Kazuo Ishiguro sobre Mansfield Park

Este comentário (abaixo), de Kazuo Ishiguro sobre Mansfield Park de Jane Austen, encontra-se nas notas do escritor sobre autores que ele tem em grande consideração e que estarão em breve todas disponíveis no site Harry Ransom Center da Universidade do Texas.

“Este livro, embora muito cativante e envolvente, parece-me não ser da mesma ordem que Emma e Persuasão. É um livro mais cru em sua perspectiva moral e, na verdade, tem algo extremamente desinteressante e sem compaixão. Claro que você tem que ver essas coisas em termos do clima moral vigente. Mas quando você coloca este livro ao lado da generosidade de espírito dos personagens exibidos nos outros dois romances, e a disposição de questionar os costumes da sociedade da época, M. Park tem de ser visto como decepcionante “.

“This book, while very engrossing and involving, seems to me to not be of the same order as Emma and Persuasion. It’s a cruder book in its moral outlook, and indeed, has something extremely unattractive and lacking in compassion. Of course you have to see these things in terms of the prevailing moral climate. But when you put this book alongside the generosity of spirit for individuals displayed in the other two novels, and the willingness to question the mores of prevailing society, M. Park has to be seen as disappointing.”

Como podemos ver não são poucos os que não se encantam com Mansfield Park e a pequena Fanny Price, mas é claro que sendo fino e elegante, Mr. Ishiguro, coloca sua opinião da forma mais delicada possível.

Eu entendi o fato dele achar desinteressante, é a opinião dele e pelo que sei Mansfield Park sempre teve seus desafetos,  mas não entendi o “sem compaixão” tanto que mantenho o texto original para vocês compararem com minha tradução/interpretação.  Ficarei aqui martelando esta dúvida por um bom tempo e aguardando a opinião de vocês.

Já mencionei Ishiguro aqui no blog, autor de Vestígios do dia, um dos seus livros mais conhecidos e no momento estou preparando outro post com suas opiniões sobre Jane Austen.

FONTE: Kazuo Ishiguro’s “Notes on some GREAT WRITERS”, por Jennifer Tisdale

MansfieldPark, em alemão, editora Anaconda

Jane Austen – Obituário

Jane Austen faleceu em 18 de julho de 1817 em Winchester onde estava sob cuidados médicos e seu obituário foi publicado somente em agosto no The Gentleman’s Magazine, que traduzo a seguir.

184 Obituário: com Anedotas de Pessoas notáveis [Ago.
Julho, 18
Em Winchester, Senhorita Jane Austen, filha mais jovem do Reverendo George Austen. Reitor de Steventon, Hants, autora de “Emma”, “Mansfield Park”, Orgulho e preconceito”, e “Razão e sentimento”.

Quando li “anedoctes”, achei estranho mas ao procurar mais significados da palavra em inglês encontrei a seguinte descrição: “história curta e divertida ou interessante sobre uma pessoa ou um incidente”.

Obituário Jane Austen

FONTE: REPUBLIC OF PEMBERLEY

Resultado do sorteio aniversário do blog

O sorteio de aniversário de oito anos do Jane Austen em Português teve 71 participantes e as sorteadas foram as meninas da lista abaixo. Um email foi enviado para vocês de modo que respondam com o endereço de vocês para que eu possa mandar o presentinho de vocês.

1 – 31 ALEXIA Caderno Mr. Darcy linho vermelho
2 – 44 POLLYANNA CARDOSO Caderno Mr. Darcy príncipe de gales grafite
3 – 14 HAYDÉE Caderno Jane Austen rosa
4 – 28 THAÍS BRITO Caderno Jane lilás
5 – 6 AMANDA VIEIRA Caderno Jane Austen cinza
6 – 54 ANA JULIA GUSMÃO BALBI F. Caderno Marianne Dashwood
7 – 12 STEPHANY Caderno Marianne Dashwood
8 – 70 CARINA SALVALAGIO Caderno Marianne Dashwood

Love and Friendship de Whit Stillman

O que primeiro precisa ser dito sobre o livro Love and Friendship escrito por Whit Stillman é que é uma adaptação da novela Lady Susan, de Jane Austen. Não é portanto o conto juvenil que tem o título de Love and Freindship, com a palavra friendship escrita propositalmente errada no original e que tem sido mantida com esse erro em vários livros que publicam a juvenília de Austen.

Love and Friendship:  In Which Jane Austen’s Lady Susan Vernon Is Entirely Vindicated, o livro de Stillman, com o subtítulo consegue esclarecer, em parte, a confusão das histórias. Os motivos da escolha do título pelo autor está numa entrevista no blog Austenprose, que resumirei aqui para vocês. A entrevistadora, Devoney Looser, uma estudiosa de Austen e também professora, comentou que esse título dará um bocado de confusão na hora de ensinar aos alunos.  Mas vamos às razões do autor do livro.

Whit Stillman nunca gostou do título “Lady Susan” e como ele mesmo diz, este nem foi o título escolhido por Austen que foi publicado somente em 1871 em sua biografia feita pelo sobrinho da autora. Outro motivo de Stillman foi o fato de querer que a história não fosse somente sobre Susan Vernon e, por último, que a adaptação para o cinema tivesse um título com maior apelo comercial, o que não ocorre com nomes próprios. Assim sendo aproveitou um título de Austen, Love and Friendship, consertando o erro de grafia e acrescentando um subtítulo.

O filme, baseado no livro Love and Friendship:  In Which Jane Austen’s Lady Susan Vernon Is Entirely Vindicated, conforme já comentei aqui no blog, estreará em outubro.

A boa notícia é que a tradução do livro sairá no segundo semestre deste ano pela editora Gutenberg! No momento que tiver meu exemplar em mãos tenho certeza que terei muito a escrever, até lá vamos ficando com duas capas, que encontrei como sendo do livro.

Acredito que a última capa, a que mais gostei, foi apenas prova para imprensa.

Love and Friendship, With Stillman

Love and Friendship, With Stillman

Oito anos do Jane Austen em Português

O aniversário de oito anos do Jane Austen em Português foi ontem, 21 de junho,  e por motivos extraordinários somente hoje pude escrever o post. Já se passaram tantos anos desde o primeiro post que escrevi sobre minha admiração por Jane Austen e posso afirmar que o prazer da leitura e das descobertas nas obras da autora continuam apesar do pouco tempo que tenho dedicado ao blog nestes últimos dois anos.

E para comemorar o aniversário do blog e nossa mútua admiração por Miss Jane Austen vou sortear 8 cadernos, confecção minha, sendo um deles o da foto abaixo. Para participar do sorteio é preciso responder neste post a pergunta abaixo, ficando claro que não há resposta certa ou errada pois é apenas uma curiosidade pessoal!

Quem se irritou com Mr. Darcy quando ele fez a primeira proposta de casamento Elizabeth?

NORMAS DO SORTEIO
Sorteio de 22 de junho a 3 de julhoResultado: 4 de julho
É permitido apenas um (1) comentário por participante
Se um grupo usar o mesmo computador para comentar, o que levará a IPs iguais, avise no próprio comentário para não ser desclassificado
Use seu mail verdadeiro e apenas no formulário. Não coloque email no corpo do comentário
Lembrem-se: comentários são moderados e podem levar um tempo para serem publicados
Qualquer um pode comentar mas somente quem tiver um endereço no Brasil concorrerá ao presente

Jane Austen em Português, 8 anos

Gazeta de Meryton, 12 de junho de 2016.

EDITORIAL

A Gazeta de Meryton desta semana será bem pequena pois estou viajando. Espero voltar a tempo para comemorar o aniversário de 8 anos do blog. Até lá!

LIVROS

A editora Gutenberg pretende publicar os seis romances de Jane Austen com novas traduções e também um projeto chamado “Jane Austen por Elas”, que será uma releitura moderna dos clássicos de Austen. Ainda não tem datas definidas mas assim que tiver mais informações publicarei no Jane Austen em Português.

Jane Austen: An Illustrated Biography, adaptação de Zena Alkayat e ilustrações de Nina Cosford

Jane Austen: An Illustrated Biography

Preconceito, orgulho e café, de Moira Bianchi. Adaptação do clássico de Jane Austen, invertendo os personagens: neste caso a moça é rica e o rapaz de classe média.

BIBLIOTECA JANE AUSTEN

De agora em diante passarei a informar os livros cadastrados no meu blog, Biblioteca Jane Austen, aqui na Gazeta. Os últimos publicados foram:

Pride and Prejudice em quadrinhos,  infantojuvenil, em inglês
Pride and Prejudice, mangá em dois volumes
The Complete Works of Jane Austen, ebook (em vários formatos) publicado por GirleBooks e que vocês podem comprar por 1.99 dólares (link no título)
Project Gutenberg, link para os livros de Jane Austen, incluindo áudios, gratuítos.

BLOGS & SITES

Blog “All Things Jane Austen” de Rita Watts, em inglês, mas com vasto arquivo visual do mundo de Jane Austen. Provavelmente vocês já a conhecem da página de mesmo nome no Facebook.

Gazeta de Meryton, 5 de junho de 2016

EDITORIAL

O destaque na Gazeta de Meryton de hoje é contar para vocês que o feed do Jane Austen em Português será completo daqui em diante: isto quer dizer que os assinantes do blog receberão em seus emails o post completo e não apenas um excerto como costumava ser.  Vocês poderão ler todo conteúdo do blog sem precisar acessá-lo.

O motivo desta mudança é que muitos leitores não podem acessar páginas no trabalho, apenas seus emails. Sim, eu sei, sempre é possível ler no smartphone, mas eu particularmente não gosto de telas pequenas para leitura.

Se vocês, após ler o post no email, quiserem comentar ou ler os comentários basta usar o botão ou link “Comment” e será redirecionado para o post.

LIVROS

O livro de contos, O amor nos tempos do ‪#‎like‬, traz um conto inspirado em Orgulho e preconceito. Os autores dos contos são Pam Gonçalves (Orgulho e preconceito), Bel Rodrigues (Dom Casmurro), Hugo Francioni e Pedro Pereira (Romeu e Julieta). Publicado pelo selo Galera Record do Grupo Editorial Record.

O amor nos tempos de #likes

Mais um livro inspirado na obra de Jane Austen, e traduzido para o português: O manual de casamento de Jane Austen, de Kim Izzo, publicado pela Novo Século Editora.

O manual de casamento de Jane Austen, Kim Izzo

ARTIGOS & RESENHAS

Stephen Fry on Jane Austen”, artigo (em inglês) sobre Austen e o filme Love and Friendship (aka Lady Susan), no qual ele desempenha o papel de Mr. Johnson.

MISCELÂNEA

As novas libras sabem nadar”,  artigo do Jornal de Negócios de Portugal sobre as novas notas da libra inglesa que serão de polímero em vez de papel e que em 2017 lançará a nota com a imagem de Jane Austen.

Havainas, ou flip-flop, como chamam em língua inglesa, Orgulho e preconceito na Zazzle. Tem vário modelos mas a que mais gostei foram estas com tiras cor-de-rosa!

Havaianas Orgulho Preconceito

Anthony Trollope sobre Jane Austen

Anthony Trollope, um dos grandes escritores ingleses do período Vitoriano e com vasta obra, de pequenas histórias, peças e número considerável de romances, era também admirador de Jane Austen. Eu já conhecia sua admiração pela autora e ontem encontrei esse testemunho no Facebook, trecho de uma palestra feita por Anthony Trollope em 1870  e resolvi finalmente traduzir antes de compartilhar:

Miss Austen era, certamente, uma grande romancista. O que ela fez, ela fez perfeitamente. Seu trabalho, na medida em que se desenrola, é impecável. Ela escreveu sobre o tempo em que viveu, sobre a classe de pessoas com as quais era relacionada, e numa linguagem habitual para ela como uma moça bem educada. De romance, o que geralmente dizemos quando falamos de romance -. ela não tinha matiz. Heróis e heroínas com aventuras maravilhosas não há nenhum em seus romances. Grande criminosos e crimes ocultos, ela não nos diz nada. Mas ela nos coloca em um círculo de cavalheiros e damas, e nos encanta enquanto ela nos conta com uma precisão inconsciente como os homens devem agir com as mulheres, e como as mulheres devem agir com os homens. Não que seus personagens sejam todos bons; – e, certamente eles não são todos ajuizados. Os defeitos de alguns são a bigorna na qual as virtudes dos outros são marteladas até que brilhem como o aço. Na comédia de tolices eu não conheço escritor que a supere. As cartas de Mr. Collins, o clérigo de Orgulho e preconceito, levaria ao riso um arcebispo do baixo clero.

Detalhe: fiquei na dúvida ao traduzir comedy of folly como “comédia de tolices”, pensei em comédia de erros, mas também não me pareceu adequada. Alguém saberia dizer se tem alguma tradução consagrada para esse tipo de comédia?

FONTE: Facebook Página Anthony Trollope
IMAGEM: Wikiquote

Anthony Trollope

Gazeta de Meryton, 29 de maio de 2016

EDITORIAL

Há mais de um ano que não publicava a Gazeta de Meryton. Retorno hoje com notícias do mundo de Jane Austen, como sempre foi a proposta deste tipo de postagem e também com as novas metas do blog.

Jane Austen em Português completará oito anos em junho e constato que tem mais de três mil e duzentos posts publicados como vocês podem ver na captura de tela abaixo. Esta quantidade de textos, por pequenos sejam, com o passar do tempo foram perdendo links, imagens, diagramação etc. Esse conjunto de fatos por sua vez vez gerou uma quantidade de erros de acesso muito acima do aceitável. Por esse motivo, de hoje em diante, passo a fazer uma limpeza profunda e também reorganização do blog. Essa tarefa será longa e me tomará um tempo razoável, portanto novos textos serão escassos e usarei e abusarei da Gazeta para pelo menos manter vocês atualizados.

Uma modificação que será testada inúmeras vezes será de novos temas, não se assustem, pois aparecerão e sumirão com a mesma rapidez até conseguir algo adequado! A medida que for implementando as modificações avisarei nos editorias da Gazeta. A Biblioteca Jane Austen continuará, devagar e sempre, sendo atualizada nesse período.

Quanto tempo levarei nesse trabalho… sinceramente, não sei. A única certeza é que um blog totalmente desorganizado não vale a pena ser publicado, então me desejem sorte e disposição.

Ah! todas as sugestões e avisos de erros serão bem-vindas, conto com vocês!

LIVROS

Jane Austen, Edward Knight, & Chawton: Commerce & Community por Linda Slothouber.
Blog da autora com mais informações sobre o livro.

Say It Like Miss Austen por Stefan Scheuermann,

Say It Like Miss Austen

ARTIGOS

“Orgulho e Preconceito – uma história de ódio à primeira vista”, por Carina Teixeira

“No romance, Elizabeth despreza a arrogância de Darcy sem perceber que essa arrogância, às vezes, funciona como uma forma de defesa: “o amor assusta mais do que todos os fantasmas que habitam o coração humano”. Darcy despreza Elizabeth porque Elizabeth é uma ameaça ao seu conforto social e até sentimental. Elizabeth e Darcy não são personagens divergentes. Eles são, no seu orgulho e preconceito, personagens rigorosamente iguais.”

Jane Austen’s Guide to Alzheimer’s” por Carol J. Adams

“Early on in tending to my mother, who had Alzheimer’s, I was sustained by other Austen novels, but during the middle stages of her disease it was all “Emma,” all the time. What started as entertainment soon became an important guide.”

MISCELÂNEA

An Animated Introduction to Jane Austen”, Dan Colman (vídeo)

Blog Jane Austen’s London

Crispin Bonham-Carter is now a teacher”, Lucy Stephens, Independent

Crispin Bonham Carter, Mr. Bingley 1995, agora professor

Os mistérios de Udolpho – O gótico no seu apogeu

Ainda não li Os Mistérios de Udolpho pois quero fazê-lo sem pressa e, infelizmente, este tempo é um luxo que não tenho no momento. Mas vocês, leitores do Jane Austen em Portugês, não ficarão sem uma indicação de peso. Claire Scorzi de quem já tenho publicado o artigo “Jane Austen e os movimentos literários” e o vídeo “Jane Austen”.nos autorizou graciosamente a publicação de sua resenha sobre Os Mistérios de Udolpho que foi lançado, em dois volumes, pela editora Pedrazul.

“Os mistérios de Udolpho – O gótico no seu apogeu”
por Claire Scorzi

Ann Radcliffe ficou conhecida por este e outros romances góticos – livros de mistério, suspense, ambientados em geral fora da Inglaterra (aqui, França e Itália) o que devia dar uma atmosfera “exótica” ao público leitor inglês, e quem sabe a ideia de que tais horrores não aconteceriam em solo britânico…

Otto Maria Carpeaux (História da Literatura Ocidental) escreveu que Radcliffe tinha certo talento literário, mas que hoje não a leríamos mais. Esta é uma das vezes em que discordo do grande Carpeaux. Embora eu não tenha como saber, ainda, se Radcliffe escreveu uma “obra” que permanecerá – só li este – apreciei muito descobrir que Ann Radcliffe tinha, de fato, talento literário:

Usa o gótico com discernimento, sem exagerar nas cenas e optando sempre pelo gótico fundamentado na razão – todos os “eventos estranhos” tem explicação racional – e criando boas cenas de suspense;

a atmosfera da narrativa é cuidada, sem transições abruptas e superficiais;

um possível feminismo – só possível! rs – na sua heroína, Emily, cuja firmeza moral é a sua única “arma” contra Montoni, mas que a autora consegue tornar admirável em mais de um episódio de confronto entre os dois personagens;

ausência do cinismo e irreverência tão comuns na literatura inglesa do século XVIII – ou seja, nada de Fielding – sem, contudo, abrir mão de um humor discreto;

frases de personagens memoráveis (inclusive algumas de Emily enfrentando Montoni);

personagens de apoio simpáticos (Annette e Ludovico, para citar só dois);

esforço de análise psicológica, o que me fez suspeitar que Radcliffe tinha certa familiaridade com a literatura francesa da época.

Enfim: um romance que merece ser lido.

Os mistérios de Udolpho