀
    Pena que não tem nenhum dos livros em português, fiquei com muita vontade de
    ler “Alphonsine, ou la tendresse maternelle,”.

Deixe uma resposta