Os mistérios de Udolpho – O gótico no seu apogeu

Ainda não li Os Mistérios de Udolpho pois quero fazê-lo sem pressa e, infelizmente, este tempo é um luxo que não tenho no momento. Mas vocês, leitores do Jane Austen em Portugês, não ficarão sem uma indicação de peso. Claire Scorzi de quem já tenho publicado o artigo “Jane Austen e os movimentos literários” e o vídeo “Jane Austen”.nos autorizou graciosamente a publicação de sua resenha sobre Os Mistérios de Udolpho que foi lançado, em dois volumes, pela editora Pedrazul.

“Os mistérios de Udolpho – O gótico no seu apogeu”
por Claire Scorzi

Ann Radcliffe ficou conhecida por este e outros romances góticos – livros de mistério, suspense, ambientados em geral fora da Inglaterra (aqui, França e Itália) o que devia dar uma atmosfera “exótica” ao público leitor inglês, e quem sabe a ideia de que tais horrores não aconteceriam em solo britânico…

Otto Maria Carpeaux (História da Literatura Ocidental) escreveu que Radcliffe tinha certo talento literário, mas que hoje não a leríamos mais. Esta é uma das vezes em que discordo do grande Carpeaux. Embora eu não tenha como saber, ainda, se Radcliffe escreveu uma “obra” que permanecerá – só li este – apreciei muito descobrir que:

Ann Radcliffe tinha, de fato, talento literário:

  • Usa o gótico com discernimento, sem exagerar nas cenas e optando sempre pelo gótico fundamentado na razão – todos os “eventos estranhos” tem explicação racional – e criando boas cenas de suspense;
  • A atmosfera da narrativa é cuidada, sem transições abruptas e superficiais;
  • Um possível feminismo – só possível! rs – na sua heroína, Emily, cuja firmeza moral é a sua única “arma” contra Montoni, mas que a autora consegue tornar admirável em mais de um episódio de confronto entre os dois personagens;
  • Ausência do cinismo e irreverência tão comuns na literatura inglesa do século XVIII – ou seja, nada de Fielding – sem, contudo, abrir mão de um humor discreto;
  • Frases de personagens memoráveis (inclusive algumas de Emily enfrentando Montoni);
  • Personagens de apoio simpáticos (Annette e Ludovico, para citar só dois);
  • Esforço de análise psicológica, o que me fez suspeitar que Radcliffe tinha certa familiaridade com a literatura francesa da época.

Enfim: um romance que merece ser lido.

Os mistérios de Udolpho

La Abadía de Northanger | Minissérie espanhola de 1968

La Abadía de Northanger, minissérie espanhola de 1968 já está disponível no site da TVE. Quem me avisa são as meninas  do Sítio de Jane Austen, Carmen e Almudena. Elas também comentam que o figurino dos atores está mais para o estilo vitoriano do que regencial. E para completar dizem que em breve teremos também Persuasão!

Vou colocar apenas uma imagem (péssima pois a resolução do vídeo é precária) e os links para não sobrecarregar o blog que está cada vez mais lento e esta série tem nove episódios! E antes que me esqueça o casal é representado por Lola Herrera como Catalina Morland e Pepe Martín como Henry Tilney, Vocês podem ver o restante do elenco no IMDb.

La Abadía de Northanger, TVE Espanha, 1968

La Abadía de Northanger

Lady Susan e The Beautiful Cassandra

Quando comprei The Beautiful Cassandra da coleção “Little Black Classics” da Penguin pensei que seria o único Austen da coleção. Que nada! eles continuam publicando mais livros e agora temos Lady Susan. E assim, como quem não quer nada, inicio mais uma coleção Jane Austen. O que me consola é que o preço, mesmo em dólar, com frete incluso na Book Depository é irresistível: U$ 3.58.

E o melhor, chegou rápido! Com vocês Lady Susan da “Little Black Classics” da Penguin e acompanhada da Bela Cassandra que já estão na Biblioteca Jane Austen.

Lady Susan e The Beautiful Cassandra

Monstros, zumbis e outras inspirações na Biblioteca Jane Austen

Quem me conhece sabe que não aprecio zumbis e tampouco monstros sejam eles do mar ou de espaço sideral. Mas, em se tratando de Jane Austen acabo cedendo e compro os livros. Só tenho uma norma: compro quando o valor chega a um dígito, foi o caso de Razão e sensibilidade e monstros marinhos. Já Orgulho e preconceito e zumbis, ganhei de presente do sobrinho!

Junto dos monstrinhos cataloguei mais dois livros, também inspirados também na obra de Jane Austen, as sequencias: Willoughby’s Return de Jane Odiwe e Nachtstürm Castle, de Emily Snyder, sendo este último inspirado em Northanger Abbey.

Orghulho e preconceito e zumbis & Razão e sensibilidade e monstros marinhos

Emma em sérvio

Encontrei esta capa de Emma em sérvio ou sérvio-croata na galeria de capas de Emma do Goucher College e de me imediato lembrei que já havia publicado uma capa que também traduzia o nome de Jane Austen, escrito de duas formas: Džejn Osten ou Džejn Ostin. A capa é de uma tradução de Orgulho e preconceito.

A galeria de capas de Emma in America, vale uma visita!

Emma_CroataServia

Darcy e Elizabeth | Minissérie BBC 1967

Nos primeiros meses do Jane Austen em Português, em 2008, fiz uma pesquisa sobre todas as adaptações para filmes e séries baseados ou inspirados nos livros de Austen e a grande dificuldade foi encontrar vídeos ou imagens. Entre eles está a minissérie, em seis capítulos, Pride and Prejudice (Orgulho e preconceito), produzida pela BBC em 1967, tendo como protagonistas Celia Bannerman no papel de Elizabeth Bennet e Lewis Fiander como Mr. Darcy.

Para nossa alegria encontrei uma capa da revista RadioTimes de setembro de 1967 com um bela foto do casal Elizabeth e Darcy. Sim, eu imagino que o topete de Lewis Fiander não faria muito sucesso nos dias de hoje, mas é Mr. Darcy, meninas!

Como seria maravilhoso se a BBC colocasse no You Tube essas séries antigas, vocês não acham?Darcy Elizabeth BBC 1967

Adaptações infantojuvenis da obra de Jane Austen

A Biblioteca Jane Austen já tem a disposição para pesquisa alguns exemplares sob a tag infantojuvenis. Os primeiros livros classificados sob essa tag foram as adaptações brasileiras de Razão e sensibilidade, de autoria de Lidia Cavalcante-Luther e Orgulho e preconceito de mais três autores: Paulo Mendes Campos, João Paulo Roriz e Dionísio Jacob.

A de Dionisio Jacob faz parte da coleção Três por Três, que em cada exemplar traz a adaptação de dois clássicos e um contemporâneo escrito pelo adaptador. Junto de Orgulho e preconceito de Jane Austen temos Eugênia Grandet, de Honoré de Balzac, e Vampíria de Jacob, classificado como Três Famílias.
Adaptações infantojuvenis da obra de Jane Austen

Emma e o condado de Surrey

Os locais mencionados em Emma, o quarto livro publicado de Jane Austen, incluem lugares reais como Box Hill, o rio Mole, Richmond, Kingston, Weymouth, Cobham e Londres e sobre esses lugares que Tony Grant, escreve no blog da Vic, o Jane Austen’s World.

Tony não só escreve um texto cheio de possibilidades das inspirações de Jane como também ilustra com suas fotos dos lugares. E mesmo que você não saiba inglês, mesmo assim vale a visita no post: “Emma Woodhouse’s Surrey”.

Box Hill, Surrey

Emma | Minissérie espanhola de 1967

O canal espanhol RTVE está disponibilizando online a minissérie Emma produzida na Espanha em 1967. Esta reapresentação é graças aos esforços de Mari Carmen Romero, administradora do “El Sitio de Jane” e do forum “El Salón de Té” que se empenhou junto à emissora.

Já podemos assistir online o primeiro capítulo da série e para saber dos próximos basta acompanhar a página Archivo RTVE no Facebook. Os vídeos não estão legendados mas conhecendo a história de Emma como conhecemos e sendo espanhol uma língua de fácil compreensão para nós, falantes de português, creio que será diversão garantida!

A direção da série é de Miguel Aguado que também faz o papel de Mr. Woodhouse. Emma é representada por Lola Cardona e Mr. Knightley por Arturo López. O elenco completo está na página do IMDb.

Não consegui incorporar o vídeo do primeiro capítulo e por esse motivo coloco apenas uma imagem de Lola Cardona, a Emma espanhola!

UPDATE: Consegui incorporar e agora temos a minissérie completa com os cinco vídeos que a compõem.

Preciosidades na Biblioteca Jane Austen

Ao longo dos anos tenho comprado muitas edições dos livros de Jane Austen, algumas delas são preciosidades que consigo por acaso e claro, dentro do meu orçamento.

As preciosidades que foram cadastradas na Biblioteca Jane Austen na semana passada foram: Persuasion da coleção “The Novels of Jane Austen in Ten Volumes” de 1893 e Sense and Sensibility da coleção “The Rittenhouse Classics” sem data inscrita no volume. mas que segundo alguns sites de venda seria uma publicação entre 1900 e 1909.

Como vocês ver na foto abaixo, o exemplar de Persuasion está com a capa bastante avariada, mas a parte interna a não ser por algumas folhas soltas está muito boa, incluindo as três ilustrações de William C. Cooke.

A capa de Sense and Sensibility está ótima mas também tem algumas folhas soltas e quando chegou me surpreendi com o bo estado do livro pois pelo preço imaginei que não estaria em boas condições. São essas pequenas coisas que fazem a alegria de quem compra livros!

Sense and Sensibility e Persuasion

Love and Friendship | Trailer

Conforme o prometido cá está o trailer de Love & Friendship que na verdade é a adaptação do romance epistolar de Jane Austen, Lady Susan. Confesso que o trailer não me cativou, mas vamos esperar o filme.

Segundo o site Cinema Rapadura, o filme estreará nos EUA em 13 de maio e no Brasil em 27 de outubro.

Viajar sem Jane Austen

Desta vez viajei sem um livro sequer de Jane Austen. Acho que nunca havia cometido tal sacrilégio. Tenho fortes razões para tal, muitos compromissos e pouco tempo para cumpri-los.

Mas uma passada na Paulista foi o suficiente para cair na tentação da livraria Cultura e iniciar uma nova coleção da Wordsworth! Depois tive que fazer uma via sacra pela Fnac, Saraiva e Martins Fontes, ficou faltando apenas a livraria da Vila, para ver se completava a coleção. Tá difícil… poucos livros importados nas prateleiras.

Espero poder voltar ao blog até o final da próxima semana. Até lá!

Jane Austen

Pride and Prejudice, ilustrado por Robert Ball

Esta edição de Pride and Prejudice, publicada em 1945 pela Doubleday, traz lindas ilustrações de Robert Ball, algumas ocupando duas páginas, o que é bastante raro. As imagens abaixo são da loja de Lady Frans Library no Etsy, e o exemplar já foi vendido.

O que mais gostei foi descobrir que muitos livros são vendidos no Etsy, um pouco mais caros, mas mesmo assim tem verdadeiras jóias que vale a pena investir.

Coloco três fotos: do livro em si, uma ilustração dupla e para completar um Mr. Darcy para lá de elegante e com o nariz bastante empinado!

Pride and Prejudice, Robert BallPride and Prejudice, Robert BallPride and Prejudice, Robert Ball

Lady Susan | Little Black Classics

Lady Susan também está na coleção “Little Black Classics” da editora Penguin. Desta vez foram lançados 46 títulos para comemorar a primeira coleção Penguin Classics publicada em 1946.

Para quem não viu aqui está o post sobre The Beautiful Cassandra que fiz sobre os primeiros títulos que celebram os 80 anos da Penguin.

Este novo livro da coleção da Penguin, tem 128 páginas e está à venda com ótimo preço e frete grátis no Book Depository.

No Brasil Lady Susan foi publicada pelas editoras Zahar e Pedrazul.

Lady Susan Little Black Classics

Biblioteca Jane Austen, a vez dos inspirados

Dei início à publicação da categoria INSPIRADOS, na Biblioteca Jane Austen. Comecei por três livros que são especiais:

The Jane Austen Handbook: A Sensible Yet Elegant Guide to Her World, o primeiro livro que conheci inspirado em Austen. De pronto me apaixonei pela capa e descobri que a autora, Margaret Sullivan, também tinha (tem) um blog, o AustenBlog, que tornou-se fonte de minha inspiração para escrever sobre Jane.

Effusions of Fancy, de Jane Odiwe, descobri bem mais tarde e fiquei encantada com as ilustrações que na verdade são pinturas da autora reproduzindo cenas da vida de Jane Austen. O livro estava esgotado mas não me dei por vencida e entrei em contato com a autora para saber se pretendia republicar e me avisar de modo que eu pudesse comprar. Para minha imensa surpresa, a Jane Odiwe me presenteou com o livro e cartões de suas gravuras!

My Dear Cassandra, é uma seleção de cartas de Jane Austen com apresentação da autora Penelope Hughes-Hallett e traz também muitas ilustrações de ótima qualidade. Na dúvida cataloguei em CARTAS e INSPIRADOS.

Livros inspirados em Jane Austen

Orgulho e preconceito e zumbis. Resenha: livro e filme

Não creio que chegarei a tempo para assistir o filme Orgulho e preconceito e zumbis, algo que faria como um dever de casa, não por terem adaptado a obra de Jane Austen, mas simplesmente por não gostar de zumbis. Creio que já mencionei por aqui que os acho nojentinhos, sujinhos, eca! Compro o DVD mais tarde. O livro só comprarei para o acervo quando achar um exemplar baratinho e talvez um dia eu leia.

Acontece que muitos gostam do gênero zumbis, sejam adaptações ou histórias originais e por esse motivo indico neste post uma resenha do filme e também do livro, ambas escritas por Isabela Boscov, que tem um site daqueles para ficar horas lendo!

Sem contar que Isabela é admiradora de Jane Austen! Um trecho da resenha de Isabela do filme:

Eu venero a perícia de Jane Austen como escritora e acho que Orgulho e Preconceito faz parte daquele pequeno punhado de romances perfeitos já escritos (“perfeito” como no dicionário: aquilo em que não existe defeito – nenhunzinho – e em que as qualidades são gloriosas). E adoro uma bobagem também. Portanto, me diverti muito com o livro Orgulho e Preconceito e Zumbis, (continuem lendo aqui)

A resenha do livro, Orgulho e preconceito e zumbis.

Orgulho e preconceitos e zumbis

Imagem divulgação

Penguin Popular Classics

Os seis romances de Jane Austen publicados na coleção Penguin Popular Classics em 1994 são muitos simples com apenas um pequeno texto de introdução. O papel jornal com folhas coladas, e muito bem coladas, permite várias leituras sem se despedaçar e torna o preço muito barato. O fato do papel ser mais barato não quer dizer que descuidaram da qualidade do texto, diagramação e capas. No caso das capas, todas trazem na quarta capa a indicação das obras utilizadas.

Como esta coleção é a minha queridinha por ser a primeira na qual li Persuasão em inglês e também a primeira que completei, agora também é a primeira que coloquei na Biblioteca Jane Austen, na tag COLEÇÃO. O post da coleção remete a cada um dos seis livros em separados de modo que vocês possam ver os detalhes das capas.

Penguin Popular Classics Jane Austen

Jane Austen no The Economist

Quem diria, nossa Jane Austen sendo citada no The Economist. Está lá no Facebook no “quote of the day”. Well done!

A frase é de uma conversa, no capítulo 17, entre a sempre boazinha Jane Bennet, autora da frase, e sua racional irmã Elizabeth. Elas falam sobre a Wickham, que muito espertamente conseguiu convencer Lizzy que Darcy o havia roubado em seus direitos sobre um cargo eclesiástico deixado pelo falecido pai de Darcy.

Jane tenta defender Darcy e também Wickham, dizendo que é possível que pessoas interesseiras tenham tentado intrigar ambos. Elizabeth concorda, mas pergunta a Jane o que diria em defesa destes supostos interesseiros, já que ela acha que todo mundo é bonzinho, ou teriam que afinal pensar mal de alguém, ao que Jane responde:

“Laugh as much as you choose, but you will not laugh me out of my opinion.”

E que transcrevo a seguir em quatro traduções brasileiras e três portuguesas:

Pode rir quanto quiser, mas não me fará desistir das minhas opiniões. Lúcio Cardoso

Ria o quanto quiser, mas não me fará desistir da minha opinião. Laura Alves e Aurélio B. Rebello

Zombe o quanto quiser, mas sua zombaria não me fará mudar de opinião. Celina Portocarrero

Você pode brincar quanto quiser, mas suas risadas não me farão mudar de ideia. Alexandre Barbosa de Souza

Troça à tua vontade, mas, se pensares bem, serás da minha opinião. Leyguarda Ferreira

Poses troçar à tua vontade, mas não conseguirás com isso modificar a minha opinião. J. Almeida Pinto

Ri-te à vontade, mas não me farás mudar de opinião. Nuno Castro

Jane Austen, The Economist

Sanditon, o filme

Sanditon, a novela incompleta de Jane Austen, estreará no cinema em 2017.

Sanditon, foi traduzido para o português pelo poeta Ivo Barroso e lançado pela editora Nova Fronteira em 2013 juntamente com outro manuscrito com o título, Novelas inacabadas: Os Watsons e Sanditon.

O roteiro se baseará no manuscrito de Jane Austen e também no livro de Marie Dobbs que deu continuidade e finalizou a novela em 1975, é o que informa a produtora Fluidity Films.

O elenco, pelo o que podemos deduzir, será muito bom., pois já anunciaram Charlotte Rampling para o papel de Lady Denham. Agora é só segurar a ansiedade e espera que a estréia seja nos primeiros meses de 2017!

Sanditon filme

Lendo HQ Orgulho e preconceito no Carnaval

Quem me conhece há mais tempo já sabe da minha ojeriza pelo carnaval. Sou totalmente Mr. Darcy nesse quesito, “Qualquer selvagem pode dançar” Por esse motivo já comprei tudo que preciso e me encerro no meu bunker até quinta-feira, quando já limparam até as cinzas da quarta-feira!

Como já contei, acho que no Facebook, iniciei uma leitura há muito desejada e sempre adiada, Guerra e Paz. Cheguei a fazer votos de ler apenas um livro por vez, mas claro que não cumpri e neste carnaval vou ler Orgulho e preconceito em quadrinhos, da editora Nemo e depois vou encadear a leitura de Pamela, de Samuel Richardson, que a Predrazul enviou e creio deve chegar semana que vem.

Sei que muitos leitores do blog também não são grandes carnavalescos e por esse motivo pergunto: quem vai ler neste feriado e qual livro?
Mr. Darcy no carnaval

Sir William Lucas e Mr. Darcy, no traço de Robert Deas

Memorabilia na Biblioteca Jane Austen

Hoje decidi colocar pequenas coisas que comprei e outras tantas que ganhei de presente que não se encaixam no modelo biblioteca (livros, filmes etc) mas que afinal de contas fazem parte do meu acervo Jane Austen. E para tal criei a categoria MEMORABILIA.

Iniciei com pouca coisa, dois envelopes First Day Cover e uma caderneta estilo Moleskine da Coleção Saraiva de Bolso que foi publicada em parceria com a editora Nova Fronteira. Os próximos objetos serão os selos, tantos os de 1975 que comemoram os duzentos anos do nascimento de Jane Austen, como os do bicentenário de publicação de Orgulho e preconceito em 2013.

memorabilia Jane Austen

Pride and Prejudice | The Ruby Series

Uma bela capa art deco de Pride and Prejudice, publicada por George Routledge & Son, circa 1890. O exemplar faz parte da coleção The Ruby Series. Dei uma espiada no preço só para suspirar… 155 dólares, na AbeBooks.

LInda demais, só não entendi a paisagem com coqueiros e barcos na parte inferior da capa. Será que o artista pensou que fosse Persuasão?

Pride and Prejudice, The ruby Series

Emma para a leitora Júlia Ellen

Ontem, a leitora Júlia Ellen pediu minha opinião sobre um exemplar de Emma. Respondi o email que voltou como erro. Aproveito esta oportunidade para avisar para vocês que tenho tido dificuldade em responder para emails para endereço do Hotmail.

Reproduzo minha resposta para Júlia e as imagens que havia enviado:

Júlia,
os livros da Collector’s Library são uma preciosidade. O papel é bem fino, a tipografia e a diagramação elegante e as bordas do miolo tem proteção dourada contra poeira. A capa em percaline vermelha tem jaqueta protetora de papel com ilustração colorizada. E para compeltar é ilustrado com os desenhos bico de pena de Hugh Thomson.
Estava com meu exemplar aqui e fiz umas fotos (abaixo).
Veja também na página da Colletctor’s: Emma.
beijocas, raquel

Emma, Collector's Library

Emma, Collector's Library

Emma, Collector's Library

Não há tantos homens ricos como mulheres bonitas que os mereçam

Não há tantos homens ricos como mulheres bonitas que os mereçam é o romance da portuguesa Helena Vasconcelos com o título inspirado na célebre frase do primeiro capítulo de Mansfield Park. Sempre fico contente quando vejo livros ou artigos inspirados por Mansfield Park pois creio que é a obra mais negligenciada de Jane Austen. O livro já está em pré-venda no site da editora Quetzal. E também já vai para “lista de desejos Austen”!

Não posso dar minha opinião sobre o livro pois não o li, mas vocês podem ter uma ideia com a sinopse abaixo.

SINOPSE

Uma resposta contemporânea aos romances e às heroínas de Jane Austen.
Helena Vasconcelos é uma profunda conhecedora da obra de Jane Austen e, neste seu primeiro romance, põe em contraponto o universo da escritora inglesa de oitocentos e o da heroína contemporânea, Ana Teresa DeWelt, jovem mulher do século XXI, que procura a felicidade, estudando incessantemente os seus indícios e ensinamentos, ainda que velados, na prosa austeniana. O papel das jovens adultas na sociedade do fim do século XVIII e início do século XIX (com os seus ritos, costumes, valores e preconceitos) não é certamente o mesmo nos dias de hoje. Muitas coisas mudaram nas sociedades e na maneira como valorizam, ou não, a mulher, mas nem tudo mudou.

Este divertido romance, cujo título foi retirado de Mansfield Park, é também uma sátira de costumes e cumpre a «agenda» dos livros de Austen: debaixo da aparência de normalidade e conformidade com as regras (também literárias), observa e critica com ironia e subtileza, os meandros da família, da amizade, do interesse material, do desejo e do amor.

Não há tantos homens ricos como mulheres bonitas que os mereçam

Alan Rickman | Obituário

Faleceu no dia 14 de janeiro aos 69 anos o ator Alan Rickman. Foi informado apenas que estava sofrendo com câncer e mesmo amigos não sabiam da gravidade de sua doença. Alan era um gentleman e saiu de cena tão discreto quanto um de seus personagens mais admirados pelos fãs de Jane Austen: o Coronel Brandon de Razão e sensibilidade.

Alan Rickman

Alan Rickman fez o papel do Coronel Brandon na versão de 1995 de Razão e sensibilidade, dirigida por Ang Lee com roteiro de Emma Thompson que também interpretou o papel de Elinor Dashwood. E por esse motivo me propus a rever o filme e ler o diário de filmagem de Emma que era grande amiga do ator. Do diário destaquei alguns comentário sobre Alan:

Alan Rickman mandou uma quantidade imensa de chocolates para animar o pessoal. [Nas filmagens do baile em Londres]

A interpretação de Alan  foi muito tocante. Ele representou tão bem tipos maquiavélicos que é emocionante vê-lo expor a extraordinária doçura de seu caráter. Presença triste, vulnerável, mas marcante. Brandon é, suponho, o verdadeiro herói dessa peça, mas tem de avolumar-se diante do público, como se avoluma diante de Marianne. [Primeira aparição de Brandon no filme, chegando em Barton Park]

A história de Brandon, Eliza e Beth é como um livro barato de contos policiais, mas Alan consegue dar a ela a profundidade da dor –[…] [Brandon contando para Elinor sobre seu primeiro amor, Eliza]

Pensei em fazer uma galeria das cenas com Brandon, mas são tantas imagens que o post ficaria muito pesado e portanto escolhi uma cena que acho linda e simples: o Coronel Brandon entrega um lindo buquê de flores para Marianne que convalesce de sua queda. Quando ele se vai embora cruza com Willoughbye carregando alguma coisa escondida nas costas, se cumprimentam e cada um continua seu caminho. Mas o coronel não resiste a tentação, olha para trás e vê o buque de flores silvestres que Willoughby carrega. Nesse momento as esperanças do Coronel Brandon começam a derreter…

Coronel Brandon e flores

Coronel Brandon e flores

Coronel Brandon e flores

Alan Rickman desempenhou vários papéis brilhantemente, dentre eles o mais conhecido, pelo menos da nova geração, o professor Severo Snape na série Harry Potter. Preciso confessar que meu papel preferido foi o de xerife de Nottingham, talvez por ser a primeira vez que o vi atuar.

Outro papel que fiquei encantada foi Éamon de Valera, político irlandês, no filme Michael Collins, que ele fez logo depois de Razão e sensibilidade e que o diretor Neil Jordan menciona como “Sua recriação da imagem de De Valera, sua voz e sua postura, tudo foi inquietante e completamente impecável.” Tanto foi assim que lembro de ter lido na época que uma cena na qual Alan faz um discurso de De Valera, em praça pública com centenas de figurantes que deviam aplaudir ruidosamente, todos ficaram em silêncio tamanha a emoção e tiveram que refazer a cena!

E para finalizar vejo no IMDb que seu último trabalho foi dar voz – a sua bela voz – ao personagem Blue Carterpillar, no filme Alice através do espelho.

Alan Rickman, 21 February 1946 – 14 January 2016. Requiescat in pace.

Orgulho e preconceito HQ em português

Finalmente temos uma HQ ou história em quadrinhos de Orgulho e preconceito traduzida para o português!

Quem trouxe para o Brasil a adaptação de Orgulho e preconceito de Ian Edginton com ilustrações de Robert Deas foi a editora Nemo do grupo Autêntica e já está em pré-venda na Amazon BR, com previsão para final de janeiro.

SINOPSE

“É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, de posse de boa fortuna, deve estar atrás de uma esposa.”
Elizabeth e suas quatro irmãs estão impossibilitadas de herdar a propriedade de seu velho pai e enfrentam a ameaça do despejo. As irmãs devem garantir sua segurança financeira por meio do casamento, mas nossa heroína tem outros planos. Ela fez votos de se casar somente por amor. Seu olhar acaba capturado pelo distinto Sr. Darcy, mas quem irá salvar os Bennets? Elizabeth deve se casar por amor ou deve salvar sua família?

Em 2012 fiz um post sobre o livro e mencionei comentários elogiosos que havia lido sobre o texto adaptado de Edginton, e agora numa leitura rápida de algumas páginas (no link acima da Amazon) me parece que promete! Depois que receber meu exemplar, volto ao tema e conto para vocês minhas impressões.

Orgulho e Preconceito em quadrinhos HQ

Ex-Libris da Biblioteca Jane Austen

Há muito vinha planejando fazer um ex-libris para a Biblioteca Jane Austen e outro para meus outros livros até que decidi por fazer apenas um. Sem frases, apenas meu nome e o da biblioteca, pois Jane não me define mas certamente diz muito sobre todas as minhas leituras. Bem, cá está, com minha indefectível xícara de chá e meu pocket de Pride and Prejudice, sóbria edição da Oxfrod University.

E por falar em biblioteca, além de um post fixo com as boas-vindas, acrescentei os dois livros da Nova Fronteiras, Razão e sentimento (edição comemorativa) e Novelas inacabadas: Os Watsons e Sanditon, e Persuasão (com Lady Susan e Jack e Alice) da Zahar, todos edições de luxo, capa dura. Também iniciei a colocação de filmes: com o DVD de Pride and Prejudice de 1940.

Agora com o ex-libris pronto é preciso dar início a tão programada e nunca acabada limpeza profunda e restauro dos livros, sem contar que preciso ainda decidir como organizarei a miscelânea como selos, cartões, fotos, recortes de jornal. Alguém tem alguma sugestão?

ex-libris biblioteca Jane Austen

Caixa de escrever e óculos de Jane Austen

A caixa de escrever, ou secretária como se costumava chamar, e os óculos que pertenceram a Jane Austen estão no Museu Willis em Basingstoke, Hampshire, e já fazem parte de um programa para celebrar Austen que está em andamento e reunirá grande número de artefatos e materiais relacionados à escritora até o ano que vem, 2017, quando completará os  200 anos de sua morte.

Já vi em mais de um filme o uso dessas caixas e um que me lembro nitidamente é em A Abadia de Northanger com Catherine Morland escrevendo uma de suas tantas cartas, creio que para Isabela Thorpe. Tenho uma vontade imensa de ter uma dessas caixas em mãos para tentar escrever pois me parece quase  impossível. Bem, Jane se visse nossos notebooks provavelmente também os acharia terríveis de manusear!

Outro desejo seria ter um estojo para óculos bordado como a da foto. Palavra que vou tentar fazer um para mim, para meus óculos de leitura na cama (sim, tenho um só para ler deitada) que vivem caindo e ficando arranhados. Ah! e quero uma armação igual a de Jane, isso não é difícil pois já tive uma bem parecida. Sem contar que gostaria de estar na Inglaterra no ano de 2017.

Certamente entre 2016 e 2017 teremos outros eventos comemorativos sobre este vasto mundo que Jane Austen nos legou escrevendo poucos livros sobre “três ou quatro famílias em um vilarejo rural” e que Liev Tolstói muitos anos mais tarde disse sobre ser reconhecido como escritor, “se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia”. Será que Tolstói leu Jane Austen?

Caixa de escrever e óculos de Jane Austen

FONTE: Basingstoke Observer, “Austen artefacts come to Basingstoke”, por Christian Wilson | Imagem divulgação

Unleashing Mr. Darcy, o filme

Escrevi um post sobre o livro de Teri Wilson, Unleashing Mr. Darcy, e sobre o filme que estava sendo feito inspirado no livro. Pois bem, o filme já está pronto e estréia nos Estados Unidos no dia 23 de janeiro deste ano no Hallmark Channel. Agora é só aguardar para ver se apresentarão no Brasil pois a Hallmark, se não me engano, tem seu filmes apresentados por aqui pela Studio Universal.

O canal menciona o nome dos atores de apenas três personagens: Ryan Paevey (Mr. Darcy), Cindy Busby (Elizabeth Scott) e Frances Fisher (Violet Darcy), sendo esta últimaa  tia de Darcy e certamente simulando Lady de Bourgh. Será que teremos alguém no papel de Mr. Collins, o meu queridinho?

Unleashing Mr Darcy

Pride and Prejudice ilustrado por Isabel Bishop

Reservei este post com meu exemplar de Pride and Prejudice ilustrado por Isabel Bishop para dar início ao ano de 2016 com a alegria, pois Orgulho e preconceito é sempre prenúncio de alegria!

Este foi um dos mimos que encontrei por acaso no Brasil e me dei de presente no final do ano. Fotografei o livro e sua caixa para vocês terem uma ideia das ilustrações de Bishop e quando ele for colocado na Biblioteca Jane Austen vocês poderão ver a galeria completa de ilustrações. Uma dessas ilustrações, mais precisamente a que Elizabeth Bennet relê as cartas de Jane e fica cada vez mais zangada com Mr, Darcy, estará na nota de 10 libras que será lançada este ano no Reino Unido.

Outra particularidade desta edição é o posfácio escrito pela ilustradora que traduzo aqui para vocês.

ESTES DESENHOS , para Orgulho e preconceito, visam somente proclamar meu particular deleite com o livro  – eles não estão tentando a tarefa impossível de embelezar um trabalho já completo e perfeito.
Mas meu envolvimento com este comprometimento tem a ver também, com meus sentimentos – descontroladamente presunçoso – que Jane Austen ao lidar com problemas de escritor, certos fatos menores dizem respeito (com a maior distancia possível) aos meus próprios esforços como artista com mais de cinquenta anos. Eles são: ela não descreve, em detalhes, ambientes; enquanto ela dá a você de imediato o contexto social de seu personagens, ela se cala em no contexto maior (você não sabe a situação econômica geral, ou se a Inglaterra está em guerra); ela não permite que você se importe com que as pessoas usavam, ou mesmo sobre detalhes de suas fisionomias! Ela direciona as questões que você tem permissão de perguntar – ela proíbe qualquer impulso que se pergunte outras! Isto parece negativo. (Ela mesma disse sobre seus métodos que ela “podava e cortava'”!¹). Ao final o que ela apresenta como importante convence você completamente, em sua plenitude e humor, e sua importância assume grandiosidade.
Em outras palavras, ela limita seus problemas estéticos e, no caso dela, ganha grande poder através disso.
Que lição para a arte visual! De fato, todo período “moderno” de pintuira (desde 1910) tem se preocupado com alguns aspectos desse problema. Isabel Bishop
NOTA
¹ A expressão “lop’t and crop’t”, no original, que ao pé da letra seria traduzido como “podar e cortar”, mas sem as contrações do inglês, é também em si um exemplo para descrever sua maneira de revisar de seus manuscritos resultando em seus textos enxutos e claros..

Pride and Prejudice, Isabel Bishop

Feliz Natal para Emma Woodhouse | Resultado do sorteio

O sorteio de Natal teve 43 comentários válidos e os número sorteado foram:

  • 22 | Cleidiane – Caderno
  • 37 | Iolene Beltrão – marcadores de página
  • 17 | Lídia Aguiar – marcadores de página
  • 39 | Ivoneide Soares – marcadores de página
  • 16 | Larissa Aguiar – ex-libris
  • 32 | Amanda Vieira de Oliveira – ex-libris
  • 1 | Ester de Mesquita  – ex-libris

Entrarei em contato com os vencedores para o envio dos prêmios. Muito obrigada a todos que participaram!

ATUALIZAÇÃO: os cadernos e marcadores já foram enviados pelos Correios, e os ex-libris via e-mail. Peço a gentileza de me avisarem quando receberem. Obrigada.

SORTEIO_DEZ2015

Jane Austen coleção Signature Editions

Minha coleção Jane Austen da Signature Editions chegou semana passada. Sim, é linda! E para quem perguntou, sim, é capa dura mas tem uma jaqueta em papel ilustrado (segunda foto) o que talvez dê aparência de capa mole. Em breve as capas estarão na Biblioteca Jane Austen com imagens mais detalhadas com créditos de imagens.

Detalhe: consta na página de crédito dos livros, escrito em português, que é uma edição para a editora Saraiva, mas os livros são todos em inglês. Digo isto pois no primeiro post que fiz sobre esta coleção mencionei que era uma coleção da Barnes and Noble, o que consta também no site da livraria. Enfim, é só um detalhe e o que importa é que ainda estão à venda no site da livraria Saraiva.

Este foi um dos presentes Jane Austen de Natal, mas nem conto para vocês que ontem fiz outra pequena extravagância. Contarei no ano que vem!

Coleção Jane Austen Signature Editions

Coleção Jane Austen, Signature Editions

Feliz aniversário, Jenny!

Hoje, 16 de dezembro, comemoramos a data de nascimento de Jane Austen. E como já somos íntimas da família, resolvi parabenizar com o apelido carinhoso que seu pai, o reverendo Austen, a menciona em uma carta para a irmã anunciando seu nascimento e nome, “She is to be Jenny […]”.

To Be Jenny

Foto com meu relicário Jane Austen sobre a carta do revererendo Austen.

Feliz Natal para Emma Woodhouse | Sorteio

Sabe aquele dilema para se dar um presente para uma pessoa que tem de tudo e mais um pouco? Pois bem, Emma Woodhouse que é “bela, inteligente e rica” além de ser “senhora de uma confortável mansão”, neste final de ano comemora 200 anos com as “melhores benção de sua existência” e será o desafio de nosso sorteio de Natal!

Serão sorteados um caderno, três jogos de marcadores de página e três ex-libris com seu nome da Jane Austen Literacy Foundation. Para participar é preciso responder a pergunta abaixo nos comentários abaixo.

Qual presente de Natal você daria para Emma Woodhouse?

NORMAS DO SORTEIO

  • Sorteio de 14 a 20 de dezembroResultado: 21 de dezembro
  • É permitido apenas um (1) comentário por participante
  • Se um grupo usar o mesmo computador para comentar, o que levará a IPs iguais, avise no próprio comentário para não ser desclassificado
  • Use seu mail verdadeiro e apenas no formulário. Não coloque email no corpo do comentário
  • Lembrem-se: comentários são moderados e podem levar um tempo para serem publicados
  • Qualquer um pode comentar mas somente quem tiver um endereço no Brasil concorrerá ao presente

Natal Emma Woodhouse

Pride and Prejudice Collector’s Library | Ilustrações coloridas

Finalmente tenho em mãos meu exemplar de Pride and Prejudice com as ilustrações de Hugh Thomson coloridas publicado pela Collector’s Library. Namoro este livro faz muito tempo e com o dólar nas alturas já contava não mais comprá-lo novo, somente usado. Mas no Book Depository apareceu uma oferta e foi pra já!

Hugh Thomson ilustrou os seis livros de Jane Austen a partir de 1893, todos em desenhos em bico de pena (nanquim). Mais tarde Thomson coloriu alguns de seus desenhos para outros autores mas as ilustrações de Jane Austen ficaram todas originalmente em preto e branco. Esta edição foi colorida à mão especialmente para a Collector’s Library por Barbara Frith.

ONDE COMPRAR
Pride and Prejudice Collerctor’s Library com ilustrações coloridas ainda em oferta no Book Depository

Pride and Prejudice Collector's Library | Ilustrações coloridas

Orgulho e preconceito, edição de 1941

Recebi um presente maravilhoso da leitora Monique Martins (muito obrigada!): fotos da segunda edição da tradução de Lúcio Cardoso para a José Olympio que foi publicada em 1941. A primeira edição é de 1940 e vocês podem ver a capa na Biblioteca Jane Austen com aquela capa em “verde-cheguei”!

Vejam a diferença que faz uma cor e me digam se este azul não ficou muito melhor. O livro é capa dura e examinando a foto desconfio que teria sido capa mole, mas como já fiz em alguns livros meus, foi transformado em capa dura reaproveitando a capa original.

Bem, agora vou começar as buscas por um exemplar destes!

Orgulho e Preconceito, 1941

Orgulho e Preconceito, 1941

Apresentando Lady Sallaberry

Lady Sallaberry é o novo nome da loja Antiguinha que sempre patrocinou o Jane Austen em Português. Mudou o nome e a url também – www.ladysallaberry.com.br – mas os produtos e a proprietária continuam os mesmos. O cadastro dos clientes migrou intacto para o novo endereço e vocês podem entrar com a mesma identidade e a mesma senha para fazer as compras. Qualquer dificuldade, por favor, entrem em contato comigo.

Convido vocês a visitarem a loja com novidades para o Natal e também a curtir a página Lady Sallaberry no Facebook.

Lady Sallaberry, a loja do Jane Austen em Português

PS: Minha loja no site americano ETSY também adotou o nome Lady Sallaberry,

Vamos ler o que Jane Austen lia?

Quem está traduzindo para o português livros que sabemos que Jane Austen lia é a editora Pedrazul. A editora já publicou Evelina de Frances Burney, Os mistérios de Udolpho (em dois volumes) de Ann Radcliffe e agora está produzindo, Pamela de Samuel Richardson. A tradução do livro de mais de 400 páginas é de Rafael Tages.

A sinopse do livro para vocês terem uma ideia do enredo:

Pamela Andrews trabalha como criada na casa de uma rica família da Inglaterra rural. Quando sua senhora morre, seu filho, Mr. B. começa a importuná-la usando mil artimanhas. Pamela, contudo, decide voltar para a casa de seus pais, mas suas cartas são interceptadas. Sozinha, desprotegida ela é implacavelmente perseguida. Embora se sinta atraída por ele, ela mantém-se contra suas exigências e ameaças de rapto, determinada a defender a sua virgindade e respeitar seus padrões morais. Uma heroína serva, ricamente cômico, um elenco diversificado, no qual, o vilão e o herói se misturam, é, no mínimo, incomum. Com o subtítulo ‘Virtude Recompensada’, este romance epistolar, evoluído para os padrões do século XVIII, é, de fato, emocionante.

Samuel Richardson publicou também Clarissa e Sir Charles Grandison e consta que este último foi o predileto de Jane Austen, servindo inclusive como inspiração para suas técnicas de comédia.

Pamela já está na pré-venda no site da editora e também no Kickante, onde você pode adquirir outros produtos como bolsa e camisetas. A previsão de entrega é a partir da segunda quinzena de Janeiro de 2016.

PS: A capa e a quarta capa, minha preferidaPamela, PedrazulPamela, Pedrazul

Um sorriso totalmente Mr. Darcy

Sei que muitos de vocês não gostam da versão de 1940 de Orgulho e preconceito. Concordo que o Mr. Darcy de Laurence Olivier parece muito maneiroso e que a história, apesar de eu adorar – choro de rir dessa adaptação – é bem infiel ao ao original. Mas este micro vídeo com Mr.Olivier dando um sorriso é muito Mr. Darcy!

Para assistir é preciso acessar a página: Sir Laurence Olivier (fan page).

Laurence Olivier, sorriso Mr. Darcy

Planejando Jane Austen para 2016: calendário

Iniciei o mês de dezembro tentando planejar o ano de 2016 e claro sempre com Jane Austen em mente! E quando encontrei este calendário parte dos meus planos para economizar começaram a derreter…É lindo por demais! E tem mais um detalhe, 10% das vendas do calendário reverterão para a Jane Austen Literacy Foundation.

O calendário está à venda no JT Originals, por 10 dólares + frete.

Peacock Calendar 2016

Jane Austen Literacy Foundation: doe um ex-libris

Em março do ano passado escrevi sobre a fundação para alfabetização, Jane Austen Literacy Foundation, fundada por Caroline Jane Knight, a última dos descendente da família de Jane Austen que nasceu e foi criada na bela mansão de Chawton. Conforme o prometido volto com mais informações sobre como ajudar a instituição.

Uma das maneiras, a mais simples, é fazendo uma doação livre e recebendo um ex-libris com nosso nome ou se preferir com nome de alguém que quisermos presentear. Foi o que aconteceu comigo, recebi o presente de minha amiga Rita Watts em (thank you, dear!) e, em breve, vou presentear uma ou um leitor aqui do blog. Aguardem!

Ex-libris Jane Austen

Primeiras traduções brasileiras de Jane Austen

Como vocês já sabem estou montando com meu acervo site Biblioteca Jane Austene ontem cadastrei os seis livros completos da autora em suas primeiras traduções no Brasil. E com um detalhe, exceto por Mansfield Park, todos são primeiras edições o que os torna muito especial.

Aqui está lista, por ordem de ano de publicação, das primeiras traduções dos seis livros de Jane Austen no Brasil:

  • Orgulho e preconceito, tradução de Lúcio Cardoso feita em 1940. Esta tradução é a primeira de Jane Austen no Brasil. A capa é triste, da cor a tipografia!
  • Mansfield Park, tradução de Rachel de Queiróz feita em 1942. Note-se que meu exemplar da foto já é da segunda edição de 1958. Algo que me intriga é o fato de Mansfield ser a segunda escolha das traduções de Jane no Brasil, pois normalmente é deixada por última e em alguns casos nem é publicado.
  • Razão e sentimento, tradução de Dinah Silveira de Queiróz feita em 1944. A edição é em capa dura e meu exemplar está frágil demais.
  • A Abadia de Norhtanger, tradução de Lêdo Ivo feita também em 1944. Outra escolha diferente pois junto de Mansfield a Abadia é dos menos publicado.
  • Persuasão, tradução de Luiza Lobo feita em 1971.
  • Emma, tradução de Ivo Barroso feita em 1996 foi a última das traduções dos seis livros principais de Jane Austen no Brasil.
  • Austen primeiras traduções brasileiras

Debate com Ivo Barroso

O poeta Ivo Barroso, tradutor de várias obras, dentre elas Razão e sentimento, Emma e Novelas Inacabadas: Os Watsons e Sanditon de Jane Austen, estará dia 8 de dezembro na Livraria da Travessa, do Shopping Leblon para um debate da obra de Hermann Hesse, Demian, a qual ele traduziu.

PS: Ivo voltou a publicar no seu blog A Gaveta do Ivo e tem quatro textos ótimos sobre Sylvia Plath, Kazantákis, Hamlet e Nabokov. 

Demian

Não abandone Jane Austen!

luzfemininoTenho leitoras do blog que me acompanham desde seu início em 2008. Uma delas é minha querida Rebeca que teve um grupo chamado Chá com Jane Austen, para qual fiz uma foto para ilustrar o post inaugural e que tornou-se o logo oficial do Jane Austen em Português. O grupo terminou por vários motivos com todos nós seguindo nossas vidas mas certamente com boa lembranças das leituras de Jane Austen,

No caso específico de Rebeca ela nos conta no seu novo blog Luz do Feminino no post intitulado “Se arrependimento matasse…

Jane Austen e monstros marinhos

Encontrei um exemplar novo de Razão e sensibilidade e Monstros Marinhos de Ben H. Winters e por custar menos de dez reais (sim os tempos estão difíceis!) comprei para minha coleção Jane Austen. A tradução de Maria Luiza X. de A. Borges foi publicada pela editora Intrínseca e me surpreendeu pois eu não sabia que era ilustrada. As ilustrações, em preto e branco, são de Eugene Smith e a imagem da capa de Lars Leetaru.

Como não vou ler tão cedo mas estou curiosa, pergunto: algum leitor aqui do blog já leu este livro? E qual a opinião?

Razão e sensibilidade e monstros marinhos