Escoceses também citam Jane Austen

Ultimamente estou dividindo meu tempo de lazer entre leituras e o Netflix e acabo sempre encontrando Jane Austen em muitos dos filmes/séries inglesas. Estou anotando todas e vou publicá-las aos poucos.

Hoje é a vez da série Monarch of the Glen produzida pela BBC entre 2000 e 2005 que conta a história de um jovem que muito a contragosto volta para sua casa, Glenbogle, um castelo nas terras altas da Escócia, e se vê praticamente obrigado a tonar-se Laird of Glenbogle que significa herdeiro e responsável pela a propriedade e todos os seus problemas.

Tudo isso se passa nos dias atuais e os personagens são um tanto maluquetes e dentre eles tem um dos empregados do castelo chamado Duncan, que lá pelas tantas acha que poderá receber um herança e tornar-se quase um nobre ou pelo menos ter muito dinheiro. E para se divertir com Duncan (de pulôver claro), que é um bocado tonto, Golly, o capataz diz, de forma resumida, a famosa frase inicial de Orgulho e preconceito.

Ninguém passa batido por Jane Austen, nem os escoceses das Highlands!

Monarch of the Glen

Darcy e Elizabeth em três momentos

Encontrei hoje três cartões que fiz das aquarelas de C. E. Brock que considero são três momentos importantes de como a relacionamento entre Elizabeth Bennet e Mr. Darcy se desenvolve durante o romance.

A primeira aquarela é do baile em Meryton quando se conheceram. Mr. Darcy foi muito rude e se recusou a dançar com Elizabeth e entre as barbaridades que falou está a infame, “Ela é tolerável, eu suponho…”.

Na segunda, num sarau na casa dos Lucas, chega a vez de Elizabeth se vingar. Ela se recusa peremptoriamente a dançar com Darcy e antes de virar as costas lhe constrange dizendo que ele, Darcy, era sempre muito gentil.

Por fim o nosso orgulhoso casal tem uma conversa sincera, quando Darcy a pede em casamento novamente e é aceito.

Orgulho e preconceito tem muitos outros momentos importantes e estes três que mencionei são apenas um pretexto para iniciar um  bate-papo e perguntar para vocês:

Quais momentos, e não precisam ser de Darcy e Elizabeth, que vocês mais gostam em Orgulho e preconceito?

Esta enquete ficará em destaque até o final de agosto quando sortearei os três cartões, mas podem comentar à vontade – e mais de uma vez –, pois não é um sorteio convencional.

Orgulho e preconceito - três momentos

Orgulho e preconceito manuscrito em dinamarquês

Interrompo as publicações de Emma para mostrar para vocês uma tradução manuscrita de Orgulho e preconceito feita para o dinamarquês em 1904.

O Museu Jane Austen recebeu de presente essa preciosidade que foi enviada pelo bisneto da proprietária original, para quem as filhas traduziram do inglês. Detalhe: na capa consta que é ilustrado por Charles Brock. Espero que o Museu, mais adiante, publique algumas páginas e o nome do doador.

Encontrei apenas três exemplares de traduções atuais de Orgulho e preconceito para o dinamarquês mas sem imagem de capa: Stolthed og Fordom na AbeBooks.

Orgulho Preconceito, em dinamarquês

O Diário de Mr. Darcy | Amanda Grange

O diário de Mr. Darcy, de Amanda Grange, está sendo lançado no Brasil pela editora Pedrazul, com tradução de Andrea Carvalho.  O livro estará na pré-venda no site da editora a partir de amanhã, 10 de junho, e se estenderá até 10 de setembro.

E na página do Facebook a editora também anuncia que “sorteará entre os noventa primeiros compradores na pré-venda um sortudo que receberá um exemplar de Um Coração de Milton, de Trudy Brasure”.

Perguntei para Chirlei, do editorial, se publicariam os diários dos outros heróis de Jane de autoria de Amanda e a resposta foi que tem planos mas primeiro vão ver o resultado do Diário de Darcy.

Apresentação da autora pela editora:

Amanda nasceu em Yorkshire e passou a sua adolescência lendo Jane Austen e Georgette Heyer e, ao mesmo tempo, encontrou tempo para estudar música na Universidade de Nottingham. Ela tem vinte e cinco romances publicados, incluindo seis recontagens dos romances de Jane Austen, narrando o ponto de vista de seus heróis. Ela também teve dois livros publicados com pseudônimos diferentes: Murder at Whitegates Manor – um romance de mistério e assassinato regencial, no qual assinou como Eleanor Tyler; e The Rake – um romance regencial muito leve e delicioso, que ela assinou como como Amy Watson.

E uma última recomendação: um post de 2010 com a opinião de uma leitora do blog, “Mr. Darcy’s Diary | Amanda Grange

O diário de Mr. Darcy