Monstros, zumbis e outras inspirações na Biblioteca Jane Austen

Quem me conhece sabe que não aprecio zumbis e tampouco monstros sejam eles do mar ou de espaço sideral. Mas, em se tratando de Jane Austen acabo cedendo e compro os livros. Só tenho uma norma: compro quando o valor chega a um dígito, foi o caso de Razão e sensibilidade e monstros marinhos. Já Orgulho e preconceito e zumbis, ganhei de presente do sobrinho!

Junto dos monstrinhos cataloguei mais dois livros, também inspirados também na obra de Jane Austen, as sequencias: Willoughby’s Return de Jane Odiwe e Nachtstürm Castle, de Emily Snyder, sendo este último inspirado em Northanger Abbey.

Orghulho e preconceito e zumbis & Razão e sensibilidade e monstros marinhos

Darcy e Elizabeth | Minissérie BBC 1967

Nos primeiros meses do Jane Austen em Português, em 2008, fiz uma pesquisa sobre todas as adaptações para filmes e séries baseados ou inspirados nos livros de Austen e a grande dificuldade foi encontrar vídeos ou imagens. Entre eles está a minissérie, em seis capítulos, Pride and Prejudice (Orgulho e preconceito), produzida pela BBC em 1967, tendo como protagonistas Celia Bannerman no papel de Elizabeth Bennet e Lewis Fiander como Mr. Darcy.

Para nossa alegria encontrei uma capa da revista RadioTimes de setembro de 1967 com um bela foto do casal Elizabeth e Darcy. Sim, eu imagino que o topete de Lewis Fiander não faria muito sucesso nos dias de hoje, mas é Mr. Darcy, meninas!

Como seria maravilhoso se a BBC colocasse no You Tube essas séries antigas, vocês não acham?Darcy Elizabeth BBC 1967

Adaptações infantojuvenis da obra de Jane Austen

A Biblioteca Jane Austen já tem a disposição para pesquisa alguns exemplares sob a tag infantojuvenis. Os primeiros livros classificados sob essa tag foram as adaptações brasileiras de Razão e sensibilidade, de autoria de Lidia Cavalcante-Luther e Orgulho e preconceito de mais três autores: Paulo Mendes Campos, João Paulo Roriz e Dionísio Jacob.

A de Dionisio Jacob faz parte da coleção Três por Três, que em cada exemplar traz a adaptação de dois clássicos e um contemporâneo escrito pelo adaptador. Junto de Orgulho e preconceito de Jane Austen temos Eugênia Grandet, de Honoré de Balzac, e Vampíria de Jacob, classificado como Três Famílias.
Adaptações infantojuvenis da obra de Jane Austen

Pride and Prejudice, ilustrado por Robert Ball

Esta edição de Pride and Prejudice, publicada em 1945 pela Doubleday, traz lindas ilustrações de Robert Ball, algumas ocupando duas páginas, o que é bastante raro. As imagens abaixo são da loja de Lady Frans Library no Etsy, e o exemplar já foi vendido.

O que mais gostei foi descobrir que muitos livros são vendidos no Etsy, um pouco mais caros, mas mesmo assim tem verdadeiras jóias que vale a pena investir.

Coloco três fotos: do livro em si, uma ilustração dupla e para completar um Mr. Darcy para lá de elegante e com o nariz bastante empinado!

Pride and Prejudice, Robert BallPride and Prejudice, Robert BallPride and Prejudice, Robert Ball

Orgulho e preconceito e zumbis. Resenha: livro e filme

Não creio que chegarei a tempo para assistir o filme Orgulho e preconceito e zumbis, algo que faria como um dever de casa, não por terem adaptado a obra de Jane Austen, mas simplesmente por não gostar de zumbis. Creio que já mencionei por aqui que os acho nojentinhos, sujinhos, eca! Compro o DVD mais tarde. O livro só comprarei para o acervo quando achar um exemplar baratinho e talvez um dia eu leia.

Acontece que muitos gostam do gênero zumbis, sejam adaptações ou histórias originais e por esse motivo indico neste post uma resenha do filme e também do livro, ambas escritas por Isabela Boscov, que tem um site daqueles para ficar horas lendo!

Sem contar que Isabela é admiradora de Jane Austen! Um trecho da resenha de Isabela do filme:

Eu venero a perícia de Jane Austen como escritora e acho que Orgulho e Preconceito faz parte daquele pequeno punhado de romances perfeitos já escritos (“perfeito” como no dicionário: aquilo em que não existe defeito – nenhunzinho – e em que as qualidades são gloriosas). E adoro uma bobagem também. Portanto, me diverti muito com o livro Orgulho e Preconceito e Zumbis, (continuem lendo aqui)

A resenha do livro, Orgulho e preconceito e zumbis.

Orgulho e preconceitos e zumbis

Imagem divulgação

Jane Austen no The Economist

Quem diria, nossa Jane Austen sendo citada no The Economist. Está lá no Facebook no “quote of the day”. Well done!

A frase é de uma conversa, no capítulo 17, entre a sempre boazinha Jane Bennet, autora da frase, e sua racional irmã Elizabeth. Elas falam sobre a Wickham, que muito espertamente conseguiu convencer Lizzy que Darcy o havia roubado em seus direitos sobre um cargo eclesiástico deixado pelo falecido pai de Darcy.

Jane tenta defender Darcy e também Wickham, dizendo que é possível que pessoas interesseiras tenham tentado intrigar ambos. Elizabeth concorda, mas pergunta a Jane o que diria em defesa destes supostos interesseiros, já que ela acha que todo mundo é bonzinho, ou teriam que afinal pensar mal de alguém, ao que Jane responde:

“Laugh as much as you choose, but you will not laugh me out of my opinion.”

E que transcrevo a seguir em quatro traduções brasileiras e três portuguesas:

Pode rir quanto quiser, mas não me fará desistir das minhas opiniões. Lúcio Cardoso

Ria o quanto quiser, mas não me fará desistir da minha opinião. Laura Alves e Aurélio B. Rebello

Zombe o quanto quiser, mas sua zombaria não me fará mudar de opinião. Celina Portocarrero

Você pode brincar quanto quiser, mas suas risadas não me farão mudar de ideia. Alexandre Barbosa de Souza

Troça à tua vontade, mas, se pensares bem, serás da minha opinião. Leyguarda Ferreira

Poses troçar à tua vontade, mas não conseguirás com isso modificar a minha opinião. J. Almeida Pinto

Ri-te à vontade, mas não me farás mudar de opinião. Nuno Castro

Jane Austen, The Economist

Lendo HQ Orgulho e preconceito no Carnaval

Quem me conhece há mais tempo já sabe da minha ojeriza pelo carnaval. Sou totalmente Mr. Darcy nesse quesito, “Qualquer selvagem pode dançar” Por esse motivo já comprei tudo que preciso e me encerro no meu bunker até quinta-feira, quando já limparam até as cinzas da quarta-feira!

Como já contei, acho que no Facebook, iniciei uma leitura há muito desejada e sempre adiada, Guerra e Paz. Cheguei a fazer votos de ler apenas um livro por vez, mas claro que não cumpri e neste carnaval vou ler Orgulho e preconceito em quadrinhos, da editora Nemo e depois vou encadear a leitura de Pamela, de Samuel Richardson, que a Predrazul enviou e creio deve chegar semana que vem.

Sei que muitos leitores do blog também não são grandes carnavalescos e por esse motivo pergunto: quem vai ler neste feriado e qual livro?
Mr. Darcy no carnaval

Sir William Lucas e Mr. Darcy, no traço de Robert Deas

Pride and Prejudice | The Ruby Series

Uma bela capa art deco de Pride and Prejudice, publicada por George Routledge & Son, circa 1890. O exemplar faz parte da coleção The Ruby Series. Dei uma espiada no preço só para suspirar… 155 dólares, na AbeBooks.

LInda demais, só não entendi a paisagem com coqueiros e barcos na parte inferior da capa. Será que o artista pensou que fosse Persuasão?

Pride and Prejudice, The ruby Series

Orgulho e preconceito HQ em português

Finalmente temos uma HQ ou história em quadrinhos de Orgulho e preconceito traduzida para o português!

Quem trouxe para o Brasil a adaptação de Orgulho e preconceito de Ian Edginton com ilustrações de Robert Deas foi a editora Nemo do grupo Autêntica e já está em pré-venda na Amazon BR, com previsão para final de janeiro.

SINOPSE

“É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, de posse de boa fortuna, deve estar atrás de uma esposa.”
Elizabeth e suas quatro irmãs estão impossibilitadas de herdar a propriedade de seu velho pai e enfrentam a ameaça do despejo. As irmãs devem garantir sua segurança financeira por meio do casamento, mas nossa heroína tem outros planos. Ela fez votos de se casar somente por amor. Seu olhar acaba capturado pelo distinto Sr. Darcy, mas quem irá salvar os Bennets? Elizabeth deve se casar por amor ou deve salvar sua família?

Em 2012 fiz um post sobre o livro e mencionei comentários elogiosos que havia lido sobre o texto adaptado de Edginton, e agora numa leitura rápida de algumas páginas (no link acima da Amazon) me parece que promete! Depois que receber meu exemplar, volto ao tema e conto para vocês minhas impressões.

Orgulho e Preconceito em quadrinhos HQ

Unleashing Mr. Darcy, o filme

Escrevi um post sobre o livro de Teri Wilson, Unleashing Mr. Darcy, e sobre o filme que estava sendo feito inspirado no livro. Pois bem, o filme já está pronto e estréia nos Estados Unidos no dia 23 de janeiro deste ano no Hallmark Channel. Agora é só aguardar para ver se apresentarão no Brasil pois a Hallmark, se não me engano, tem seu filmes apresentados por aqui pela Studio Universal.

O canal menciona o nome dos atores de apenas três personagens: Ryan Paevey (Mr. Darcy), Cindy Busby (Elizabeth Scott) e Frances Fisher (Violet Darcy), sendo esta últimaa  tia de Darcy e certamente simulando Lady de Bourgh. Será que teremos alguém no papel de Mr. Collins, o meu queridinho?

Unleashing Mr Darcy

Pride and Prejudice ilustrado por Isabel Bishop

Reservei este post com meu exemplar de Pride and Prejudice ilustrado por Isabel Bishop para dar início ao ano de 2016 com a alegria, pois Orgulho e preconceito é sempre prenúncio de alegria!

Este foi um dos mimos que encontrei por acaso no Brasil e me dei de presente no final do ano. Fotografei o livro e sua caixa para vocês terem uma ideia das ilustrações de Bishop e quando ele for colocado na Biblioteca Jane Austen vocês poderão ver a galeria completa de ilustrações. Uma dessas ilustrações, mais precisamente a que Elizabeth Bennet relê as cartas de Jane e fica cada vez mais zangada com Mr, Darcy, estará na nota de 10 libras que será lançada este ano no Reino Unido.

Outra particularidade desta edição é o posfácio escrito pela ilustradora que traduzo aqui para vocês.

ESTES DESENHOS , para Orgulho e preconceito, visam somente proclamar meu particular deleite com o livro  – eles não estão tentando a tarefa impossível de embelezar um trabalho já completo e perfeito.
Mas meu envolvimento com este comprometimento tem a ver também, com meus sentimentos – descontroladamente presunçoso – que Jane Austen ao lidar com problemas de escritor, certos fatos menores dizem respeito (com a maior distancia possível) aos meus próprios esforços como artista com mais de cinquenta anos. Eles são: ela não descreve, em detalhes, ambientes; enquanto ela dá a você de imediato o contexto social de seu personagens, ela se cala em no contexto maior (você não sabe a situação econômica geral, ou se a Inglaterra está em guerra); ela não permite que você se importe com que as pessoas usavam, ou mesmo sobre detalhes de suas fisionomias! Ela direciona as questões que você tem permissão de perguntar – ela proíbe qualquer impulso que se pergunte outras! Isto parece negativo. (Ela mesma disse sobre seus métodos que ela “podava e cortava'”!¹). Ao final o que ela apresenta como importante convence você completamente, em sua plenitude e humor, e sua importância assume grandiosidade.
Em outras palavras, ela limita seus problemas estéticos e, no caso dela, ganha grande poder através disso.
Que lição para a arte visual! De fato, todo período “moderno” de pintuira (desde 1910) tem se preocupado com alguns aspectos desse problema. Isabel Bishop
NOTA
¹ A expressão “lop’t and crop’t”, no original, que ao pé da letra seria traduzido como “podar e cortar”, mas sem as contrações do inglês, é também em si um exemplo para descrever sua maneira de revisar de seus manuscritos resultando em seus textos enxutos e claros..

Pride and Prejudice, Isabel Bishop

Jane Austen coleção Signature Editions

Minha coleção Jane Austen da Signature Editions chegou semana passada. Sim, é linda! E para quem perguntou, sim, é capa dura mas tem uma jaqueta em papel ilustrado (segunda foto) o que talvez dê aparência de capa mole. Em breve as capas estarão na Biblioteca Jane Austen com imagens mais detalhadas com créditos de imagens.

Detalhe: consta na página de crédito dos livros, escrito em português, que é uma edição para a editora Saraiva, mas os livros são todos em inglês. Digo isto pois no primeiro post que fiz sobre esta coleção mencionei que era uma coleção da Barnes and Noble, o que consta também no site da livraria. Enfim, é só um detalhe e o que importa é que ainda estão à venda no site da livraria Saraiva.

Este foi um dos presentes Jane Austen de Natal, mas nem conto para vocês que ontem fiz outra pequena extravagância. Contarei no ano que vem!

Coleção Jane Austen Signature Editions

Coleção Jane Austen, Signature Editions

Pride and Prejudice Collector’s Library | Ilustrações coloridas

Finalmente tenho em mãos meu exemplar de Pride and Prejudice com as ilustrações de Hugh Thomson coloridas publicado pela Collector’s Library. Namoro este livro faz muito tempo e com o dólar nas alturas já contava não mais comprá-lo novo, somente usado. Mas no Book Depository apareceu uma oferta e foi pra já!

Hugh Thomson ilustrou os seis livros de Jane Austen a partir de 1893, todos em desenhos em bico de pena (nanquim). Mais tarde Thomson coloriu alguns de seus desenhos para outros autores mas as ilustrações de Jane Austen ficaram todas originalmente em preto e branco. Esta edição foi colorida à mão especialmente para a Collector’s Library por Barbara Frith.

ONDE COMPRAR
Pride and Prejudice Collerctor’s Library com ilustrações coloridas ainda em oferta no Book Depository

Pride and Prejudice Collector's Library | Ilustrações coloridas

Orgulho e preconceito, edição de 1941

Recebi um presente maravilhoso da leitora Monique Martins (muito obrigada!): fotos da segunda edição da tradução de Lúcio Cardoso para a José Olympio que foi publicada em 1941. A primeira edição é de 1940 e vocês podem ver a capa na Biblioteca Jane Austen com aquela capa em “verde-cheguei”!

Vejam a diferença que faz uma cor e me digam se este azul não ficou muito melhor. O livro é capa dura e examinando a foto desconfio que teria sido capa mole, mas como já fiz em alguns livros meus, foi transformado em capa dura reaproveitando a capa original.

Bem, agora vou começar as buscas por um exemplar destes!

Orgulho e Preconceito, 1941

Orgulho e Preconceito, 1941

Um sorriso totalmente Mr. Darcy

Sei que muitos de vocês não gostam da versão de 1940 de Orgulho e preconceito. Concordo que o Mr. Darcy de Laurence Olivier parece muito maneiroso e que a história, apesar de eu adorar – choro de rir dessa adaptação – é bem infiel ao ao original. Mas este micro vídeo com Mr.Olivier dando um sorriso é muito Mr. Darcy!

Para assistir é preciso acessar a página: Sir Laurence Olivier (fan page).

Laurence Olivier, sorriso Mr. Darcy

Primeiras traduções brasileiras de Jane Austen

Como vocês já sabem estou montando com meu acervo site Biblioteca Jane Austene ontem cadastrei os seis livros completos da autora em suas primeiras traduções no Brasil. E com um detalhe, exceto por Mansfield Park, todos são primeiras edições o que os torna muito especial.

Aqui está lista, por ordem de ano de publicação, das primeiras traduções dos seis livros de Jane Austen no Brasil:

  • Orgulho e preconceito, tradução de Lúcio Cardoso feita em 1940. Esta tradução é a primeira de Jane Austen no Brasil. A capa é triste, da cor a tipografia!
  • Mansfield Park, tradução de Rachel de Queiróz feita em 1942. Note-se que meu exemplar da foto já é da segunda edição de 1958. Algo que me intriga é o fato de Mansfield ser a segunda escolha das traduções de Jane no Brasil, pois normalmente é deixada por última e em alguns casos nem é publicado.
  • Razão e sentimento, tradução de Dinah Silveira de Queiróz feita em 1944. A edição é em capa dura e meu exemplar está frágil demais.
  • A Abadia de Norhtanger, tradução de Lêdo Ivo feita também em 1944. Outra escolha diferente pois junto de Mansfield a Abadia é dos menos publicado.
  • Persuasão, tradução de Luiza Lobo feita em 1971.
  • Emma, tradução de Ivo Barroso feita em 1996 foi a última das traduções dos seis livros principais de Jane Austen no Brasil.
  • Austen primeiras traduções brasileiras

Jane Austen e Black Friday

Nunca havia comprado ofertas no Black Friday pois sempre que procurei Jane Austen nessas datas predomina o que há de pior. Sem contar que a maioria não é oferta, é pura enganação. Mas como tudo tem exceção lá estava eu feito alma penada online e já estava com o dedinho para sair da Saraiva quando vejo o exemplar de Persuasion da coleção Signature (Barnes and Noble), que estou namorando faz mais de ano. Por 10,90! Pensei, é ebook (bocejos…). Olhei de novo. Não é ebook! Sai da frente que vou pegar um carrinho! Já mais calma com o meu Persuasion no carrinho resolvi continuar o passeio. Resumo da história,, comprei a coleção completa. Seis livros por 58,90.

O link para os livros: Jane Austen na Saraiva – OBSERVAÇÃO só os livros com a tarja de desconto.

Para dar água na boca: foto da lombada da coleção de minha querida Mell Siciliano.

col_signature

Unleashing Mr. Darcy: livro e filme

Eu já havia lido sobre o livro Unleashing Mr. Darcy de Teri Wilson e um detalhe que me chamou a atenção na época foi a tradução do título para edição francesa que ficou em inglês: Darcy, what else?. O título em inglês numa tradução livre seria algo como tirando a coleira ou liberando Mr. Darcy. Já a expressão “what else”, da edição francesa, seria “o que mais”, mas abrasileirando ficaria mais atrevido da parte de Elizabeth dizer “Mr. Darcy, e daí?”. O que vocês acham? E por falar em abrasileirar, a Harlequin (que tem filial no Brasil) é a editora do livro e bem que podia publicar por aqui. Fica a sugestão.

Vocês podem um trecho do livro na página de Teri e também uma resenha no blog Austenprose, ambos em inglês.

Unleashing Mr. Darcy

Darcy, what else?

A versão cinematográfica, que terá como Mr. Darcy o ator  Ryan Paevey (alguém conhece?) já está sendo filmada no Canadá pela Hallmark Channel. Consegui por enquanto apenas uma foto do ator, vestido a caráter, e da atriz Frances Fisher que fará Catherine de Bourg pelo o que ela diz em seu Twitter. Quem fará Elizabeth? Aguardemos que volto ao assunto!

Ryan Paevey Darcy

Diálogo inspirado em Orgulho e preconceito

Orgulho e preconceito é sempre fonte de inspiração para autores, sejam eles escritores de livros ou de diálogos de filmes. A citação abaixo, praticamente literal, do diálogo entre Elizabeth e o pai, o senhor Bennet, quando ela se recusa a casar com Mr. Collins, está no filme Simplesmente Acontece (Love, Rosie) e foi enviada pelo leitor e colaborador assíduo com indicações para o blog, Luiz Henrique. Muito obrigada, querido!

But if I go to Boston, Mama never speak to me again.
Well, if you don’t go, I won’t. The choice is yours.

Nuvem de Lágrimas no Fantástico

nuvem_lagrimasFiquei sabendo neste momento que os músicos Chitãozinho e Xororó foram em um ensaio do musical “Nuvem de Lágrimas”, que todos nós sabemos é inspirado livremente em Orgulho em preconceito., e esta visita surpresa será apresentada  hoje, 25 de outubro, no Fantástico.

Vamos lá conferir e ver se dão uma palhinha?

Musical Nuvem de Lágrimas | Estréia

O musical Nuvem de Lágrimas, livremente inspirado em Orgulho e preconceito, já tem data de estréia: 5 de novembro (2015) e será no Teatro Bradesco em São Paulo (endereço abaixo).

Para quem não é de São Paulo o grupo diz em sua página no Facebook:

Nuvem de Lágrimas, o musical o espetáculo deve viajar no ano que vem, mas não temos nenhuma cidade fechada ainda. Avisaremos por aqui!

  • Teatro Bradesco SP | Shopping Bourbon São Paulo – Rua Turiassu, – Piso Perdizes, 2100 – PerdizesSão Paulo/SP
  • Onde comprar os ingressos: na bilheteira do teatro ou no site Ingresso Rápido

Nuvem de Lágrimas, o musical

Muito obrigada, L&PM!

Emma, da editora L&PM, chegou hoje aqui em casa. Muito obrigada, L&PM! Agradeço em meu nome e no de todas a leitoras e leitores do Jane Austen em Português.

Me emocionei do mesmo modo quando em fevereiro de 2009 fiz um pedido em nome de todos leitores:

Nós, fãs de Jane Austen, gostaríamos muito de ter (pelo menos) a coleção dos seis livros completos da autora, em formato livro de bolso, a preços verdadeiramente populares. As traduções existentes são raras, às vezes mal-feitas, quando não plagiadas e com preços altos. […] Texto completo: Post aberto à L&PM Editora

E prontamente recebi uma resposta positiva, assinada por Ivan Pinheiro Machado, editor e proprietário da L&PM. Muito obrigada, Ivan!

Meu muito obrigada também para a equipe da editora que sempre me atendem com profissionalismo e carinho.

Coleção Jane Austem L&PM

As irmãs Bennet de 1940 a 2005 | Enquete

Os filmes ou séries sobre a obra de Jane Austen são sempre uma delícia para compararmos não só as atuações como também os figurinos. Aproveitando que tenho imagens de divulgação das filmagens de 1940, 1995, 2005 e consegui capturar uma tela da versão de 1980 faço este post com alguns impressões minhas e curiosa para saber a opinião de vocês, leitores do Jane Austen em Português.

Começo com o filme de 1940, que apesar de ter muitas diferenças do livro, é um clássico. Sem contar que o figurino é completamente fora de época, o que já dá pano para manga, literalmente!  Os óculos de Mary, as gravatas laçarotes e Jane Bennet morena, sempre me chamaram a atenção.

Irmãs Bennet 1940

Quem é quem na parte superior Mary e Kitty e na inferior, Lydia, Elizabeth e Jane.

A imagem que tenho das irmãs Bennet de 1980 é sofrível pois os DVDs que são vendidos atualmente não têm nitidez. O que notei desde a primeira vez que assisti a minissérie de 1980:  Lydia é mais baixa do que Kitty, o que contraria o livro onde ela mesmo se diz a mais alta das irmãs. Esta Mary também usa óculos e é a mais graciosa de todas as Marys, na minha opinião. Mais um vez Jane Bennet de cabelos escuros e se destaca com o vestido em cores mais escuras, dourado e marrom. Qual seria motivo desse destaque? Talvez só a senhora Bennet poderá nos esclarecer.

Irmás Bennet 1980

Quem é quem da esquerda para a direita: Lydia, Kitty, Mary, Elizabeth e Jane.

As irmãs Bennet em 1995 são todas primaveris! Roupas claras, decotes mais aprofundados, exceto por Mary. E pelo que li (e pretendo escrever a respeito) foram pesquisadas com afinco os padrões de tecidos não só para o vestuários mas também para tapeçarias e toda decoração das residências. Esteticamente é o vestuário que mais gostei.

bennets_1995

Quem é quem da esquerda para direita: Lydia, Elizabeth, Jane, Mary e Kitty.

As roupas no filme de 2005 me intrigam. Um dia ainda escrevo com todo vagar sobre este filme, mas hoje só faço observações sobre as roupas desta foto de divulgação. Jane está perfeita, é a elegância e a delicadeza em pessoa. Kitty também está muito graciosa com este vestido rosa, que se não me engano foi usado também em Becoming Jane. Mary veste-se de forma mais sóbria como normalmente esperamos da personagem, mas o vestido ficou um exagero de sobriedade. Pulo para Lydia que está no último grito da moda, com roupa e acessórios onde predomina o tom verde, com um toque para fita rosa, que parece ser de organza! Chapéus e luvas faziam parte do vestuário para um passeio ao ar livre como sugere a foto. E neste ponto volto para Elizabeth.

Onde está nossa querida Lizzy? Bem, acho mandaram alguém no lugar dela. Um mocinha bonita, mas despenteada, sem chapéu, sem luvas e num vestido que suspeito seja de alguma criada da casa da senhora Bennet. Sim, a nossa aflita e casamenteira senhora Bennet, que queria casar as filhas casadas, e muito bem casadas, não deixaria Elizabeth se vestir desse modo nem que fosse para um baile a fantasia.

Paro por aqui, agora é com vocês!

bennets_2005

Quem é quem da esquerda para direita: Jane, Kitty, Mary, Elizabeth e Lydia.

PS: É uma pena que não tenho imagens das filmagens de Orgulho e preconceito dos anos 1938, 1952, 1958 e 1967.

Grupo curso Orgulho e preconceito | Enquete

Este post é específico para quem se inscreveu aqui pelo blog no curso gratuito sobre Orgulho e preconceito, da Universidade da Califórnia.

Uma das inscritas, Mariana Barbieri, sugeriu um grupo no WhatsApp, eu pensei que poderíamos abrir um grupo no Google, então diante de mais de uma opção,  fica aqui a enquete.

WhatsApp ou Grupo no Google?

Detalhe, o WhatsApp também pode ser usado no computador, veja nesta página do aplicativo.

Mr. Darcy foi ao barbeiro

Para quem estava reclamando dos cabelos compridos de Gabriel Sater, futuro Mr. Darcy do musical Nuvem de Lágrimas, cá está moço cortando suas madeixas! Tem outras fotos na reportagem da Ego: “Gabriel Sater se despede dos fios longos e muda o visual para musical

Sim, sou da época que homens iam ao barbeiro onde, além de fazer a barba também cortavam os cabelos.

Mr. Darcy, Gabriel Sater

Foto divulgação

Relançamento de Orgulho e preconceito 1995

Vejam só que bela notícia da leitora Meiri, que me permiti reproduzir o comentário, sobre o lançamento de uma edição especial de Orgulho e preconceito 1995. Muito obrigada, querida!

Orgulho e preconceito 1995Raquel, pra quem perdeu a edição da Logon de Orgulho e Preconceito tem uma boa notícia, a Paris Filmes vai lançar uma edição especial da série (aparentemente apenas em DVD) que já está confirmada para o dia 22/10. Este site já tem a pré-venda por R$39,90: eWmix. Não conheço o eWmix, mas logo o DVD deverá estar disponível em outros sites mais conhecidos. Uma iniciativa excelente da Paris Filmes, quem sabe eles não lançam outras séries da BBC, como Norte e Sul que, infelizmente não cheguei a comprar da Logon, snif!

Tem também na Saraiva.

Já escrevi para a Paris Filmes perguntando se pretendem relançar o catálogo da LogOn e também prosseguir com novos lançamentos, principalmente de produtos da BBC. Se responderem, conto para vocês.

Chawton Library comemora Orgulho e preconceito 1995

A biblioteca de Chawton House comemora hoje os vinte anos da minissérie Orgulho e preconceito apresentada pela BBC em 1995. A comemoração tem muitos convidados, de estudiosos da obra de Jane Austen aos artistas da obra (vejam lista abaixo).

  • Nora Nachumi (Yeshiva University)
  • Juliette Wells (Goucher College)
  • Sayre Greenfield (University of Pittsburg, Greensburg)
  • Linda Troost (Washington and Jefferson College, Pennsylvania)
  • Devoney Looser (Arizona State University)
  • Benjamin Whitrow (Mr Bennet)
  • Crispin Bonham-Carter (Mr. Bingley)
  • Susannah Harker (Jane Bennet)
  • Polly Maberly (Kitty Bennet)
  • David Bamber (Mr. Collins)
  • Joanna David (Mrs Gardiner)
  • Simon Langton (diretor)
  • Jane Gibson (coreógrafa)

E na ausência de Colin Firth eles colocaram uma linda camisa molhada na entrada!

Collin Firth, camisa molhada

PS: Acompanhem a página da biblioteca no Facebook para mais fotos que serão publicadas mais tarde

Curso gratuito sobre Orgulho e preconceito

pp_cursoMaggie Sokolik, da Universidade da Califórnia, ministrará um curso online tendo como tema, Pride and Prejudice. O curso, em inglês, com duração de 4 semanas, iniciará em 2 de novembro. Detalhe importante: se alguém quiser um certificado de final de curso (para fins acadêmicos) basta pagar 50 dólares.

Instruções para inscrições nesta página: “Pride and Prejudice” by Austen: BerkeleyX Book Club.

Mr. Darcy, seu diário e outros tantos livros

Diário de Mr. Darcy chegou esta semana e a primeira coisa que fiz foi apresentá-lo para a pilha no criado mudo, que são os livros que pretendo terminar de ler ainda este ano. Falarei sobre eles ainda neste post, mas antes uma pequena conversa com minha mãe.

Minha mãe viu quando o carteiro chegou e perguntou se eu havia comprado mais um livro igual a todos de Jane Austen que já tenho. Aqui abro um parentese: já comprei para ela todos os livros de Georgette Heyer que foram traduzidos no Brasil como uma espécie de suborno de modo que ela não cobre minhas compras de livros. Expliquei para ela que não, não havia comprado mais um livro igual, mas um que era inspirado em Orgulho e preconceito, recontando a história sob o ponto de vista de Mr. Darcy.

Ela, que está terminando o último da Georgette, me disse que queria ler, pois lembrava de ter lido Orgulho e preconceito e lembrava principalmente do Darcy (acentuando a última sílaba como tônica) e afinal temos um primo Darci!

Não sei quando lerei o diário de Darcy, mas foi uma alegria ver o interesse de minha mãe por mais uma leitura. Muito obrigada, Chirlei!

ONDE COMPRAR: O diário de Mr. Darcy, Pedrazul Editora

Mr. Darcy e muitos livros

Sobre os livros na pilha de leitura, de baixo para cima:

  • The Raj Quartet: vi a série no Netflix, gostei muito e lá pelas tantas mencionaram Jane Austen. Foi a desculpa que precisava para comprar. Já capturei tela da série e estou lendo devagar para ver se encontro no livro.
  • Can You Forguive Her: é o primeiro da serie The Pallisers, de Anthony Trollope. Também assisti a série de 1974 e me apaixonei perdidamente. Leitura por puro prazer, mas ainda muito no início.
  • Emma: nem preciso explicar, não é mesmo?
  • Uma memória de Jane Austen: é livro que levo para lugares que talvez seja preciso esperar muito e desse modo não desperdiço meu precioso tempo. Tem o peso e o tamanho ideal.
  • Juvenília: ainda faltam alguns contos de Jane. Pego quando estou cansada do Raj Quartet (leio deitada).
  • Mansfield Park: preciso ler o prefácio a apresentação para confirmar uma comparação para fazer um post.
  • Orgulho e preconceito: uma leitura comparada entre os dois exemplares. Não sei de darei conta este ano.
  • Rebecca (em inglês e português) e A sucessora: já li e reli e estou obcecada com a semelhança/plágio – não consigo me decidir sobre esse assunto – e quero fazer notas. Outra tarefa que provavelmente não terminarei.

Orgulho e preconceito e um baile | DVD

Pride and Prejudice Having a BallQue grata surpresa encontrar um documentário da BBC à venda! O título é Pride and Prejudice – Having a Ball, produzido por Amanda Vickery e Alastair Sooke, que recria o baile de Netherfield em Chawton House.

O documentário, além de encenar o encontro dos casais principais do romance, abrange vários aspectos como música, dança, roupas e também comidas que eram servidas nessas ocasiões. Imaginem a trabalheira que era preparar um baile desse porte.

O DVD, pelo melhor preço, está no site da BBC mas eles não enviam para o Brasil. Pelo menos temos o consolo de encontrar na Amazon UK, por um preço razoável e para nossa felicidade, enviam para Pindorama.

Orgulho e preconceito. E pipoca.

Pride, Prejudice and PopcornAposto que vocês estão pensando que em plena segunda-feira eu estou assistindo Orgulho e preconceito e me enchendo de pipoca em vez de escrever um post para o blog.

Ledo engano. Não tive tempo de concluir o post pois queria uma imagem com boa resolução do livro Pride, Prejudice and Popcorn da Carrie Sessarego, publicado pela Harlequin, que fala sobre adaptações de Jane Eyre, Morro dos vento uivantes, e claro, de Orgulho e preconceito!

O livro é vendido somente no formato e-book e na Amazon está por somente 99 centavos de dólar.

Alguém já leu? Acho que vou conferir.

Orgulho e preconceito 2014 | Série na Coréia do Sul

Mais uma série inspirada em Orgulho e preconceito. Desta vez é uma adaptação moderna feita na Coréia do Sul. Quem me contou essa novidade foi Valéria Sousa, leitora do blog, que está assistindo e adorando. (Muito obrigada!)

É obvio que é em coreano, mas para quem quiser arriscar tem legendas em inglês. Eu confesso que fiquei atrapalhada ouvindo os diálogos em coreano e, aos mesmo tempo, lendo em inglês. Mas tenho certeza que mais adiante a curiosidade me fará assistir! Sem contar a dificuldade em gravar os nomes e tentar descobrir a quais personagens eles correspondem.

Vocês podem assistir no canal Wiki TV Global e o link para o primeiro episódio está aqui: Pride and Prejudice Episode 1. Vou deixar a lista de personagens para vocês se divertirem enquanto viajo e depois vocês me contam o que descobriram. Eu só tenho certeza de Darcy e Elizabeth.

  • Gu Dong-chi — Darcy
  • Han Yeol-mu — Elizabeth
  • Moon Hee-man
  • Kang Soo
  • Jung Chang-gi
  • Lee Jang-won
  • Yoo Dae-gi
  • Yoo Kwang-mi
  • Baek Geum-ok
  • Kim Myung-sook
  • Lee Jong-gon
  • Oh Do-jung

PS: não deixem de ler os comentários do post que são muito esclarecedores sobre a série e seu enredo, há quem ache que muito pouco tem de Orgulho e preconceito, já outros conseguem identificar vários personagens do original.

Orgulho e preconceito série coreana

Entrevista com produtora de Nuvem de lágrimas

A entrevista com Anna Toledo produtora do musical inspirado em Orgulho e preconceito, Nuvem de lágrimas, foi publicada em abril deste ano e eu não havia visto. Quem me avisou foi a leitora Aline Tavares  – muito obrigada,querida!.

Um trecho sobre a trama do musical:

A trama se passa na zona rural de Santana do Ribeirão, uma cidade fictícia no interior de São Paulo, no início dos anos 90. As personagens e as situações serão familiares às plateias brasileiras: as Irmãs Borba vivem em um rancho com a mãe. O pai delas é caminhoneiro. Bete, a filha do meio, é a gerente da cooperativa agrícola local, mas seu sonho é ser cantora. O advogado Darcy trabalha para a maior fazenda da região, a Fazenda Jardim, e está sempre às turras com Bete e a cooperativa. Os dois logo descobrem que têm mais em comum do que gostariam de admitir, mas são muito orgulhosos para ceder e, se quiserem ficar juntos, terão que enfrentar os próprios preconceitos.

Entrevista completa feita pelo jornalistaDirceu Alves Jr. no site da Veja-SP, “Musical “Nuvem de Lágrimas” cruza os caminhos de Chitãozinho, Xororó e Jane Austen”.

Gabriel Sater, o novo Mr. Darcy brasileiro

Gabriel Sater será o protagonista de “Nuvem de lágrimas”, musical inspirado em Orgulho e preconceito. Imagino que muitos de vocês já conheçam Gabriel da novela da Globo, Meu pedacinho de chão, onde ele fez o papel do violeiro Viramundo.

Pois bem, sendo o protagonista só posso crer que ele será o novo Darcy brasileiro. O primeiro foi o nosso querido Guilherme Magalhães.

A reportagem completa está no jornal Correio do Estado (Campo Grande, MS): “Filho de Almir Sater protagoniza musical Nuvem de Lágrimas”.

Gabriel Sater

Escoceses também citam Jane Austen

Ultimamente estou dividindo meu tempo de lazer entre leituras e o Netflix e acabo sempre encontrando Jane Austen em muitos dos filmes/séries inglesas. Estou anotando todas e vou publicá-las aos poucos.

Hoje é a vez da série Monarch of the Glen produzida pela BBC entre 2000 e 2005 que conta a história de um jovem que muito a contragosto volta para sua casa, Glenbogle, um castelo nas terras altas da Escócia, e se vê praticamente obrigado a tonar-se Laird of Glenbogle que significa herdeiro e responsável pela a propriedade e todos os seus problemas.

Tudo isso se passa nos dias atuais e os personagens são um tanto maluquetes e dentre eles tem um dos empregados do castelo chamado Duncan, que lá pelas tantas acha que poderá receber um herança e tornar-se quase um nobre ou pelo menos ter muito dinheiro. E para se divertir com Duncan (de pulôver claro), que é um bocado tonto, Golly, o capataz diz, de forma resumida, a famosa frase inicial de Orgulho e preconceito.

Ninguém passa batido por Jane Austen, nem os escoceses das Highlands!

Monarch of the Glen

Darcy e Elizabeth em três momentos

Encontrei hoje três cartões que fiz das aquarelas de C. E. Brock que considero são três momentos importantes de como a relacionamento entre Elizabeth Bennet e Mr. Darcy se desenvolve durante o romance.

A primeira aquarela é do baile em Meryton quando se conheceram. Mr. Darcy foi muito rude e se recusou a dançar com Elizabeth e entre as barbaridades que falou está a infame, “Ela é tolerável, eu suponho…”.

Na segunda, num sarau na casa dos Lucas, chega a vez de Elizabeth se vingar. Ela se recusa peremptoriamente a dançar com Darcy e antes de virar as costas lhe constrange dizendo que ele, Darcy, era sempre muito gentil.

Por fim o nosso orgulhoso casal tem uma conversa sincera, quando Darcy a pede em casamento novamente e é aceito.

Orgulho e preconceito tem muitos outros momentos importantes e estes três que mencionei são apenas um pretexto para iniciar um  bate-papo e perguntar para vocês:

Quais momentos, e não precisam ser de Darcy e Elizabeth, que vocês mais gostam em Orgulho e preconceito?

Esta enquete ficará em destaque até o final de agosto quando sortearei os três cartões, mas podem comentar à vontade – e mais de uma vez –, pois não é um sorteio convencional.

Orgulho e preconceito - três momentos

Orgulho e preconceito manuscrito em dinamarquês

Interrompo as publicações de Emma para mostrar para vocês uma tradução manuscrita de Orgulho e preconceito feita para o dinamarquês em 1904.

O Museu Jane Austen recebeu de presente essa preciosidade que foi enviada pelo bisneto da proprietária original, para quem as filhas traduziram do inglês. Detalhe: na capa consta que é ilustrado por Charles Brock. Espero que o Museu, mais adiante, publique algumas páginas e o nome do doador.

Encontrei apenas três exemplares de traduções atuais de Orgulho e preconceito para o dinamarquês mas sem imagem de capa: Stolthed og Fordom na AbeBooks.

Orgulho Preconceito, em dinamarquês

O Diário de Mr. Darcy | Amanda Grange

O diário de Mr. Darcy, de Amanda Grange, está sendo lançado no Brasil pela editora Pedrazul, com tradução de Andrea Carvalho.  O livro estará na pré-venda no site da editora a partir de amanhã, 10 de junho, e se estenderá até 10 de setembro.

E na página do Facebook a editora também anuncia que “sorteará entre os noventa primeiros compradores na pré-venda um sortudo que receberá um exemplar de Um Coração de Milton, de Trudy Brasure”.

Perguntei para Chirlei, do editorial, se publicariam os diários dos outros heróis de Jane de autoria de Amanda e a resposta foi que tem planos mas primeiro vão ver o resultado do Diário de Darcy.

Apresentação da autora pela editora:

Amanda nasceu em Yorkshire e passou a sua adolescência lendo Jane Austen e Georgette Heyer e, ao mesmo tempo, encontrou tempo para estudar música na Universidade de Nottingham. Ela tem vinte e cinco romances publicados, incluindo seis recontagens dos romances de Jane Austen, narrando o ponto de vista de seus heróis. Ela também teve dois livros publicados com pseudônimos diferentes: Murder at Whitegates Manor – um romance de mistério e assassinato regencial, no qual assinou como Eleanor Tyler; e The Rake – um romance regencial muito leve e delicioso, que ela assinou como como Amy Watson.

E uma última recomendação: um post de 2010 com a opinião de uma leitora do blog, “Mr. Darcy’s Diary | Amanda Grange

O diário de Mr. Darcy

Orgulho e Preconceito | Mariana Teixeira Marques

Mariana Teixeira MarquesGostei  muito da entrevista com a professora Mariana Teixeira Marques sobre Jane Austen, mais especificamente sobre o livro Orgulho e preconceito, no canal de literatura da Univesp.

Mariana é doutora em estudos linguísticos e literários em inglês pela USP e também professora de Letras da Universidade Federal de São Paulo, na unidade de Guarulhos.

Vídeo da entrevista no site da Univesp: Literatura Fundamental 80: Orgulho e Preconceito – Mariana Teixeira Marques.

Stolz und Vorurteil | Audio

Para completar o post sobre as traduções de Jane Austen para o alemão consegui este áudio de Stolz und Vorurteil (Orgulho e preconceito).

Não sei em qual tradução é baseado mas certamente é o texto completo pois são seis horas e meia de gravação. A narração, muito agradável, é de Eva Mattes.

Clique na imagem para ser redirecionado ao canal do You Tube.

stolz_vorurteil_audio2

Peculiaridades de Jane Austen em alemão

Em janeiro do ano passado tive uma gratificante troca de emails com o tradutor e professor de alemão, Jose Alexandre da Silva. O assunto, é claro, foi Jane Austen.

Com a devida autorização publico trechos de nossa correspondência para contar para vocês quão interessante é o mundo da tradução e as particularidades de cada língua, neste caso o alemão.

Stolz Vorurteil

Sobres as minhas indicações de traduções de Jane Austen José fez as seguintes observações:

“Das traduções citadas, algumas podem ser consideradas modelos de tradução: tanto as do Ivo Barroso quanto a do Lêdo Ivo. Na Alemanha, as traduções são inferiores se comparadas as do Barroso e do Lêdo. Entretanto a coisa muda, quando comparadas as dos outros tradutores. O parentesco entre o alemão e o inglês (ambas são línguas germânicas) nem sempre garante que as traduções alemãs sejam superiores as nossas.”

Fiquei curiosa sobre a inferioridade de algumas (creio que não devem ser todas) traduções alemãs pois como ele mesmo diz “ambas são línguas germânicas” e perguntei um pouco mais sobre o assunto:

“Alexandre, concordo, temos as ótimas traduções de Ivo Barroso e Lêdo Ivo e sinceramente gosto muito de Rachel de Queiroz com Mansfield. Tenho especial carinho pela tradução de Lúcio Cardoso mesmo reconhecendo o ótimo trabalho de Celina Portocarrero. E claro, temos as tenebrosas!
Muito interessante saber sobre as traduções de Jane Austen na Alemanha. Tem algum detalhe que seja o principal “pecado” nas traduções alemãs?
Por exemplo: as traduções francesas, não sei se em todas, mas pelo menos as primeiras, foram traduzidas em tom mais meloso ou romântico. Esta é a crítica que já li só não posso confirmar pois meus francês não serve mais nem para leitura.”

E vejam que descoberta interessante na pronta resposta de José Alexandre:

“Tem sim!!! o principal pecado é que – e isto vale para a maioria das traduções alemãs, com raras exceções devido à sensibilidade de alguns tradutores, principalmente mulheres (afinal são mais sensíveis) – , devido à dureza da própria língua alemã, os tradutores endurecem determinados personagens. Os que são sensíveis se tornam duros e os que são duros tornam-se mais duros ainda. Mas como isto é feito: simplesmente os tradutores cortam determinadas falas de personagens, principalmente, as que expressam algum sentimento “positivo”, ou seja, a Jane Austen alemã (tadinha) é bem menos sensível que a de qualquer outra nacionalidade. Ah!! o povo também é assim: coisa rara ouvir um eu te amo (ich liebe dich) mesmo entre casais apaixonados.”

Eu gostaria muito de ler uma dessas traduções mas certamente não vou apreender alemão tão cedo (para não dizer nunca…). Mas a curiosidade continua me atazanando e como José Alexandre disse que pretendia comprar alguma tradução de Jane Austen, resolvi colocar o primeiro capítulo de Stolz und Vorurteil (Orgulho e preconceito) de duas traduções que tenho.

Deixo para a apreciação de vocês, principalmente para quem entende alemão, estas duas páginas que são o primeiro capítulo de Orgulho e preconceito. A primeira, da editora Anaconda, com tradução de Karin von Schwab e a segunda, da editora Reclam com  tradução de Ursula e Christian Grawe.

PS: adoraria ver Mr. Darcy “mau que nem pica-pau” até o final do romance…

kapitel_1b

kapitel_1

Carnaval Jane Austen – Fim de festa

Finalmente chegaram meus últimos presentes de carnaval: The Annotated Pride and Prejudice e The Annotated Persuasion, ambos editados e anotados por David M. Shapard e publicados pela Anchor Books, que faz parte da Random House.

Não estava nos meus planos comprar esses livros tão cedo pois são relativamente caros e tenho muitos outros que estão na lista de prioridades. Mas o ótimo preço na Estante Virtual e o dólar pela hora da morte, que me dificultaria muito comprar no exterior, foram imperativos para justificar a compra. E mais um detalhe eu já havia comprado para ler no Kindle Emma e Sense and Sensibility, que aliás continuam com ótimo preço no formato digital na Amazon.

Foi um bom Carnaval. Até o próximo!

Jane Austen Annotated

Pride and Prejudice | 2014

Uma minissérie para TV, esta é a descrição no IMDb para a produção dos irmãos McGibney de Pride and Prejudice de 2014. Outras informações, como data e onde será apresentada, não constam da página. O elenco é composto de apenas três personagens, Mr. Darcy (Luke McGibney), Elizabeth (Jolie Myatt) e uma criada sem nome (Seana Cooke). No Leftlion, a diretora Rebecca, declara:

“Eu sempre senti que algumas das idiossincrasias interessantes da personagem de Mr. Darcy podem se perder na trama. Dividindo a história em pequenos episódios, de cinco a dez minutos cada, quis explorar alguns aspectos de sua personagem que, como espectadores, não tenhamos visto mais aprofundadamente antes.”

No site McGibney Productions eles informam que,

“2013 viu a produção de um piloto para Web TV da série “Pride and Prejudice” (Rebecca McGibney) que agora está em um maior desenvolvimento.”

Para acompanhar esta obra, que pelo visto será lançada na internet passarei a seguir a página dos produtores no Facebook McGibney Brothers e assim que tiver maiores informações volto ao assunto. Por enquanto deixo dois links de vídeos para vocês terem uma mostra: Vimeo e na página da produtora.

PS: Fiquei sabendo desta notícia pelo Jane Austen Lost in France.

Pride and Prejudice, 2014

Carnaval Jane Austen – Fotonovela Orgulho e Preconceito

Quando li o anúncio de uma fotonovela Orgulho e preconceito, nem pestanejei e comprei a revista pois já havia perdido de comprar outra duas: uma Revista Carinho e outra, uma cópia da Revista Capricho. A revista chegou ontem, uma Grande Hotel de 1959, com uma linda pintura na capa (Jesus, como as revistas de hoje tem capas horrorosas!) e uma surpresa… ai, ai…

Bem, o título exato da fotonovela na verdade é “Amor, orgulho e preconceito”. E não, não é inspirada em nosso Orgulho e preconceito! Ou pelo menos não parece nas três páginas do primeiro capítulo. Pois é, para completar eu teria que comprar as revistas seguintes para ler a história inteira.

Mas, e sempre há um mas, tem “O Morro dos Ventos Uivantes, foto-romance baseado na obra-prima de Emily Brönte”. Mas (outro mas…) já está no sétimo capítulo!

Resumo de minha compra: não sei ainda o que farei com a revista. Talvez fique na bilbioteca como curiosidade.

Revista Grande Hotel

Pride and Prejudice | Becca Stadtlander

Esta edição de Pride and Prejudice é o primeiro de uma série que será publicado pela editora Frances Lincoln. O formato em sanfona do livro, se é que podemos chamar de livro, é constituido por 16 painéis ilustrados por Becca Stadtlander e com descrições concisas que resumem o romance de Elizabeth e Darcy.

Esses painéis são independentes e podem ser enquadrados. Vejam a capa e me perguntem se já não fiquei cheia de vontades…

Pride  and Prejudice, Becca Stadtlander