web analytics

A leitura de Persuasão para o Chá me fez perceber o quanto Jane Austen neste último livro soube ser dura com a família, e me refiro aqui à família como teia de relacionamentos dos quais não podemos nos desvencilhar facilmente. As críticas sobre as crianças, que Jane sabidamente não apreciava, serão tema de outro post mais adiante e com mais vagar.

Detenho-me então no caso do marinheiro Richard, filhos dos Musgroves, que serviu por seis meses na fragata Laconia sob as ordens do capitão Wentworth. Há quem diga que Jane provavelmente revisaria o livro e amenizaria tal passagem. Coincidentemente terminei de ler a biografia de Jane de John Halperin e ele afirma o contrário. Vamos a passagem,

[…] the Musgroves had had the ill fortune of a very troublesome, hopeless son; and the good fortune to lose him before he reached twentieh year; that he had been sent to sea because he was stupid and  unmanageable on shore; that he had been very little cared for at any time by his family, though quite as much as he deserved; seldom heard of, and scarcely at all regretted, when the intelligence of his death abroad had worked its way to Uppercross, two years before.
He had, in fact, though his siters were now doing all they could for him, by calling him “poor Richard”, been nothing better than a thick-headed, unfeeling, unprofitable Dick Musgrove, who had ne ver done anything to entitle himself to more than the abbrevation of his name, living or dead.
Persuasion, Chapter VI

Os Musgroves — estas as verdadeiras circunstâncias do patético episódio familiar — tiveram a triste sina de ter um filho incorrigível, e a sorte de perdê-lo antes de chegar vinte anos. Mandaram-no para o mar, pois era parvo e indisciplinado em terra. A família pouco se interessara por ele, embora fosse o que realmente merecia. Raramente se ouvia falar dele e pouco lamentaram quando dois anos antes, chegara a Uppercross a notícia de sua morte no exterior.
Embora suas irmãs se esforçassem ao máximo chamando-o agora de “pobre Richard”, não passava de um cabeça-dura, insensível e inútil Dick Musgrove, que, vivo ou morto, nada fizera por merecer mais que a abreviatura de seu nome.
Persuasão, capítulo 6 – tradução de Luiza Lobo

Tenho várias impressões sobre essa passagem e que requerem mais tempo (e leitura!) para escrever algo coerente. Diferente de John Halperin que a considera “gratuitously harsh, shockingly cruel and malicious” (gratuitamente dura, chocantemente cruel e maliciosa) e mais algumas coisas nada lisonjeiras para Jane, eu a acho maravilhosa e verdadeira. Quais seriam as referências de Jane para este caso, alguém muito próximo? E digam-me, quem de nós não tem na família ou conhece um “pobre Dick Musgrove”?

musgroves_lunch

Gosto muito desta cena familiar do filme Persuasion (1995). Charles e Mary falam da possibilidade do capitão Wentworth casar-se com uma das irmãs Musgroves. Charles (Simon Russell Beale) e suas necessidades imediatas; Mary (Sophie Thompson) e seu habitual mau-humor e Anne (Amanda Root) silenciosa, como sempre, para não ter que dizer algumas verdades!

Views: 204

Artigos recomendados

11 comentários

  1. Tb não acho que ela tenha sido dura. Nunca tinha parado pra pensar na possibilidade dela ter se espelhado em alguém ou em alguma família para criar estes personagens. O fato que ela realmente expressava sua opinião. Acho que isso foi um dos grandes motivos que levaram as pessoas a se apaixonar por seus livros. Imagine vc, naquela época, abrir um livro e ler coisas que vc mesma tinha vontade de falar, mas não podia porque as pessos deveria ter uma certa postura e conduta. Acho que ela sempre foi sincera, como vc disse verdadeira.

    1. Vanessa,
      e eu não havia pensado nos leitores da época! Você tocou em um ponto muito interessante.

  2. Eu peguei meu Persuasão pra ler o capitulo VI, dai eis que leio isto:
    ” I wish you could persuade Mary not to be always fancing herself ill”
    Já andei reparando alguns personagens da jane tinham certa preocupação exagerada com doenças, a Mrs. bennet tão delicada com seus pobres nervos o Mr.Woodhouse sempre muito cuidadoso com vento e etc, a Mary sempre inventando doenças, será que as pessoas da época e os conhecidos da jane eram mesmo assim? Desculpa desvirtuar o topico.

    Respondendo a pergunta quase toda familia tem um Dick, infelizmente nem toda tem a sorte de ver se livre dele antes dos vinte. Não achei a Jane gratuitamente dura nessa passagem, a afirmação dela não foi leviana o dick não era flor que se cheire e ela mesmo justifica as afirmações que fez dizendo que ele era cabeça-dura, insensível e inútil e depois ela ainda completa dizendo que ele so escreveu duas cartas desinteressadas para a familia all the rest had been mere applications of money, concordo que ela foi apenas verdadeira.

    Ah essa cena é realmente muito bonitinha, eu tinha pena da Anne a coitada era o receptáculo de toda a sorte de lamurias da familia, eu gostei dessas versões de Persuasão embora eu assista mais a mais recente e isso não tem nada a ver com o Rupert Penry-Jones btw Raquel qual a sua versão favorita?

    1. Nique,
      você não desvirtuou o tópico de maneira alguma e foi ótima essa lembrança sobre a Mary. Acho que hoje não é muito diferente, eu, por exemplo, conheço algumas Marys e conheci também um Dick que levou anos para morrer…

      Gosto mais da versão de 1995, por ser mais fiel ao livro. A de 2007 tem algumas esquisitices, mas tem também umas passagens muito bonitas. E Rupert é um homem lindíssimo mas ainda prefiro Ciaran Hinds. Você viu Roma? Ele está esplêndido como Júlio César.

  3. Infelizmente ainda não li Persuasão. Mas o post mostra nitidamente que esse senhor Dick não tinha como se emendar mesmo. E, de fato, toda família tem seu Dick. Espero, apenas, não ser o Dick da minha (risos).

    1. Carlos,
      Dick pelo que podemos deduzir era uma peste! Acho que você não é!

  4. Raquel eu até assiti os primeiros episodios da 1ª temporada de Roma,mais não me lembro do Ciaran. Mais dois filme que eu assiti com ele e me lembro claramente foram Munich e O fantasma da opera, já viu?
    Curioso é que com o passar do tempo as adaptações ficaram menos fieis, o mesmo ocorreu em Mansfield Park, achei a versão de 1999 bem melhor, sem citar O&P pq a versão e 1995 é beem mais extensa que o filme de duas horas apenas.

    1. Nique,
      não assisti Munique, mas vi The Mayor of Casterbridge, Amazing Grace, Veronica Guerin e Calendar Girls.

  5. Não acho ela dura de forma alguma.
    Persuasão á meu livro preferido e vejo Anne muito como a Jane deveria ser.
    Acho que às vezes quando envelhecemos nos cansamos de certas coisas.
    Vejo essa passagem como um desabafo contra a hipocrisia familiar.
    Na verdade vejo todo esse livro como um desabafo.

  6. sou uma dos milhares fãns de jane austen acredito que ela tenha certeza do que descreve en seus livros

Comentários estão encerrado.