Jane Austen e Tom Lefroy – parte 7

O solar de Carrigglas, ou Carrig Glas, foi comprado em 1837 por Tom Lefroy, nessa época com mais de sessenta anos e já nomeado Juiz do supremo Tribunal de Justiça da Irlanda. A casa, em estilo gótico, foi projetada pelo arquiteto Daniel Robertson, conhecido por seus Jardins Italianos em Powerscourt.  Os pátios e a célebre avenida Paladiana* foram obra de James Gandon, criador da Customs House e Four Courts em Dublin, capital de Irlanda.

A propriedade, infelizmente, não pertence mais a família Lefroy e sim a um grupo que está construindo casas, campo de golfe e um hotel nos arredores da mansão em Longford, condado da Irlanda. Ou estava. Um artigo de maio/2008 no The Post Online, diz que o grupo enfrentava liquidação por não pagamento de dívidas. No site do Grupo tem belas fotos da propriedade e das futuras construções, estas últimas breguíssimas, na minha opinião, é claro!

Há também nos Arquivos Web, o que restou do site da família Lefroy, onde apanhei as fotos que coloquei aqui.

Solar

Biblioteca

Estufa

Four Courts, Dublin

* Paladianismo: movimento arquitetônico que floresceu na Inglaterra circa 1720-1770 e que deve seu nome ao arquiteto veneziano Andrea Palladio, em quem foi buscada sua inspiração. Verbete do Dicionário de termos artísticos, Luiz Fernando Marcondes, Edições Pinakotheke.

Links da série completa de posts sobre Jane Austen e Tom Lefroy:
Jane Austen e Tom Lefroy – parte 1 | parte 2 | parte 3 | parte 4 | parte 5 | parte 6 | parte 7 | Amor, inocência e pouco substantivo

10 comentários sobre “Jane Austen e Tom Lefroy – parte 7

  1. Raquel disse:

    Gizelli
    sou totalmente a favor de mudanças, mas com critérios e bom gosto!

  2. Raquel disse:

    Letícia, minha filha, você é má! Muito má , viu? Você deve ser parenta dos Darcys de Pemberley, que são todos mau que nem pica-pau…

  3. Vanessa disse:

    Os lugares são realmente lindos. Seu eu tivesse condições viajaria à Inglaterra pra conhecer todos os lugares que fizeram parte da vida de jane, o lugar onde ela nasceu, onde morou e ainda daria uma esticadinha até a irlanda para ver essas propriedades. Muito lindas!

  4. Raquel disse:

    Vanessa,
    eu também! E certamente iria para Irlanda, não sei se até
    Carrig Glas, pois se bebo a primeira Guinness, já não respondo por mim…

  5. Aline disse:

    Sério, quem dera eu tivesse grana para ter algo como isso.

    Mas acho que não daria para ter tantos filhos para uma “casa” como essa, só não gostei de saber queterá campos de golfe e etc em volta, mas fazer o quê?

    Mas adorei a estufa ^^

Os comentários estão desativados.