Jane Austen: comum e extraordinária

Extraordinária e comum, é o que é Jane Austen como bem diz o título do livro de Deborah Hopkinson,  Ordinary, Extraordinary Jane Austen, com o subtítulo que esclarece se tratar dos seis romances, três cadernos (suponho que sejam os da juvenília), uma caixa de escrever e um garota esperta. O livro com capa dura e 40 páginas é ilustrado por Qin Leng. como podemos ver pelo tamanho é infanto-juvenil.

O livro está na pré-venda na Amazon. Traduzo parte da sinopse que achei muito simpática:

É uma verdade universalmente reconhecida que Jane Austen é um das nossas maior escritoras. Mas antes disso ela era apenas um garota comum.
De fato, a jovem Jane  era um tanto quieta e tímida; se você tivesse a encontrado na época, possivelmente não a teria notado. Mas ela teria notado você. Jane via e escutava tudo que as pessoas ao redor dela faziam e gravava essas observações mantendo-as na memória.
Jane também adorava ler. Ela devorava todos os livros da biblioteca de seu pai, isso bem antes de começar a criar suas próprias histórias. Na sua época, os livros mais populares eram sobre grandes aventuras e romances, mas Jane queria seguir seu próprio caminho… e seguiu em frente para inventar um tipo inteiramente novo de romance.

Extraordinaria Jane Austen | Ordinary, Extraordinary Jane Austen por Deborah Hopkinson

Extraordinaria Jane Austen | Ordinary, Extraordinary Jane Austen por Deborah Hopkinson

 

 

Doctor Who e Jane Austen

Eu nunca assisti Doctor Who da BBC mas semana passada li sobre a série no blog da Mell Siciliano, a Caderneta Livresca.

Foi assim que iniciei este post em 30 de novembro de 2015 e que atualizo para este ano de 2017, agora com o artigo integral de Mell que está encerrando as atividades de seu blog e gentilmente ofereceu seus posts sobre Jane Austen para serem publicados aqui no Jane Austen em Português. Outros serão atualizados ou publicados até o final de 2017.


Jane Austen e Doctor Who
por Mell Siciliano

Jane Austen e Doctor Who? Hã?

Uma pequena introdução pra quem não conhece: Doctor Who é uma série de ficção científica britânica produzida pela BBC que traz as aventuras de um peculiar alienígena de aparência humanoide chamado Doctor. O Doctor se parece muito com um humano, poderia até ser um, não fossem algumas diferenças: ele vem de um planeta chamado Gallifrey – portanto é um Time Lord (Senhor do Tempo) – e viaja no tempo e espaço com a sua nave, a TARDIS (abreviação para “Time and Relative Dimensions in Space”, em português seria “Tempo e Dimensões Relativas no Espaço”). Além disso ele tem dois corações e não morre; ao invés de morrer ele se regenera. Essa regeneração permite que periodicamente sejam mudados os atores que encarnam o Doctor.

Peter Capaldi como Doctor Who

Peter Capaldi como Doctor Who

A série começou em 1963, e tinha como principal objetivo ensinar história e ciências. O Doctor sempre viaja com uma ou algumas pessoas em sua nave, que chamamos de companions (companheiros). Os primeiros companheiros eram sua neta Susan, e dois professores da escola Coal Hill School, professores de história e de ciências, o que reforçava o caráter educativo da série. Ao longo dos anos, porém, a coisa foi ficando muito mais ficção científica do que o inicialmente planejado (os episódios de viagens na história do planeta Terra, por exemplo, ficaram mais escassos). Nos anos 80 a série foi descontinuada, nos anos 90 fizeram um filme, e em 2005 eis que Doctor Who volta às telinhas britânicas.

Eu comecei a ver a série nessa retomada de 2005, ainda não tive tempo/coragem de começar a empreitada dos episódios antigos. Pois bem, desde a retomada da série tivemos personalidades literárias em alguns episódios, como por exemplo Charles Dickens, Shakespeare e Agatha Christie.

Eu queria – muito – que tivesse algum episódio com a nossa querida Jane, mas os episódios desse tipo sumiram quando houve uma mudança nos roteiristas da série. Mas, apesar de não me darem um episódio com a Jane, eles plantaram ideias maravilhosas de possíveis aventuras com ela. A série é conduzida de maneira que, para o espectador, existe a ciência de que não vemos todas as aventuras do Doctor, e volta e meia eles fazem menção a algo que aconteceu quando não estávamos vendo.

Como eu disse anteriormente, o Doctor sempre viaja com uma companheira, e a atual é a linda da Clara Oswald. Clara, além de viajar nas mais loucas aventuras com o Doctor é professora de literatura na Coal Hill School. E ela mencionou em dois episódios Jane Austen. Não poderíamos esperar diferente de uma professora de literatura inglesa, concordam?

Jenna Coleman | Clara Oswald

Jenna Coleman | Clara Oswald

A primeira menção foi no sexto episódio da oitava temporada, The Caretaker (em português seria O Zelador). Clara está tranquilamente dando uma aula sobre Orgulho e Preconceito, e escreveu no quadro o ano em que o livro foi escrito (segundo ela, 1797), quando o Doctor a interrompe (pela janela da sala de aula) e o seguinte diálogo acontece:

The Doctor: Jane Austen wrote Pride and Prejudice in 1796.
Clara: This is Mr. Smith, the temporary caretaker, and he’s a bit confused.
The Doctor: Not in 1797, because she didn’t have the time. She was so busy doing all the—
Clara: Oh, what? And I suppose, what, she was your bezzie mate, was she? And you went on holidays together and then you got kidnapped by boggons* from space and then you all formed a band and met Buddy Holly!
The Doctor: No, I read the book. There’s a bio at the back.
Clara: Get down.
The Doctor: Boggons*?
Clara: Go!

Tradução:

The Doctor: Jane Austen escreveu Orgulho e Preconceito em 1796.
Clara: Esse é o Sr. Smith, o zelador temporário, e ele está um pouco confuso.
The Doctor: Não em 1797, porque ela não tinha tempo. Ela estava muito ocupada fazendo todas —
Clara: Oh, o quê? Suponho então que ela era sua melhor amiguinha, é isso? E vocês viajaram juntos em feriados e então você foi raptado por boggons* do espaço e então todos vocês formaram juntos uma banda e conheceram Buddy Holly!
The Doctor: Não, eu li o livro. E há uma biografia no verso.
Clara: Se abaixe.
The Doctor: Boggons*?
Clara: Vá!

Acredito que a Clara ficou com uma ponta de inveja ao pensar que o Doctor voltou no tempo e conheceu Jane Austen e ela não. Eu também ficaria! Mas agora, quem está certo? O Doctor ou a Clara? Na verdade, os dois. Orgulho e Preconceito foi escrito entre outubro de 1796 e agosto de 1797.

A segunda menção acontece no primeiro episódio da nona temporada, The Magician’s Apprentice (O Aprendiz do Mago), em que Clara, novamente lecionando sobre Jane e após uma breve interrupção devido a um evento estranho que ela vê pela janela, afirma:

Clara: Right. Now where was I? Jane Austen. Amazing writer, a brilliant comic observer, and—strictly amongst ourselves—a phenomenal kisser.

Tradução

Clara: Certo. Onde eu estava? Jane Austen. Maravilhosa escritora, uma brilhante observadora cômica e estritamente entre nós – beijava de maneira fenomenal.

Ou seja, podemos inferir que de uma temporada para a outra Clara não só conheceu Jane Austen como também a beijou!

Além dessa referências, temos uma aventura em áudio em que Jane aparece! O universo de Doctor Who é composto por muitas outras narrativas além da série. Existem livros, quadrinhos e aventuras em áudio que fazem parte da história oficial e podem até interferir ou serem referenciados nos episódios. Mesmo entre os anos 80 e 2005 essas aventuras continuaram sendo escritas. Ao pesquisar para esse post, descobri que Jane já apareceu em uma aventura em áudio, chamada Frostfire, com o primeiro Doctor. Nessa aventura Jane o ajuda a salvar Londres. Na ocasião, o Doctor diz que tem bastante admiração pelos seus livros, o que a deixa muito surpresa pois ela havia somente publicados dois livros, e de maneira anônima.
Eu sei que tudo isso me deu mais vontade ainda de ver Jane em Doctor Who! Tenho plena consciência, entretanto, de que não será nessa temporada – e nem com a Clara – mas sigo aguardando! No décimo episódio da temporada – Face the Raven – Clara mencionou Jane Austen novamente!

Clara: Sometimes Jane Austen and I prank each other. Oh she’s the worst! I love her! Take that how you like…

Tradução:

Clara: Às vezes Jane Austen e eu pregamos peças uma na outra. Ah, ela é a melhor! Eu a amo! Entenda isso como quiser…

Entenda isso como quiser? Será que rolou alguma coisa entre as duas? Eu aposto que sim!

notas

Orgulho e Paixão novela da Globo inspirada em Orgulho e preconceito

A novela da Globo, Orgulho e Paixão, será inspirada em Orgulho e preconceito, o romance mais amado de Jane Austen. A boa notícia foi dada por Patrícia Kogut em sua coluna no jornal o Globo. A novela será escrita por Marcos Bernstein e tem estréia prevista para março ou abril de 2018, no horário das 18 horas. As gravações  que começam em janeiro próximo terão a direção de Fred Mayrink.

O foco principal será a história de uma família que mora no interior de São Paulo numa cidade fictícia chamada Vale do Café e cuja mãe sonha casar as cinco filhas. Neste ponto já podemos ver que manterão todas as irmãs como na história original. Claro que precisamos ter em mente que é uma adaptação e muito terá que ser introduzido pois é um programa de longa duração, em torno de cinco a seis meses. Tenho certeza que autor terá muita inspiração ao ler o livro e espero que tenha consigo uma boa tradução brasileira.

No primeiro momento que li a notícia comentei no Facebook que adoraria que fosse algo de época como a maravilhosa adaptação da Megera Domada de Shakespeare, o Cravo e a Rosa. Você lembram dessa novela das seis?

Pois bem,  será! Vai se passar no início do século 20 , na época áurea dos barões do café. Pelo título escolhido certamente terá um viés romântico, mas não podemos esquecer que as inúmeras fãs consideram os romances de Jane Austen, românticos.

Li também que Carolina Ferraz está cotada para o elenco e já estou tentando imaginar os outros personagens e os atores que os interpretarão. Acredito que Carolina seria uma boa senhora Bennet, que sempre foi representada por mulheres mais velhas do que a personagem que não teria ainda cinquenta anos.

Aproveitando a ocasião pergunto: quem vocês acham que ficaria bem no papel de Darcy e Elizabeth? E outros personagens também, como Mr. Collins, por exemplo?

Enquanto não temos imagens da novela propriamente dita ilustro o post com uma Elizabeth Bennet pensativa, retratada por C. E. Brock e com leve retoque meu.

ElizabethBennet pensando em Orgulho e Paixão

Elizabeth Bennet pensando em Orgulho e Paixão

Jane Austen e Star Trek

Até hoje não vi nenhuma menção sobre Jane Austen em Star Trek, ou Jornada nas estrelas como foi traduzido no Brasil, desde a série original e continuações como também  nos  filmes. Mas os fãs de ambos tem algo em comum, uma admiração imensa: nos vestimos inspirados pelos nossos personagens favoritos e vamos a convenções onde só se fala no mesmo assunto, o que nos vale denominações de Janeites e Trekkies!

Não sou exatamente uma “trekkie” mas gosto muito da série e agora estou revendo no Netflix, com redobrada atenção, não só meu querido capitão Kirk mas também as outras séries, Voyager, Enterprise, Next Generation, para ver se encontro uma referência por menor que seja.

Pesquisei sobre a capitã da nave Voyager, Kathryn Janeway, que apesar do sobrenome não é uma homenagem a nossa Jane. Mas nessas perambulações pela por este espaço sempre em expansão que é o “Quadrante Google” encontrei este graciosa ilustração é de Sophie (DeviantArt sqbr) parodiando o casal de Orgulho e preconceito, como capitã Bennet e Mr. Darcy, nos papéis de capitão Kirk e Mr. Spock.

Além de gostar da referência, achei que os papéis ficaram muito bem com os personagens, pois o Capitão Kirk viviam implicando com o racional Mr. Spock.

Jane Austen e Star Trek - Captain Bennet and Mr. Darcy (Dr. Spock) - ilustração de Sophie (sqbr)

Captain Bennet and Mr. Darcy (Dr. Spock) – ilustração de Sophie (sqbr) – Jane Austen e Star Trek

Jane Austen roubou meu namorado

Jane Austen roubou meu namorado é o título de mais um livro de Cora Harrison, traduzido e publicado pela editora Rocco. O outro livro foi Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen, ambos tradução de Dilma Machado.

A editora também publicou outros dois livros inspirados em Jane Austen: Aprendi com Jane Austen de William Deresiewicz e O clube de leitura de Jane Austen de Karen Joy Fowler, Este último estou lendo.

O livro está em pré-venda na Amazon com previsão para 7 de  junho e de onde transcrevo a sinopse abaixo para vocês terem uma ideia da história.

Baseado nos diários da escritora Jane Austen na adolescência, este divertido romance juvenil é uma história de aventura, mistério, fofocas e, claro, flertes e paixões. Uma das autoras mais queridas em todo o mundo, cujo bicentenário de morte ocorre este ano, Jane Austen (1775-1817) segue arrebanhando uma legião de fãs em pleno século XXI com romances nos quais retrata a sociedade inglesa de sua época com precisão e ironia. Em Jane Austen roubou meu namorado, a escritora irlandesa Cora Harrison recria, para os jovens de hoje, a atmosfera dos livros da própria Jane Austen mesclando ficção e dados reais, a partir dos diários da autora de Orgulho e preconceito. O livro retrata as peripécias amorosas da futura escritora, que já se considerava uma especialista em assuntos do coração, e de sua prima Jenny.

Jane Austen roubou meu namorado

Jane Austen roubou meu namorado

Picnic Jane Austen no Ibirapuera

O Picnic Jane Austen no Ibirapuera, em São Paulo, já aconteceu no dia 30 de abril mas eu infelizmente não estava lá. Mara Sop, uma das organizadora do evento, gentilmente me enviou fotos e nos fala um pouco sobre o picnic:

Essa foi a terceira edição do Picnic Jane Austen, que tem rolando desde 2014. A ideia era justamente reviver um pouco do romantismo bucólico dos livros da autora por amantes dela.
Como os picnics eram comuns dentro do universo de Austen, e pra experiência ser o mais fiel possível, nós estimulamos os participantes a trazerem comidinhas com cara de época como bolos, frutas, cookies, salgados, biscoitos e afins. E depois da confraternização nas toalhas, sempre fazemos um passeio pelo parque pra tirarmos fotos com os amigos fotógrafos que sempre prestigiam nosso evento.
Nossos encontros são gratuitos e abertos ao público em geral, e para participar, basta estar vestido de acordo com o tema.

Que o Picnic se repita por muitos anos e que um dia eu possa comparecer!

Picnic Jane Austen Ibirapuera 2017

Mara Sop · Foto: Rose Steinmetz

Picnic Jane Austen Ibirapuera 2017

Juliana Lopes  · Foto: Rose Steinmetz

Picnic Jane Austen Ibirapuera 2017

Eddie “Sleypnit Hel”  · Foto: Rose Steinmetz

Picnic Jane Austen Ibirapuera 2017

Fernando Trujillo “Mohamad von Fleckenstein” · Foto: Rose Steinmetz

Picnic Jane Austen Ibirapuera 2017

Fernanda Pelizer  · Foto: Rose Steinmetz

Picnic Jane Austen Ibirapuera 2017

Fernanda Pelizer e Van Aragon  · Foto: Dirceu Santana

Mara Sop e Viviane França · Foto: Dirceu Santana

Mara Sop e Viviane França · Foto: Dirceu Santana

Dear Mr. Darcy por Sense and Spontaneity

Dear Mr. Darcy é um vídeo feito por Sense and Spontaneity grupo criado pelas artistas Esther Longhurst e Jess Mess que adotam o estilo e as referências de Jane Austen e os aplicam a cenários modernos.

Baseados em sugestões de público o formato foi desenvolvido exclusivamente para o Sense and Spontaneity em apresentações em teatros e cada show é totalmente improvisado e único para o público. O grupo é de Perth, Austrália.

Esther Longhurst e Jess Mess em ilustração de Chloe Elizabeth Flockart

Caricatura das atrizes Esther Longhurst e Jess Mess,  que atuam em Dear Mr. Darcy, feita por Chloe Elizabeth Flockart

 

O primeiro Jane Austen de Laura

O primeiro Jane Austen de Laura, minha sobrinha-neta que chegou em março, é A pequena Jane Austen – Orgulho e preconceito, da coleção de pequenos autores publicada pela Nova Fronteira com texto de Jennifer Adams, ilustrações de Alison Oliver e tradução de Janaína Senna.

Quando Laura estiver maior e já mordendo livros, pois é assim que entramos no mundo da literatura, prometo novo post com ela e sua biblioteca. Sim, ela já tem uma biblioteca que herdou da mãe e agora começa a ganhar novas edições.

Se alguém tiver indicações de livros para bebês em espanhol, por favor me avise pois vamos precisar também. Até o momento tenho apenas o maravilhoso El rey que se equivocó de cuento de Antonio Granados mas é para crianças maiores.

PS: Agora vocês já sabem quem é mais nova dona do meu tempo!

O primeiro livro de Jane Austen de Laura

O primeiro livro de Jane Austen de Laura

Novela Novo Mundo e Jane Austen

A novela Novo Mundo, da rede Globo, mencionou Jane Austen e Orgulho e preconceito em seus capítulos iniciais. A trama se passa no período do casamento do príncipe Dom Pedro e a princesa Leopoldina. Em novembro de 1817 Leopoldina chegou no Rio de Janeiro mas seu casamento já havia sido feito por procuração em maio desse mesmo ano. Em 2017 celebramos o bicentenário da morte de Jane Austen no bicentenário e podemos dizer o mesmo do casamento do nosso primeiro imperador.

A personagem Anna Millman, interpretada pela atriz Isabelle Drummond, heroína da novela, recebe do vilão Thomas Johnson, o ator Gabriel Braga Nunes, um livro de presente que ela ao abrir o pacote vê que é de Jane Austen. Ela agradece e diz gostar muito de Austen. Esta é a primeira cena e que você pode assistir online neste link.

Mais tarde o irmão de criação de Anna Millman, Piatã, feito pelo ator Rodrigo Simas, ao ver o livro na cabine da irmã lê o título do volume ricamente encadernado em vermelho com letras douradas na lombada: Orgulho e preconceito. Ele pergunta se ela já havia lido esse livro, ela responde que sim mas que aceitou o presente do capitão Thomas Johnson para ser gentil. A segunda cena está neste link.

Semana passada também compartilhei no Facebook sobre a declaração da atriz Isabelle Drumond que tem buscado inspiração nos livros de Jane Austen para compor a personagem pois a autora é uma mulher a frente de seu tempo. Espero que tenha se inspirado em Elizabeth Bennet!

A personagem é levemente inspirada na inglesa Maria Graham, que de fato veio ao  Brasil e foi preceptora da filha de Leopoldina e Pedro, a princesa Dona Maria da Glória. A vida de Maria Graham por si só valeria uma série pois foi bem movimentada e atípica para a época como vocês poderão ver nesta página da Wikipédia.

Jane Austen e Orgulho e preconceito na novela Novo Mundo

Jane Austen e Orgulho e preconceito na novela Novo Mundo

Patricinhas de Beverly Hills em quadrinhos

As patricinhas de Beverly Hills terá uma versão em quadrinhos (HQ). O título original do filme é Clueless, uma versão moderna de Emma de Jane Austen, que foi lançado na ótima safra de filmes de 1995.

Os protagonistas do filme foram: Paul Rudd, no papel de Josh que corresponderia a Mr. Knightley; Brittany Murphy como Tai a Harriet Smith da história e Alícia Silverstone como Cher Horowitz a moderna Emma.

A HQ será escrita por Amber Benson e Sarah Kuhn com desenhos de Siobhan Keenan e capa de Natacha Bustos e publicado pela Boom! Comics.

O filme fez muito sucesso e pelo que vejo na imagem da pré-capa (abaixo) os autores da versão em HQ serão fiéis ao figurino original que também fez sucesso. Aguardemos a publicação que está prevista para agosto deste ano.

Patricinhas de Beverly Hills em quadrinhos (HQ) - Clueless Comics

Patricinhas de Beverly Hills em quadrinhos (HQ) – Clueless Comics

FONTE: Vanity Fair | IMAGEM: Boom Studios, divulgação